O Estudo da Percepção de Competência Atlética, da Orientação Motivacional, da Competência Motora e Suas Relações em Crianças de Escolas Públicas

Por: Gabriela Villwock e Nadia Cristina Valentini.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

O foco desta pesquisa desenvolvimental, de delineamento transversal, foi investigar
a relação entre a percepção de competência atlética, a orientação motivacional e a
competência motora de crianças. Verificou-se também a relação entre gêneros e
idades nas três variáveis. A amostra desta pesquisa foi aleatória, composta por 298
crianças (50% meninos e 50% meninas) com idade entre 8 e 10 anos, estudantes de
escolas estaduais da cidade de São Leopoldo-RS. Os instrumentos utilizados foram
as escalas de Harter: Self-perception profile for children (1985) e A scale of intrinsic
versus extrinsic orientation in the classroom (1980); e o Test of Gross Motor
Development - 2 (TGMD-2) (ULRICH, 2000). Para a análise das relações entre as
variáveis, foi utilizado teste de correlação de Pearson; e, para investigar possíveis
diferenças entre os gêneros e as idades, foi utilizado o teste estatístico One Way
ANOVA. Os resultados indicaram que: 1) meninos e meninas de 8 a 10 anos que se
perceberam competentes nas habilidades motoras eram motivados intrinsecamente
a realizar atividades motoras; 2) meninos e meninas de 8 a 10 anos que se perceberam
competentes nas habilidades motoras demonstraram elevada competência motora;
3) os meninos perceberam-se mais competentes motoramente do que as meninas;
4) as percepções de competência atlética apresentaram-se semelhantes para as crianças
de 8 a 10 anos; 5) meninos e meninas apresentaram orientação motivacional
semelhante; 6) crianças de 10 anos demonstraram motivação intrínseca mais elevada
do que crianças de 8 anos; 7) os meninos evidenciaram competência motora superior
quando comparados às meninas; 8) crianças de 8 a 10 anos apresentaram níveis
similares de competência motora. Conclui-se que crianças que se percebem
competentes atleticamente, são motivadas intrinsecamente a se engajar em uma
atividade, e, consequentemente, são competentes motoramente. O professor de
educação física deve proporcionar experiências motoras variadas que aumentem
progressivamente o desempenho motor das crianças, para que as crianças construam
sua percepção de competência atlética e mantenham e fortaleçam sua motivação
intrínseca nas aulas de educação física.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/75_Anais_p403.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.