O Exercício Físico e o Desenvolvimento da Criança na Literatura Médica e Pedagógica de Setecentos

Por: A. G. Ferreira e J. V. Ferreira.

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto - v.2 - n.1 - 2002

Send to Kindle


Resumo

RESUMO Acompanhando a emergência da sociedade moderna, as propostas pedagógicas dos educadores mais ilustres vão, cada vez mais, encarar a educação do corpo como um aspecto de fundamental importância. Todavia, não se pode ignorar que as preocupações relativas ao bem-estar e equilíbrio do corpo se encontravam presentes em algumas obras médicas da primeira metade de Setecentos. Médicos e cirurgiões consideraram o exercício físico como algo de relevante na conservação da saúde. No entanto, nas obras médicas e cirúrgicas da primeira metade do século, a preocupação dominante, senão a única, era a da preservação da saúde. Raramente, nelas se encontrava a preocupação com o desenvolvimento integral do homem. Na segunda metade do século XVIII, os médicos e pedagogos passaram a olhar a Educação Física como uma condição fundamental do desenvolvimento global do indivíduo. Neste sentido, o exercício já não era particularmente entendido apenas como necessário à preservação da saúde, mas como factor de desenvolvimento físico, base importante da formação moral. No presente estudo, pretendemos analisar os argumentos então apresentados sobre a importância da Educação Física e sublinhar as principais ideias e aspectos a definirem a tendência das propostas médicas e pedagógicas publicadas, durante o século XVIII, em Portugal. Palavras-chave: Exercício físico, criança, desenvolvimento, ideias, médicos, pedagogos, século XVIII, Portugal.

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.