O Impacto da Atividade Física Sistematizada nos Parâmetros da Aptidão Física Relacionada à Saúde em Escolares de 8 a 11 Anos

Por: Camila Ramos Santos, Carla Cristiane Silva e Marcelo José Resende Gonçalves.

Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde - v.24 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar se existe impacto de um programa adicional de atividades esportivas (GSA) às aulas de Educação Física (EF) escolar sobre parâmetros da aptidão física relacionada à saúde de crianças. Estudo quase-experimental que envolveu 73 crianças, de 8 a 11 anos de idade, de ambos os sexos. A intervenção ocorreu durante quatro semanas, com duas sessões semanais de treinamento ou aula, com duração de 50 a 60 minutos por sessão. As crianças foram alocadas em dois grupos: grupo que realizou as aulas de Educação Física (GPE, n = 39) exclusivamente; e grupo de atividades esportivas (GSA, n = 34). As atividades esportivas incluíram jogos pré-desportivos, incluindo passes, recepção, arremessos, dribles e corridas. A aptidão física foi investigada pelo Fitnessgram nos momentos pré e pós-intervenção. As Equações de Estimativa Generalizadas foram utilizadas para comparar os testes de aptidão física entre os momentos pré e pós (intragrupos), e o impacto da intervenção foi verificado pela análise intergrupos. Os resultados intragrupo revelaram que o GSA obteve uma melhora significativa em todos os testes de aptidão física (p < 0,01), além da redução da gordura relativa e no IMC (p < 0,05). No entanto, o GPE demonstrou piora no teste abdominal (p = 0,019) e aumento na gordura relativa (p = 0,001). Na análise intergrupos, houve diferenças significativas no IMC e no teste de resistência aeróbia, com superioridade no GSA (p = 0,030). Conclui-se que o programa com atividades esportivas foi efetivo na melhora dos níveis de aptidão física, enquanto que as aulas de EF não foram suficientes de forma isolada para garantir melhora na aptidão física relacionada à saúde.

Referências

Poitras VJ, Gray CE, Borghese MM, Carson V, Chaput JP, Janssen I, et al. Revisão sistemática das relações entre atividade física mensurada objetivamente e indicadores de saúde em crianças e jovens em idade escolar. Appl Physiol Nutr Metab. 2016; 41 (6 Suppl 3): S197-239.

Farooq MA, Parkinson KN, Adamson AJ, Pearce MS, Reilly JK, Hughes AR, et al. Momento do declínio da atividade física na infância e adolescência: Gateshead Millennium Cohort Study. Br J Sports Med. 2018; 52 (15): 1002-06.

Chen W, Hammond-Bennett A, Hypnar A, Mason S. Aptidão física e atividade física relacionadas à saúde em estudantes do ensino fundamental. BMC Saúde Pública. 2018; 18 (1): 195.

Frasen J, Pion J, Vandendriessche J, Vandorpe B, Vaeyens R, Lenoir M, Philippaerts RM. Diferenças na aptidão física e coordenação motora grossa em meninos de 6 a 12 anos especializados em um versus amostragem de mais de um esporte. J Sci Med Sport. 2012; 30 (4), 379-86.

Lai SK, Costigan SA, Morgan PJ, Lubans DR, Stodden DF, Salmon J, et al. As intervenções escolares com foco em atividade física, condicionamento físico ou competência em habilidades fundamentais de movimento produzem um impacto sustentado nesses resultados em crianças e adolescentes? Uma revisão sistemática de estudos de acompanhamento. Sports Med. 2014; 44 (1): 67-79.

Santos CR, Silva CC, Marques I. Relação entre atividade física, aptidão física e competência motora em escolares. Motricidade. 2017; 13 (Suppl 1): 76-83.

World Health Organization Web site [Internet]. Geneva (Switzerland): World Health Organization; [citado 2018 Jan 4]. Disponível em: http://www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/en/.

Walker GA, Andrea S, Faigenbaum AD, Myer GD. A inatividade física na juventude pode exercer desordem por déficit e alterar a maneira como vemos os cuidados preventivos. ACSMs Health Fit J. 2018; 22 (2): 42-6.

Lee BY, Adam A, Zenkov E, Herstenstein D, Fergunson MC, Wang PI, et al. Modelagem do impacto econômico e na saúde do aumento da atividade física de crianças nos Estados Unidos. Saúde Aff (Millwood). 2017; 36 (5): 902–08.

Educação Física-Obrigatoriedade da Disciplina. [citado 2018 Jul 10]. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/inicio/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12962-educacao-fisica-obrigatoriedade-da-disciplina.

