O Sentido do Movimento Estudantil Contemporâneo Pela Voz dos Estudantes da Saúde

Por: Alessandra Martins dos Reis.

2007 24/05/2007

Send to Kindle


Resumo

O objeto deste trabalho é o movimento estudantil contemporâneo. O objetivo foi caracterizar os estudantes que participam do movimento estudantil contemporâneo, identificar os principais temas discutidos pelo movimento na atualidade, caracterizar as práticas e formas de organização do movimento estudantil e analisar as concepções de saúde tomadas pelo movimento. Trata-se de pesquisa descritiva em que a exposição do objeto se deu, tanto pela via qualitativa, como pela via quantitativa. A coleta dos dados quantitativos ocorreu durante o conselho nacional de entidades de base (CONEB) da União Nacional dos Estudantes (UNE) entre os dias 13 e 16 de abril de 2006; os dados qualitativos foram colhidos entre os meses de abril e novembro de 2006 em Campinas e São Paulo (SP). A população foi constituída de estudantes universitários que participam de centros acadêmicos e outras entidades estudantis. Foram distribuídos aos participantes do CONEB questionários com perguntas fechadas combinando: informações acerca do estudante; questões acerca das condições sociais de suas famílias; questões acerca da participação política e social dos estudantes. Num segundo momento, foram entrevistados apenas estudantes da área da saúde e da UNE. Esse foi o momento em que, através de questões abertas, os estudantes se manifestaram acerca dos temas, do sentido e do impacto do ME, sua relação com os partidos políticos, limites e possibilidades no encaminhamento das organizações estudantis, bem como informações sobre a concepção de saúde e prática relativa às questões de saúde. Foram entrevistados dois representantes da UNE e um representante de cada executiva da saúde: biomedicina, educação física, enfermagem, farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, nutrição, odontologia, psicologia, serviço social, terapia ocupacional e veterinária (1 de cada curso), totalizando 15 entrevistas. Valeu-se da técnica de entrevista semi-estruturada. Resultados: os estudantes que fazem parte do movimento estudantil são em sua maioria homens, jovens brancos, solteiros, naturais do eixo sul-sudeste; quando consideradas a situação de trabalho dos pais, renda familiar, posse de moradia familiar, fontes de renda e gastos pessoais, prevalecem condições de existência relativamente estáveis. Os estudantes consideram o movimento estudantil um espaço de organização da juventude para lutar pela transformação social, espaço de formação política em que são discutidos diversos temas, sendo prevalentes os temas da educação e universidade, é um espaço também de disputa política com inserção importante dos partidos políticos. Os estudantes avaliam que o movimento está fragmentado entre executivas de curso e União Nacional dos Estudantes, apesar da sobreposição de atividades desenvolvidas pelas entidades. A concepção de saúde mais enfatizada entre as lideranças estudantis foi a multicausal, representada notadamente por fatores relacionados à esfera do consumo. Sobressaem também concepções que se aproximam do pensamento hegemônico “pós-moderno” centradas no indivíduo, na subjetividade e de caráter idealista. Poucos estudantes consideraram nas suas formulações, de maneira organizada, a categoria da reprodução social na determinação do processo saúde-doença. Pode-se concluir que na área da saúde os estudantes tendem a reproduzir os conceitos da saúde pública, fundamentados na concepção funcionalista da saúde-doença que propõe como intervenção a responsabilização do indivíduo pela sua saúde

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7137/tde-11062007-144406/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.