O Perfil do Estilo de Vida de Pessoas com Síndrome de Down e Normas Para Avaliação da Aptidão Física.

Por: Alexandre Carriconde Marques.

2008 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Na perspectiva da educação para um estilo de vida ativo, a aderência a pratica de atividade física é considerada um comportamento de saúde importante na compreensão de fenômenos relacionados com a implementação de programas de promoção a saúde para pessoas com Síndrome de Down. Para esse estudo foram determinados dois objetivos gerais: a) descrever o perfil da população com SD com sete anos ou mais de ambos os sexos, dos estados do RS, SC e PR identificando suas características e hábitos de vida; b) realizar uma avaliação da aptidão física relacionada à saúde e desempenho motor por meio dos testes da bateria do PROESP-BR, com sujeitos de 10 a 20 anos e validar normas de referência dos testes para essa população específica, criando um programa de avaliação contínuo para essa população específica. A pesquisa caracteriza-se como um estudo epidemiológico transversal. Na intenção de descrever os resultados de forma adequada, apresentou-se um design de investigação misto distribuído em duas etapas, utilizando-se a técnica de “Mapas e Cenários”. Foram estudados 2187 indivíduos, sendo 1197 homens (54,7%) e 990 mulheres (45,3%), com idades entre sete e 64 anos. Quanto ao nível socioeconômico a maioria encontra-se nas categorias C e D (36,1% - n=790; 49,7% - n=1087). Observou-se que 39% (n=852) dos indivíduos relataram alguma doença associada. Verificou-se que 12,5% (n=242) dos indivíduos sabem ler e escrever. Existe uma boa autonomia na realização das atividades de vida diária (AVD) em torno de 90%, enquanto que as tarefas de atividades instrumentais de vida diária (AIVD) são realizadas com mais dificuldade. Com relação as atividades de lazer, 45,3% (n=908) tem preferência por assistir televisão. Observou-se que 13,5% (n=296) utilizam computadores. Quanto a prática de atividade física, 65,8% (n=1482) são inativos fisicamente. Na avaliação da aptidão física e dados somáticos, foram estudados 1249 crianças e jovens com SD de idades entre 10 e 20 anos, sendo 669 (53,6%) do sexo masculino e 580 (46,4%) do sexo feminino. Quanto ao IMC verificou-se que 56,9% estão na faixa do sobrepeso e obesidade, com risco maior nas meninas. Foram estudados 2187 indivíduos, sendo 1197 homens (54,7%) e 990 mulheres (45,3%), com idades entre sete e 64 anos. Quanto ao nível socioeconômico a maioria encontra-se nas categorias C e D (36,1% - n=790; 49,7% - n=1087). Observou-se que 39% (n=852) dos indivíduos relataram alguma doença associada. Verificou-se que 12,5% (n=242) dos indivíduos sabem ler e escrever. Existe uma boa autonomia na realização das atividades de vida diária (AVD) em torno de 90%, enquanto que as tarefas de atividades instrumentais de vida diária (AIVD) são realizadas com mais dificuldade. Com relação as atividades de lazer, 45,3% (n=908) tem preferência por assistir televisão. Observou-se que 13,5% (n=296) utilizam computadores. Quanto a prática de atividade física, 65,8% (n=1482) são inativos fisicamente. Na avaliação da aptidão física e dados somáticos, foram estudados 1249 crianças e jovens com SD de idades entre 10 e 20 anos, sendo 669 (53,6%) do sexo masculino e 580 (46,4%) do sexo feminino. Quanto ao IMC verificou-se que 56,9% estão na faixa do sobrepeso e obesidade, com risco maior nas meninas. Entendese que ações de ordem preventivas irão possibilitar o manejo de fatores relativos a atividades e programas sociais, que podem facilitar e promover a aquisição de hábitos saudáveis, estimulando uma vida associativa e feliz, com a realização de atividades recreativas, físicas e culturais.

Endereço: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/15289

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.