O Efeito do Exercício Resistido e do Alongamento no Músculo Soleo de Ratas Osteopênicas

Por: Julye Leiko Ywazaki.

78 páginas. 2012 09/03/2012

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar o efeito do exercício resistido e/ou alongamento muscular, na morfologia do músculo sóleo de ratas osteopênicas. Para tal, 75 ratas Wistar (218 ± 22g) foram divididas em 8 grupos: Grupo Controle (CONT, n=5): ratas intactas; Grupo Ovarietomia e Histerectomia (OH, n= 10): submetidas a ovarectomia e histerectomia e aguardaram 60 dias para se instalar o quadro de osteopenia. Grupo Alongamento (ALONG, n= 10)- músculo sóleo esquerdo foi submetido apenas ao alongamento; Grupo Ovarietomia e Histerectomia e Alongamento (OH+ALONG, n=10)- submetidas à ovarectomia e histerectomia, e o músculo sóleo esquerdo foi submetido ao alongamento, realizado manualmente, composto por 10 séries de 60 segundos, 2x/semana. Grupo Exercicio resistido (ER, n=10) foram submetidas somente ao exercício resistido, composto por 4 séries de 10 saltos, com carga progressiva, iniciando com 50% do peso corporal, aumentando progressivamente quinzenalmente até 70% do peso corporal, 3x/semana. Grupo ER+ALONG (n=10): submetidas ao exercício resistido e ao alongamento. Grupo Ovarietomia e Histerectomia e Exercício resistido (OH+ER, n=10) submetidas à ovarectomia e histerectomia e ao exercício resistido. Grupo Ovarietomia e Histerectomia, Exercicio resistido e Alongamento (OH+ER+ALONG, n=10) submetidas à ovarectomia e histerectomia, ao alongamento e ao exercício resistido. Ao final de 6 semanas as ratas de todos os grupos foram submetidas a ortotanásia para a retirada do músculo sóleo. As seguintes variáveis foram analisadas: peso corporal; peso muscular; comprimento do músculo; número de sarcômeros em série; comprimento dos sarcômeros e área de secção transversa das fibras musculares. A análise dos resultados foi realizada pela comparação entre o peso corporal inicial e final e entre o sóleo direito e esquerdo por meio do teste t pareado. Resultados paramétricos foram analisados com ANOVA one way post hoc Tukey e os não paramétricos com Kruskall-Walis (p<0,05). Foi observado aumento de peso corporal final em relação ao inicial em todos os grupos (p<0,05, teste t pareado). O peso corporal final dos grupos que foram submetidos à ovariectomia e histerectomia foram maiores quando comparado aos grupos que realizaram apenas os protocolos de exercícios. O peso muscular dos grupos OH+ER+ALONG, OH+ER e OH+ALONG foi superior quando comparado ao ER+ALONG (p<0,05) e ao ER (p<0,05). O OH+ER+ALONG apresentram maior comprimento muscular comparado ao ER (p=0,02), C (p=0,003 e ALONG (p=0,03). O OH+ER foi superior comparado aos grupos ER, C e ALONG (p=0,03, p=0,04 e p=0,04 respectivamente). O número de sarcômeros em série do OH+ER+ALONG foi superior aos grupos: C (p=0,001) e ALONG (p=0,02). O OH apresentou maior número de sarcômeros comparado ao ER (p= 0,007), ER+ALONG (p=0,017), C (p= 0,0003) e ALONG (p=0,003). O OH apresentou área de secção transversa do múscuo sóleo menor comparada a todos os grupos. A ovarietomia e histerectomia induziu sarcopenia, mas os protocolos de exercícios realizados foram suficientes para prevenir a perda da área de secção transversa das fibras musculares. A sobrecarga do peso corporal associada ou não ao exercício resistido com o alongamento favoreceu a sarcomerogênese em ratas osteopênicas.

Endereço: http://hdl.handle.net/1884/27460

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.