O Projeto Paradesportivo de Sergipe e o Legado Social Para as Pessoas com Deficiência

Por: , Fabio Zoboli, e Roberta Santos Kumakura.

Cadernos de Educação, Tecnologia e Sociedade - v.11 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Essa pesquisa tem como objetivo identificar e conhecer as contribuições que o Projeto Paradesportivo de Sergipe (PPdSE), da Universidade Federal de Sergipe (UFS), proporciona aos atletas com deficiência. Foram categorizados quatro grandes grupos: prática esportiva (1), visibilidade social e inclusiva (2), superação do corpo deficiente através de aparatos tecnológicos (3), e inclusão pela renda (4), como formas de empoderamento. Para viabilizar o objetivo foi adotado o método de análise qualitativa utilizando-se de uma entrevista semiestruturada, que envolveu cinco atletas que participam do projeto de extensão da UFS há mais de um ano. Como contexto histórico, partimos do princípio que as universidades brasileiras têm como princípio três alicerces (ensino, pesquisa e extensão) como uma abordagem entrelaçada para promover ações que possam impactar as comunidades do seu entorno. Desta forma, os projetos de extensão representam uma ferramenta poderosa para o desenvolvimento profissional (aprendizagem supervisionada) como também oportunidade de pesquisa e fomento as práticas esportivas nas suas diversas dimensões ou interesses, seja através de Agon (disputas, competições) ou Aratê (identificada com aquilo que permite uma pessoa viver bem ou de modo bem-sucedido). Assim, essas práticas esportivas oferecem oportunidades para adquirir habilidades para a vida e alcançar níveis mais elevados de realização pessoal, tanto como atleta quanto como cidadão mais participativo e responsável. Os resultados encontrados demostraram que os participantes do PPdSE adquiriram melhoras na sua habilidade motora, no tônus muscular, na autoestima e confiança, na melhoria da sociabilidade ampliando sua capacidade de tomar suas próprias decisões.

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, P.F. Desporto adaptado no Brasil: origem, institucionalização e atualidade. 140f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BÁRTOLO, J. Corpo e sentido: estudos intersemióticos. Covilhã: Livros LabCom, 2007.

CAMPEÃO, M.S. O esporte paraolímpico como instrumento para moralidade das práticas de saúde pública envolvendo pessoas com deficiência - uma abordagem a partir da bioética da proteção. 2011. 176f (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências / Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública / Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

CARMO, A. A. Atividade motora adaptada e inclusão escolar: caminhos que não se cruzam. In RODRIGUES, D. Atividade motora adaptada: a alegria do corpo, p.51-62. São Paulo: Artes Médicas, 2006.

CIDADE, R.E.A.; FREITAS, P.S. Introdução à educação física e ao desporto para pessoas portadoras de deficiência. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2002.

COSTA, A. M.; SOUSA, S. B. Educação Física e esporte adaptado: história, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/inclusão e perspectivas para o século XXI. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v.25, n.3, p. 46-56, maio de 2004.

DAVIS, L.J. Constructing normalcy. In: DAVIS, L.J. (Ed.). The disability studies reader. 3rd. New York: Routledge, 2010. p.3-19.

FOREST, M.; PEARPOINT, J. Inclusão: um panorama maior. In: MANTOAN, M.T.E. A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon, p.137-41, 1997.

GOELLNER, S.V.; SILVA, A.L.S. Biotecnologia e neoeugenia: olhares a partir do esporte e da cultura fitness. In: COUTO, E.S.; GOELNER, S.V. (orgs.) O triunfo do corpo: polêmicas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, p.187-210, 2012.

GONÇALVES, G.C.; ALBINO, B.S.; VAZ, A.F. O herói esportivo deficiente: aspectos do discurso em mídia impressa sobre o Para-panamericano 2007. In: PIRES, G. De L. (org.) “Observando o Pan Rio/2007 na mídia”. Florianópolis: Tribo da ilha, p.149-167, 2009.

GUMBRECHT, H. U. Elogio a beleza atlética. Tradução de Fernanda Ravagnani. São Paulo: companhia da letras, 2007.

GUTIERREZ, L.M. Working with women of colour: An empowerment perspective. Social Work, 35, 149-153, 1990.

HAIACHI, M.C. O curso de vida do atleta com deficiência: a deficiência e o esporte como eventos marcantes. 2017. 240f. (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

HAIACHI, M.C.; KUMAKURA, R.S. Os jogos paraolímpicos e suas contradições. In: SOUZA, R.D.C.S.; ZOBOLI, F., et al (Ed.). Educação Física Inclusiva: perspectivas para além da deficiência. São Cristóvão: Editora UFS,k 2013. p.251.

IBGE. Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro: IBGE. 1-215 p. 2012.

LABRONICI, R.H.D.D.; CUNHA, M.C.B.; OLIVEIRA, A.S.B.; GABBAI, A.A. Esporte como fator de integração do deficiente físico na sociedade. Arq Neuropsiquiatr, 58, n. 4, p. 8, 2000

LEGG, D.; EMES, C.; STEWART, D.; STEADWARD, R. Historical Overview of the Paralympics, Special Olympics and Deaflympics. Palaestra. 20 (1): 30–38, jan, 2004.

MARQUES, L. P. O professor de alunos com deficiência mental: concepções e prática pedagógica. Editora UFJF – 2001.

PENSGAARD, A.M.; SORENSEN, M. Empowerment through the sport context: a model to guide research for individuals with disability. Adapted Physical Activity Quarterly, 19, 48-67, 2002.

PEREIRA, S. O. Reabilitação de Pessoas com deficiência no SUS: Elementos para um debate sobre integralidade. 113f. Dissertação (Mestrado) Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, 2009.

SASSAKI, R.K. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. – Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SANTOS, B.S. Produzir para viver: Os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SÉRGIO, M. Algumas teses sobre o desporto. 2 ed. Lisboa: Editora Compendium, 2003.

SERON, B. B.; DE ARRUDA, G. A.; GREGUOL, M. Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 37, n. 3, p. 214-221, 2015.

SILVA, T. T. Nós, ciborgues: o corpo elétrico e a dissolução do humano. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.;_______ . (Org) Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, p. 7-15, 2009.

SKLIAR, C. A inclusão é “nossa” e a diferença é do “outro”. In RODRIGUES, D. Educação e inclusão: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.

TRINDADE, A.L. Do corpo da carência ao corpo da potência: desafios da docência. In: GARCIA, L.G. (org.). O corpo que fala dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: DP&A Editora, p.65-88, 2002.

TRIVIÑO, J. L. P. Deportistas tecnologicamente modificados y los desafios al deporte. Revista de bioética e derecho. N. 24. P. 3-19. Enero 2012.

VARELA, A. Desporto para as pessoas com deficiência. Revista Educação Especial e Reabilitação, Lisboa – Portugal, v. 1, n. 5/6, jun. 1989.

Endereço: http://www.brajets.com/index.php/brajets/article/view/489

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.