O Esporte Paralímpico Como Espaço de Pertencimento: o Enigma de André Brasil

Por: Luciane Maria Micheletti Tonon.

Olimpianos - Journal Of Olympic Studies - v.2 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Resumo -O ser humano tem uma relação simbólica com o espaço em que habita, convive e se situa. Bachelard traz a “casa” como imagem poética do espaço que acolhe, confina, diminui, aumenta, projeta e deixa cada um possa ter sua identidade. Mas, o que resta quando se é abruptamente privado desse espaço, dessa “casa”, desse habitat. Esta é a questão que o artigo pretende responder ao fazer uma analogia pelo imaginário, do esporte paralímpico como sendo a “casa”, ocupada por um atleta com deficiência. Mais especificamente, com o estudo de caso do nadador André Brasil, que após 14 anos de carreira, foi considerado inelegível por classificadores do Comitê Internacional Paralímpico –IPC. A análise de seu discurso remete imageticamente ao filme: O Enigma de Kaspar Houser. O método investigativo é o de narrativas biográficas, que se estende para além de marcos históricos ou sociais e adentra o campo da subjetividade marcado por construções simbólicas que devem ser entendidas nesse contexto. Sendo assim, o objetivo deste artigo é atestar, pelo prisma da subjetividade, o esporte como um espaço de pertencimento do atleta paralímpico e sua representatividade na trajetória do atleta

Endereço: http://olimpianos.com.br/journal/index.php/Olimpianos/issue/view/5

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.