Gallotta MC, Emerenziani GP, Iazzoni S, Iasevoli L, Guidetti L, Baldari C. Efeitos de diferentes programas de educação física nos resultados relacionados às habilidades e saúde das crianças: um estudo piloto randomizado controlado. J Sports Sci. 2017; 35 (15): 1547-55.

Leitão MB, Nóbrega ACL, Carvalho T, Oliveira MAB, Teixeira JAC, Lazzoli JK, et al. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade física e saúde na infância e adolescência. Rev Bras Med Esporte. 2000;6(6):215-20.

Fröberg A, Raustorp A, Pagels P, Larsson C, Boldemann C. Níveis de atividade física durante as aulas de educação física na Suécia. Acta Paediatr. 2017; 106 (1): 135-41.

Meyer U, Roth R, Zahner L, Gerber M, Puder JJ, Hebestreit H, et al. Contribuição da educação física para a atividade física geral. Scand J Med Sci Esportes. 2013; 23 (5): 600-06.

Hollis JL, Sutherland R, Williams AJ, Campbell E, Nathan N, Wolfenden L, et al. Uma revisão sistemática e metanálise dos níveis de atividade física moderada a vigorosa nas aulas de educação física no ensino médio. Int J BehavNutr Phys Act. 2017; 24; 14 (1): 52.

Drenowatz C, Steiner RP, Brandstetter S, Klenk J, Wabitsch M, Steinacker JM. Esportes organizados, excesso de peso e aptidão física em crianças em idade escolar na Alemanha. J Obes. 2013; 2013: 1-7.

Brusseau TA, Hannon J, Burns R. O efeito de um programa abrangente de atividade física escolar na atividade física e na aptidão relacionada à saúde em crianças de famílias de baixa renda. J Phys Act Health. 2016; 13 (8): 888-94.

Errisuriz VL, Golaszewski NM, Born K, Bartholomew JB. Revisão sistemática de intervenções de atividade física baseadas na Educação Física em crianças do ensino fundamental. J Prim Prev. 2018; 39 (3): 303-27.

Gallant F, O'Loughlin JL, Brunet J, Sabiston CM, Bélanger M. Participação esportiva na infância e perfil do esporte adolescente. Pediatria. 2017; 140 (6) .e20171449.

The Cooper Institute for Aerobics Research. Fitnessgram Manual de Aplicação de Testes. Lisboa: Ed. Portuguesa, Faculdade de Motricidade Humana; 2002.

Trigo MMP. Aptidão física e composição corporal. Estudo em raparigas dos 11 aos 15, praticantes e não praticantes de futsal [tese de mestrado]. Portugal: Universidade do Minho; 2016.

Fairclough SJ, Stratton G. Uma revisão dos níveis de atividade física durante a educação física na escola primária. J Teach Phys Educ. 2006; 25 (2): 240-58.

Telama R, Yang X, Leskinen E, Kankaanpää A, Hirvensalo M, Tammelin T, et al. Acompanhamento da atividade física desde a primeira infância, passando da juventude até a idade adulta. Med Sci Sports Exerc. 2014; 46 (5): 955–62.

Ward JK, Hastie PA, Wadsworth DD, Foote S, Brock SJ, Hollett N. Um impacto da temporada de educação esportiva nos níveis de aptidão dos alunos, conhecimento e atividade física em sala de aula. Res Q Exerc Sport. 2017; 88 (3): 346-51.

Khodaverdi Z, Bahram A, Stodden D, Kazemnejad A. A relação entre competência motora real e atividade física em crianças: mediação de papéis de competência motora percebida e aptidão física relacionada à saúde. J Sports Sci. 2016; 34 (16): 1523-29.

Robinson LE, Wadsworth DD, Webster FK, Reforma da Escola: O Papel da Política de Educação Física na Atividade Física de Crianças do Ensino Fundamental na Região do Cinturão Negro do Alabama. Am J Health Promot. 2017; 8 (Suppl 3): S72-S76.

Telford RM, Olive LS, Cochrane T, Davey R, Telford RD. Resultados de um programa de educação física de quatro anos ministrado por um especialista em atividade física: um estudo controlado randomizado por cluster, o estudo LOOK. Int J Behav Nutr Phys Act. 2016; 13: 64.

Lopes VP, Stodden DF, Rodrigues LP. Eficácia da educação física para promover a competência motora em crianças do ensino fundamental. Phys Educ Pedagogia Esportiva. 2017; 22 (6): 589-602.

Ferreira FS, Mota J, Duarte JA. Padrões de atividade física em adolescentes portugueses. Avaliação durante aulas de educação física através da acelerometria. Arch Exerc Health Dis. 2014; 4 (2): 280-5.

Endereço: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/13763

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.