O Impacto do Desempenho do Time na Presença de Torcedores no Estádio de Futebol

Por: Gustavo da Rosa Borges e Jonas Petry.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.5 - n.3 - 2016

Send to Kindle


Resumo


Clubes de futebol atualmente possuem diversas formas de arrecadação. Uma delas, e talvez a mais tradicional, é a bilheteria, que representa quanto o clube arrecada em vendas de ingressos. Diante dessa importância, diversos clubes têm trabalhado visando ao aumento no número de torcedores em seus jogos, objetivando, principalmente, a obtenção de uma maior receita. A teoria tem apontado alguns determinantes que influenciam na presença do torcedor no estádio, e entre eles está o desempenho do time, mais especificamente os resultados em partidas anteriores. Embora essa seja uma afirmação teórica, percebeu-se uma carência de trabalhos que buscaram mensurar, na prática, se de fato o desempenho do time do campeonato em partidas anteriores influencia na quantidade de torcedores no estádio. Buscando preencher essa lacuna, o presente estudo investigou se o desempenho em partidas anteriores influencia no público de jogos de clubes da Série B do campeonato Brasileiro de 2013. Analisando os relatórios de público divulgados no site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), e comparando com a colocação dos clubes no campeonato por meio de regressão, constatou-se que a colocação do clube (desempenho da equipe) não influencia a quantidade de torcedores na maioria dos clubes investigados. Constatou-se, ainda, por meio de Teste-T, que, para a maioria dos clubes, existe diferença de público quando seu clube recebe um grande adversário em comparação a adversários similares. As contribuições teóricas e gerenciais são comentadas ao longo do trabalho.

Referências

Andreff, W. (2007). French Football a Financial Crisis Rooted in Weak Governance. Journal of Sports Economics, 8(6), 652-661.

Andreff, W., & Staudohar, P. D. (2000). The evolving European model of professional sports finance. Journal of Sports Economics, 1(3), 257-276.

Ascari, G., & Gagnepain, P. (2006). Spanish football. Journal of Sports Economics, 7(1), 76-89.

Bastos, C. F. (2003). Administração Esportiva: área de estudo, pesquisa e perspectivas no Brasil. Motrivivência, (20-21), 295-306.

Barajas, Á., & Rodríguez, P. (2010). Spanish football clubs' finances: Crisis and player salaries. International Journal of Sport Finance, 5(1), 52.

Baroncelli, A., & Lago, U. (2006). Italian football. Journal of Sports Economics, 7(1), 13-28.

Bauer, H. H., Stokburger-Sauer, N. E., & Exler, S. (2008). Brand image and fan loyalty in professional team sport: A refined model and empirical assessment. Journal of Sport Management, 22(2), 205.

Bee, C. C., & Havitz, M. E. (2010). Exploring the relationship between involvement, fan attraction, psychological commitment and behavioural loyalty in a sports spectator context. International Journal of Sports Marketing and Sponsorship, 11(2), 37-54.

Bisquerra, R., Sarriera, J. C., & Matínez, F. (2009). Introdução à estatística: enfoque informático com o pacote estatístico SPSS. Bookman Editora.

Braga, B., & Guillén, D. (2012). Working under pressure: Evidence from the impacts of soccer fans on players’ performance. Economics Letters, 114(2), 212-215.

CBF – Confederação Brasileira de Futebol (2013). Disponível em: http:// http://www.cbf.com.br/. Acesso em: 12 dez. 2013.

Costa, C., & Gonçalves, J. (2007). "Empresarização" e controle: o caso do Figueirense Futebol Clube. Cadernos EBAPE. BR, (3), 9-a.

Day, G. S. A. (1969). Two-Dimensional Concept of Brand Loyalty. Journal of Advertising Research, 9, 29-36.

Depken, C. A. (2001). Fan Loyalty in Professional Sports an Extension to the National Football League. Journal of Sports Economics, 2(3), 275-284.

Dick, A. S., & Basu, K. (1994). Customer loyalty: toward an integrated conceptual framework. Journal of the Academy of Marketing Science, 22(2), 99-113.

Dietl, H. M., & Franck, E. (2007). Governance failure and financial crisis in German football. Journal of Sports Economics.

