O Fluxo no Voleibol: Relação com a Motivação, Autoeficácia, Habilidade Percebida e Orientação às Metas

Por: , Maurício Bara Filho, Renato Miranda e Simone Salvador Gomes.

Revista da Educação Física - UEM - v.23 - n.3 - 2012

Send to Kindle


Resumo

O propósito deste estudo foi verificar a relação entre o fluxo e as formas de motivação estabelecidas pela teoria da autodeterminação, a autoeficácia, a habilidade percebida e a orientação às metas. Os participantes foram atletas de voleibol do gênero masculino que responderam aos seguintes instrumentos: Avaliação Demográfica, Escalas de Motivação Esportiva, Orientação Tarefa-Ego no esporte, Escala de Autoeficácia Individual para o Voleibol, Escala de Habilidade Percebida, e Escalas da Percepção do Fluxo. Os dados foram coletados em três jogos. Os resultados revelaram que a média do fluxo dos atletas foi baixa. Observou-se uma relação negativa com os componentes da motivação extrínseca e amotivação, e uma relação positiva entre o fluxo e autoeficácia na segunda fase, e entre o fluxo e a habilidade percebida na segunda e na terceira fases do estudo. Em relação à orientação tarefa, a relação foi negativa na segunda fase e positiva na terceira fase, jogos de campeonatos estadual e regional, respectivamente.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/17024

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.