O Mestre Artur Emídio de Oliveira e a Defesa da Capoeiragem Enquanto Luta Nacional

Por: Roberto Augusto A. Pereira.

Recorde: Revista de História do Esporte - v.11 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Este artigo discute a atuação do mestre baiano Artur Emídio de Oliveira, na década de 1950, como “intelectual mediador” em defesa da capoeira como “luta nacional” e em meio a um contexto de construção de uma nova “representação” para a capoeiragem. A partir de sua atuação é possível perceber o protagonismo dos próprios capoeiras, que além de intervirem no campo da discussão teórica, presente nos jornais e pioneiramente na TV, incorporaram a defesa da capoeiragem enquanto “luta nacional” no campo prático, ao confrontarem outras lutas nos ringues. Deste modo, constatamos que a presença do mestre Artur Emídio neste período no Rio de Janeiro, então capital federal e centro cultural e político do país, realçando  e representando a capoeira nos ringues e na mídia impressa e televisiva foi fundamental para a preservação e expansão desta prática.

Referências
ABREU, Frederico José de. “Bimba é bamba”: a capoeira no ringue. Salvador: Instituto Jair Moura. 1999.
ASSUNÇÃO, Matthias Rohrig. Capoeira. The history of an Afro-brazilian martial art. Routledge: London, 2005.
_______. Ringue ou academia? A emergência dos estilos modernos da capoeira e seu contexto global. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Mar 2014, vol.21, no.1, p.135-150.
AREIAS, Almir das. O que é capoeira. 1ª Edição, São Paulo, brasiliense, 1983.
AWI, Felipe. Filho teu não foge à luta: como os lutadores brasileiros transformaram o MMA em um fenômeno mundial. Intrínseca: Rio de janeiro, 2012.
BRIGLIA, Tcharly Magalhães e SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira do. Percursos da nação e do femenino nos anos dourados. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n. 40, p. 203-221, 2010.
CAIRUS, José. The Gracie clan and the making of Brazilian jiu-jitsu: national identity, performance and culture, 1801-1993. Tese (Doutorado) – Graduate Programme in History, York University, Toronto. 2012.
CAPOEIRA, Nestor. Os fundamentos da malícia; Il. Carybé. – Rio de Janeiro: Record, 1992.
CARVALHO, Inaiá M. e PEREIRA, Gilberto C. (Org.). Como anda Salvador e sua região metropolitana [online]. 2nd. ed. rev. Salvador: Edufba, 2008.
CASTRO JÚNIOR, Luís Vitor. Campos de visibilidade da capoeira baiana: as festas populares, as escolas de capoeira, o cinema e a arte (1955 - 1985). Brasília: Ministério do Esporte/ 1º Prêmio Brasil de Esporte e Lazer de Inclusão Social, 2010.

ASSUNÇÃO (2005). PereiraRecorde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 1-24, jul./dez. 2018. 22
CHARTIER, Roger. El mundo como representacion. Gedisa editorial: Barcelona, 1992.
________. A história cultural entre práticas e representações. DIFEL, 1988.
DIAS, Luiz Sérgio. Quem tem medo da capoeira? Rio de Janeiro, 1890- 1904. - Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Divisão de Pesquisa, 2001. 204 p.: il. - (Memória Carioca; v.1)
FERREIRA, Izabel. A capoeira no Rio de Janeiro: 1890-1950. Rio de Janeiro: Novas Ideias, 2007.
FIORIN, José Luiz. A construção da identidade nacional brasileira, bakhtiniana. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 115-126, 1o sem. 2009.
FREITAS, Joseania Miranda. (Org.). Uma coleção biográfica: os mestres Pastinha, Bimba e Cobrinha Verde no Museu Afro-brasileiro da UFBA. Salvador: EDUFBA, 2015.
GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela inquisição. SP, Cia das Letras, 2006.
GOMES, Angela Maria de Castro e HANSEN, Patrícia Santos (org.). Intelectuais mediadores: práticas culturais e ação política. 1ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
HAMBURGER, Esther e BUCCI, Eugênio (org.). A tv aos 50 criticando a televisão brasileira no seu cinquentenário. 1ª edição, editora Fundação Perseu Abramo, São Paulo, 2000.
HOBSBAWN, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Tradução : Maria Célia Paoli, Ana Maria Quirino). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
HOBSBAWN, Eric e RANGER, Terence (Org.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
IPHAN. Dossiê do inventário para registro e salvaguarda da capoeira como patrimônio cultural do Brasil. Brasília: Iphan, 2007.
LISE, Riqueldi Straub. Entre diretos, ceintures avant, chaves de braço e rabos de arraia: os primórdios dos combates Intermodalidades na cidade do rio de janeiro (1909-1929). (Dissertação de mestrado) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.
LOPES, André Lacé. A capoeiragem no Rio de Janeiro: primeiro ensaio:  Sinhozinho e Rudolf Hermanny. Rio de Janeiro: Ed. do autor. 2002.
MATTOS, Sérgio. Um Perfil da TV Brasileira: 40 anos de história - Pereira Recorde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 1-24, jul./dez. 2018. 23 1950/1990. Salvador: Associação Brasileira de Agências de Propaganda/Capítulo Bahia: A Tarde, 1990.
MEYRER, Marlise Regina. Representações do Rio de Janeiro nos anos 50: o paraíso tropical ameaçado. Revista Memória em Rede, Pelotas, v.2, n.7, Jul./Dez.2012.
MOREIRA, Inaiá de Carvalho e PEREIRA, Gilberto Corso (Org.). Como anda Salvador e sua região metropolitana [online]. 2nd. ed. Salvador: EDUFBA, 2008.
MOURA, Jair. A capoeiragem no Rio de Janeiro através dos séculos. 2ª Edição, Salvador: Jm Gráfica e editora Ltda, 2009.
PIRES, Antônio Liberac Cardoso Simões. A capoeira no jogo das cores: criminalidade, cultura e racismo na cidade do Rio de Janeiro (1890-1937) Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 1996.
_______. Movimentos da cultura afro-brasileira: a formação histórica da capoeira contemporânea, 1890-1950. Tese (Doutorado) – Instituto de
Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas. 2001.
REIS, Letícia Vidor de Sousa. O mundo de pernas para o ar: a capoeira no Brasil. São Paulo: Publisher Brasil. 1997.
SKIDMORE, Thomas. Brasil de Getúlio a Castelo (1930-1964) – 7ª. Ed, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.
SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). 2. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2004.
_______. A negregada instituição: os capoeiras no Rio deJaneiro 1850-1890. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1994.
SODRÉ, Muniz. Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati, 2002.
THIESSE, Anne-Marrie. Ficções criadoras: as identidades nacionais. Anos 90, Porto Alegre, n. 15, 2001/2002.
VASSALO, Simone Ponde. Capoeiras e intelectuais: a construção coletiva da capoeira "autêntica". In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n. 32, p. 106-124, 2003.
______. Resistência ou Conflito? O legado folclorista nas atuais representações do jogo da capoeira. Campos 7(1):71-82, 2006.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/Recorde/article/view/21641

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.