O Mirante Esporte Clube: Um Estudo Etnográfico do Processo de Aprendizagem e Reprodução do Gosto Pela Prática Futebolística Amadora na Cidade de Ponta Grossa-paraná (2013-2017)

Por: Edilson de Oliveira, Miguel Archanjo de Freitas Júnior e Wendell Luiz Linhares.

Mosaico - v.9 - n.14 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do estudo foi analisar o papel da família no processo de aprendizagem e reprodução do gosto pela prática futebolística amadora. Para isto, optou-se em utilizar os princípios da Etnografia para estudar a equipe do Mirante E. C., localizada na cidade de Ponta Grossa-PR. Utilizou-se como baliza temporal o período de 2013 a 2017, momento que  observou-se jogos oficiais, peladas (jogos não oficiais), amistosos e também os espaços de socialização dos atletas, totalizando 180 saídas de campo. Nessa análise, identificou-se um imbricamento entre a estrutura familiar e a estrutura do clube, emergindo a necessidade de preservação deste lócus, ou seja, um espaço em que se valoriza a herança cultural futebolística, as trajetórias dos agentes, a coletividade e o próprio lugar.

Referências

ANGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmet, 2009, p. 138.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Edição 5, Campinas: Papirus, 2005, p. 111.

BOUMARD, Patrick. “O lugar da etnografia nas epistemologias construtivistas”. Revista de Psicologia Social e Institucional, v.1, n.2, Londrina, 1999, p. 1-6.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. Trad. Daniela Kein e Gilheme J. F. Teixeira, Porto Alegre: Zouk, 2008a, p. 556.

____________. A Economia das Trocas Linguísticas: O que Falar Quem Dizer. Trad. Sérgio Miceli. Edição 5, São Paulo: Editora da USP, 1998, p. 191.

____________. Coisas ditas. Trad. Cássia R. da Silveira e Denise Moreno Pegorim, São Paulo: Brasiliense, 2004, p. 234.

____________. Meditações pascalianas. Trad. Sergio Miceli, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, p. 324.

____________. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz, Edição 5, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002, p. 311.

____________. Razões práticas: Sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Correa, Edição 9, Campinas: Papirus, 2008b, p. 224.

BONNEWITZ, Patrice. Primeiras lições sobre a sociologia de P. Bourdieu. Trad. Lucy Magalhães, Petrópolis: Vozes, 2003, p. 149.

CAMPOS, Fernando Rosseto Gallego. “Ligas municipais e Copa dos Rios de Seleções: integração do espaço amazonense através da centralidade subterrânea”. Revista Ra’E Ga, v. 35, Curitiba, 2015, p. 288-313.

CHAUI, Marilena de Sousa. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. Edição 12, São Paulo: Cortez, 2007, p. 367.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987, p. 246.

_________________ et al. Universo do Futebol: Esporte e Sociedade Brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982, p. 124.

DAMO, Arlei Sander. “Monopólio estético e diversidade configuracional no futebol brasileiro”. Movimento, v. 9, n. 2, Porto Alegre, 2003, p. 129-156.

___________________. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. 2005. 435 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

DOMINGOS, Nuno. Cultura popular urbana e configurações imperiais. In Miguel Bandeira Jerónimo (Eds.). O Império colonial em questão (sécs. XIX-XX): poderes, saberes e instituições. Lisboa: Edições 70, 2012ª, p. 391-421.

_______________. Futebol e colonialismo: corpo e cultura popular em Moçambique. Lisboa: ICS – Imprensa Ciências Sociais, 2012b, p. 314.

FREITAS JUNIOR, Miguel Archanjo de. Operário Ferroviário Esporte Clube: um estudo das causas do fracasso de uma equipe de futebol profissional do interior do Estado do Paraná. 2000. 133 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas) Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2000.

GUEDES, Simoni Lahud. Lógicas da emoção. Revista brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51, São Paulo, 2003, p. 1-5.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008, p. 323.

_____________. El antropologo como autor. Barcelona: Paidos, 2010, p. 163.

____________. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001, p. 248.

HOBSBAWN, Eric. Introdução: a invenção das tradições. In: HOBSBAWN, Eric., RANGER, Terence. A invenção das tradições. Trad. Celina Cardim Calvacanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p. 9-23.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. Trad. João Paulo Monteiro, Edição 4, São Paulo: Editora Perspectiva S. A., 2000, p. 162.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, São Paulo, 2002, p. 11-29.

MAIR, Lucy. Introdução a antropologia social. Edição 4, Rio de Janeiro: Zahar, 1979, p. 291.

MYSKIW, Mauro; STIGGER, Marco Paulo. “O futebol “de várzea” é “uma várzea”!? Etnografia da organização no circuito municipal de Porto Alegre”. Movimento, v. 20, n. 2, Porto Alegre, 2014, p. 445-469.

OLIVEIRA, Allan de Paula. “Entre a várzea e o profissional: sobre um campeonato de futebol amador”. Espaço Plural, v.14, n. 29, Marechal Cândido Rondon, 2013, p. 114-139.

PETROGNANI, Claude. Futebol e religião no Brasil: um estudo antropológico do "fechamento". 2016. 236 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016.

PIMENTA, Rosangela Duarte. “O JOGO NO SERTÃO: CONHECENDO O FUTEBOL AMADOR NA ZONA RURAL”. Espaço Plural, v.14, n. 29, Marechal Cândido Rondon, 2013, p. 90-113.

RIBEIRO JUNIOR, José Cação. Futebol ponta-grossense: Recortes da História. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2004, p. 292.

RIGO, Luiz Carlos. “AMIZADE, PERTENCIMENTO E RELAÇÕESDE PODER NO FUTEBOL DE BAIRRO”. Pensar a Prática, v. 10, n. 1, Goiânia, 2007, p. 83-98.

RIGO, Luiz Carlos; JAHNECKA, Luciano ; SILVA, Inácio Crochemore da. “Notas etnográficas sobre o futebol de várzea”. Movimento, v.16, n. 3, Porto Alegre, 2010, p. 155-179.

SÁ, Teresa. “Lugares e não lugares em Marc Augé”. Tempo Social, , v. 26, n. 2, São Paulo, 2014, p. 209-229.

Endereço: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/mosaico/article/view/74105

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.