Doyle, J. P., et al. (2016). ‘I was there from the start’: The identity-maintenance strategies used by fans to combat the threat of losing. Sport Management Review, Article in Press.

East, R., Gendall, P., Hammond, K., & Lomax, W. (2005). Consumer loyalty: singular, additive or interactive? Australasian Marketing Journal (AMJ), 13(2), 10-26.

Ferreira, B. R. T., & de Souza Leão, A. L. M. (2016). Uma Mudança em Andamento: a troca de "casa" da torcida do clube Náutico Capibaribe sob o olhar da casa e da rua de Roberto Damatta. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, 3(1), 61-77.

Flecha, A. C., & Pontello, M. L. (2015). Comportamento do Torcedor do Futebol. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, 4(2), 72-87.

Gaspar, M. A., Morais, D. M. G., Júnior, A. C. V., & Debia, C. A. (2014). Marketing Esportivo: Um Estudo das Ações Praticadas por Grandes Clubes de Futebol do Brasil. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, 3(1), 12-28.

Costa, C., & Gonçalves, J. (2007). " Empresarização" e controle: o caso do Figueirense Futebol Clube. Cadernos EBAPE. BR, (3), 1-16.

González-Gómez, F., & Picazo-Tadeo, A. J. (2010). Can we be satisfied with our football team? Evidence from Spanish professional football. Journal of Sports Economics, 11(4), 418-442.

Grisaffe, D. (2001). Loyalty-attitude, behavior, and good science: A third take on the Neal-Brandt debate. Journal of Consumer Satisfaction, Dissatisfaction & Complaining Behavior, 14.

IGBE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://http://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 05 jan. 2016.

Kaynak, E., Salman, G. G., & Tatoglu, E. (2008). An integrative framework linking brand associations and brand loyalty in professional sports. Journal of Brand Management, 15(5), 336-357.

Keller, K. L. (1993). Conceptualizing, measuring, and managing customer-based brand equity. The Journal of Marketing, 1-22.

Kerr, J. H., Wilson, G. V., Nakamura, I., & Sudo, Y. (2005). Emotional dynamics of soccer fans at winning and losing games. Personality and Individual Differences, 38(8), 1855-1866.

Kolbe, R., & James, J. D. (2000). An identification and examination of influences that shape the creation of a professional team fan. International Journal of Sports Marketing and Sponsorship, 2(1), 14-28.

Lago, U., Simmons, R., & Szymanski, S. (2006). The financial crisis in European football: an introduction. Journal of Sports Economics, 7(1), 3-12.

Lee, S., Heere, B., & Chung, K. S. (2013). Which senses matter more? The impact of our senses on team identity and team loyalty. Sport Marketing Quarterly, 22(4), 203.

Leoncini, M. P., & Silva, M. D. (2005). Entendendo o futebol como um negócio: um estudo exploratório. Gestão & Produção, 12(1), 11-23.

Neale, L. (2007). Toward a better understanding of uncommon loyalty (Doctoral dissertation, University of Western Australia).

Oliver, R. L. (1999). Whence consumer loyalty? The Journal of Marketing, (63), 33-44.

Proni, M. W. (2007). Marketing e Organização Esportiva: elementos para uma história recente do esporte-espetáculo. Conexões, 1(1).

Rein, I., Kotler, P., & Shields, B. (2008). Marketing Esportivo: A reinvenção do esporte na busca de torcedores. Bookman Editora.

Sharma, S. S. (1996). Applied Multivariate Techiques. John Wiley & Sons.

Silva, C. V. D. G. F., & Campos Filho, L. A. N. (2006). Gestão de clubes de futebol brasileiros: fontes alternativas de receita. Sistemas & Gestão, 1(3), 195-209.

Wu, S. H., Tsai, C. Y. D., & Hung, C. C. (2012). Toward team or player? How trust, vicarious achievement motive, and identification affect fan loyalty. Journal of Sport Management, 26(2), 177-191.

Zhang, X. X., Liu, L., Zhao, X., Zheng, J., Yang, M., & Zhang, J. Q. (2015). Towards a Three-Component Model of Fan Loyalty: A Case Study of Chinese Youth. PloS One, 10(4), e0124312.


 

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/177

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.