O Efeito da Experiência, do Conhecimento e da Habilidade na Tomada de Decisão do Passe do Futsal a Partir das Relações Interpessoais Angulares

Por: Silvia Letícia da Silva.

2014 15/12/2014

Send to Kindle


Resumo

A tomada de decisão diz respeito a um componente essencial para o desempenho de inúmeras habilidades motoras, principalmente aquelas que envolvem julgamentos e escolhas. Duas correntes teóricas se destacam nesse âmbito: uma, com foco nos níveis de experiência e conhecimento dos indivíduos e, outra, na percepção de variáveis físicas que refletem a coordenação interpessoal. No presente estudo ambas foram consideradas conjuntamente. Investigou-se como indivíduos de diferentes níveis de experiência, conhecimento e habilidade decidiam sobre o passe de bola com base em relações interpessoais angulares. Ângulo foi escolhido como variável coletiva em razão de capturar as relações interpessoais em situações de passes e interceptação de passes. Foram filmados dois jogos de futsal com jogadores experientes e inexperientes entre 13 e 14 anos de idade. As relações interpessoais angulares foram compostas por: ângulo A, interação de vetores ligando o portador da bola com seu marcador e seu companheiro de time; e, ângulo B, interação de vetores ligando o portador da bola com seu companheiro de time e o marcador dele. Essas relações angulares também foram consideradas em relação à taxa de mudança com base em velocidade e variabilidade. Todas as medidas foram calculadas com base nos deslocamentos dos jogadores adquiridos por meio do software TACTO, em relação às coordenadas x e y, numa frequência de 25 Hz. Os dados foram analisados através do teste U de Mann-Whitney, considerando-se o nível de significância de p<=0,05. Os resultados obtidos referentes aos níveis de experiência e de conhecimento não revelaram diferenças significativas em nenhuma das variáveis angulares. Já com relação ao nível de habilidade, diferenças significativas foram encontradas somente para a velocidade angular (B). No que diz respeito à efetividade do passe, os resultados revelaram que independente dos níveis de experiência, conhecimento e habilidade, os passes efetivos foram realizados com base no ângulo (B). Os resultados permitem concluir que os jogadores, independente dos níveis de experiência e de conhecimento, utilizaram as mesmas relações interpessoais angulares para realização do passe, e que o ângulo (B) foi aquele que influenciou na eficiência do passe

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39132/tde-02022015-074627/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.