O Impacto do Período de Destreinamento Sobre Valências Físicas em Atletas de Futebol

Por: Alexandre Galvão da Silva, Daniel Ariante, Débora Dias Ferraretto Moura Rocco, Gabriel Sechieiro e Murilo Rossi.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.7 - n.2 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O futebol é um esporte que requer muitas valências físicas do atleta que o pratica, como força explosiva e resistência aeróbia, exigindo também que tais capacidades estejam bem aprimoradas. A temporada de treinamentos visa aperfeiçoar as competências físicas do atleta, mas um período inativo, como uma pré-temporada, pode fazer com que algumas capacidades sejam prejudicadas, afetando seu desempenho.  Objetivo: apresentar um estudo a respeito dos efeitos do destreinamento sobre as valências físicas de atletas de categoria de base de futebol. Métodos: Foram avaliados 30 atletas de futebol com idade entre 17 e 20 anos, todos do gênero masculino. Aplicamos testes nos atletas antes e depois de um período de um mês de férias. Foram avaliadas: a composição corporal (método de dobras cutâneas, protocolo de Pollock), a capacidade aeróbia e anaeróbia através do soccer test, a velocidade pelo bangsbo sprint test, a agilidade e a capacidade de mudança de direção pelo Illinois agility test, a mobilidade e flexibilidade (functional movement screen) e a força dos membros inferiores em projeção vertical por meio do salto vertical com e sem contramovimento comparando perdas e ganhos dos atletas durante as férias. As comparações foram feitas pela análise de variância para medidas repetidas (one-way ANOVA). Em casos de p significante, foram realizadas comparações post-hoc de Scheffè, com nível de significância aceito de p<0.05. Resultados: Observamos diferença significante entre o porcentual de gordura (pré: 9,6±1,20 e pós: 10,8±1,39) e a velocidade nos 10, 20 e 30 metros que foi inferior após o das férias, sendo que as demais valências físicas avaliadas permaneceram com resultados semelhantes. Conclusão: o destreinamento foi pontual em algumas valências e não apresentou impacto importante na condição física dos atletas.

Referências

Drust B, Atkinson G, Reilly T. Future perspectives in the evaluation of the physiological demands of soccer. Sports Med 2007; 37(9): 783-805.

Buchheit M, Mendez-Villanueva A, Simpson BM, Bourdon PC. Match running performance and fitness in youth soccer. Int J Sports Med 2010; 31(11): 818-25.

Valquer W, Barros T. Preparação física no futebol. In: Barros T, Guerra I. Ciência do futebol. Barueri: Manole 2004.

Mujika I, Padilla S. Detraining: Loss of Training-Induced Physiological and Performance Adaptations. Part I. Sports Med 2000; 30(2): 79-87.

Joo C H. The effects of short-term detraining on exercise performance in soccer Players. J Exerc Rehabil 201612(1): 54-59.

Melchiorri G, Ronconi M, Triossi T, Viero V, De Sanctis D, Tancredi V, Salvati A, Padua E, Alvero Cruz J R. Detraining in young soccer players. J Sports Med Phys Fitness 2014; 54: 27-33.

Dwayer G B, Davis S E. Manual do ACSM para avaliação da aptidão física relacionada à saúde. Guanabara Koogan 2006.

Jackson A S, Pollock M L. Generalized equations for predicting body density of men. Br. J. Nufr 1978; 40: 497.

Barros T, Guerra I. Ciência do futebol. Barueri: Manole 2004.

Bangsbo J. Fitness training in soccer: a scientific approach. Library of congresso 2003.

Coelho D B, Martins Coelho L G, Braga M L, Paolucci A, Torres Cabido C E, Ferreira Junior J B, Mendes T T, Prado L S, Garcia E S. Correlação entre o desempenho de jogadores de futebol no teste de Sprint de 30m e no teste de salto vertical. Rio Claro: Motriz 2011; 17(1): 63-70.

Chorba R S, Chorba D J, Bouillon L E, Overmyer C A, Landis J A. Use of a Functional Movement Screening Tool to Determine Injury Risk in Female Collegiate Athletes. N Am J Sports Phys Ther 2010; 5(2): 47-54.

Dal Pupo J, Detanico D, Santos S G. Parâmetros cinéticos determinantes do desempenho nos saltos verticais. Rev. Bras. Cineantropometria Desempenho Humano 2012; 14(1): 41-51.

Requena B, Garcia I, Suárez-Arrones L, Sáez de Villarreal E, Orellana J N, Santalla A. Off-season effects on functional performance, body composition, and blood parameters in top-level professional soccer players. Journal of Strength and Conditioning Research. National Strength and Conditioning Association: 2016; 1-8.

Oliveira Carneiro M V, Vila Nova de Morais J F, Barbosa Filho E A, Guerra de Sá C, Barros M P, Barros N P, Carvalho F O. Efeito do destreino nos parâmetros de desempenho aeróbio e anaeróbio em atletas de atletismo. Revista Brasileira Prescrição e fisiologia do exercício 2016; 10(59): 370-376.

Jacinto J, Oliveira R, Brito J. Efeito do destreino em atletas iniciados da modalidade de futebol nos parâmetros potência aeróbia máxima e força inferior. Instituto Politécnico de Santarém, Escola Superior de Desporto de Rio Maior, Rio Maior 2008.

Trumbo P, Schlicker S, Yates A A, Poos, Mary. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids. Journal of the american dietetic association 2002; 102(11): 1621-1630.

Abad C, Cuniyochi R, Kobal R, Gil S, Pascoto K, Nakamura F, Loturco I. Efeito do destreinamento na composição corporal e nas capacidades de salto vertical e velocidade de jovens jogadores da elite do futebol brasileiro. Revista Andaluza de Medicina del Deporte 2016; 9(3): 124-130.

Sporis G, Jukic I, Ostojic S M, Milanovic D. Fitness profiling in soccer: Physical and physiologic characteristics of elite players. J Strenght Cond Res 2009; 23(7): 1947-1953.

Marques M C, Matias Casimiro F L, Marinho D A, Matos Moreira Carvalho da Costa A F. Efeitos do treino e do destreino sobre indicadores de força em jovens voleibolistas: implicações da distribuição do volume. Motriz 2011; 17(2): 235-243.

Delecluse, C. Influence of strength training on sprint running performance. Sports Med 1997; 24: 147-156.

Saunders P U, Pyne D B, Telford R D, Hawley J A. Factors affecting running economy in trained distance runners. Sports Med 2004; 34: 465-485.

Gasparete L F, Boltd R, Borges D J, Simão R, Fermino R C. Comportamento da força muscular após três semanas de destreinamento em adultos jovens. R. bras. Ci. e Mov 2010; 18(1): 19-25.

Fleck S J, Kraemer W J. Fundamentos do treinamento de força muscular. Editora ArtMed. 2006.

Baechle T R, Earle R W. Essentials of strength training and conditioning. Champaign. Human Kinectics 2008.

Marques M C, Gonzalez-Badillo J J. Inseason Resistance Training and Detraining In Professional Team Handball Players. Journal of Strength and Conditioning Research 2006; 20(3): 563-571.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/3832

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.