Opiniões de Treinadores Sobre o Uso do Sétimo Jogador de Quadra Contra o Sistema Defensivo Individual Obrigatório em Competições de Handebol das Categorias Sub-12 e Sub-14

Por: , , , e .

Corpoconsciência - v.23 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

A regra do sétimo jogador de quadra foi inserida oficialmente ao handebol nos Jogos Olímpicos Rio-2016, de modo a interferir nas adaptações implementadas em competições de handebol de jovens, tal como a utilização obrigatória do sistema defensivo individual nas categorias sub-12 e sub-14. Nosso objetivo foi identificar as percepções de treinadores de handebol sobre as interações estabelecidas entre o uso desta nova regra com a obrigatoriedade do sistema defensivo individual. Neste estudo exploratório-descritivo e qualitativo, utilizamos a técnica de Amostragem Bola de Neve para coleta das opiniões de 26 treinadores, cujas respostas foram analisadas a partir da Análise Qualitativa de Conteúdo, e foram agregadas em duas grandes categorias, uma contra e uma a favor da regra do sétimo jogador. A partir das discussões estabelecidas, percebemos que o uso do sétimo jogador não parece adequado quando relacionado à obrigatoriedade do sistema defensivo individual.

Referências

ANTÓN, Juan L. e colaboradores. Alternativas y factores para la mejora del aprendizaje. Madrid: Gymnos, 2000.

ARENA, Simone S.; BOHME, Maria Tereza S. Federações esportivas e organização de competições para jovens. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 12, n. 4, p. 45-50, 2008.

ATKINSON, Rowland; FLINT, John. Accessing hidden and hard-to-reach populations: Snowball research strategies. Social research update, v. 33, n. 1, p. 1-4, 2001.

BALTAR, Fabiola; BRUNET, Ignasi. Social research 2.0: virtual snowball sampling method using Facebook. Internet research, v. 22, n. 1, p.57-74, 2012.

BAYER, Claude. O ensino dos desportos colectivos. Lisboa, Portugal: Dinalivros, 1994.

BERGERON, Michael F. e colaboradores. International Olympic Committee consensus statement on youth athletic development. British journal sports medice, v. 49, n. 13, p. 843-851, 2015.

BURTON, Damon; GILLHAM, Andrew D.; HAMMERMEISTER, Jon. Competitive engineering: Structural climate modifications to enhance youth athletes' competitive experience. International journal of sports science & coaching, v. 6, n. 2, p. 201-217, 2011.

CHOI, Hong Suk; JOHNSON, Britton; KIM, Young K. Children’s development through sports competition: Derivative, adjustive, generative, and maladaptive approaches. Quest, v. 66, n. 2, p. 191-202, 2014.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL. Regras de jogo. 2016. Disponível em : . Acesso em: 14 de Setembro de 2018.

CÔTÉ, Jean; BAKER, Joseph; ABERNETHY, Bruce. Practice and play in the development of sport expertise. Handbook of sport psychology, v. 3, p. 184-202, 2007.

CÔTÉ, Jean; VIERIMAA, Matthew. The developmental model of sport participation: 15 years after its first conceptualization. Science & sports, v. 29, p. 563-569, 2014.

FRASER-THOMAS, Jessica; CÔTÉ, Jean. Play, practice, and athlete development. In. MACMAHON, Clare; BAKER, Joseph; FARROW, Damian. Developing sport expertise: researchers and coaches put theory into practice. Routledge, 2013, p. 39-50.

EHRET, Arno e colaboradores. Manual do handebol: treinamento de base para crianças e adolescentes. São Paulo: Phorte. São Paulo: Phorte, 2002.

ESTRIGA, Luísa; MOREIRA Ireneu. Proposta metodológica de ensino no andebol. In: TAVARES, Fernando (Edit.). Jogos desportivos coletivos: ensinar a jogar. Porto, Portugal: FADEUP, 2013, p.123-164.

GALATTI, Larissa Rafaela; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte: contextos, evolução e perspectivas. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 20, n. 5, p. 171, 2006.

GRECO, Pablo Juan; BENDA, Rodolfo Novelino. Iniciação esportiva universal: da aprendizagem motora ao treinamento técnico. Belo Horizonte, MG: UFMG, 1998.

GRECO, Pablo Juan; SILVA, Siomara Aparecida da; GRECO, Fernando L. O sistema de formação e treinamento esportivo no handebol brasileiro (SFTE-HB). In: GRECO, Pablo Juan; ROMERO, Juan J. Fernández (Orgs.). Manual de handebol: da iniciação ao alto nível. São Paulo: Phorte, 2012, p. 235-270.

LEONARDO, Lucas. Um estudo das competições de handebol de jovens do estado de São Paulo: caracterização das adaptações competitivas e opiniões de treinadores e árbitros sobre suas aplicações. 2018. 178f. Mestrado (Educação Física). Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2018.

LEONARDO, Lucas; SCAGLIA, Alcides José. Study on youth handball regulations: a documental analysis on the mandatory use of individual defensive system in under-12 and under-14 competitions. Journal of physical education, v. 28, n. 1, p. 1-13, 2018a.

LEONARDO, Lucas; SCAGLIA, Alcides José. Oito anos de adaptações competitivas na Federação Paulista de Handebol: um estudo documental da categoria sub-14. Motrivivência, v. 30, n. 55, p. 75-92, 2018b.

MAYRING, Philipp. Qualitative content analysis: theoretical foundation, basic procedures and software solution. Klagenfurt: Institute of Psychology and Center for Evaluation and Research, 2014.

MATTHYS, Stijn e colaboradores. The contribution of growth and maturation in the functional capacity and skill performance of male adolescent handball players. International journal of sports medicine, v. 33, n. 7, p. 543, 2012.

MARQUES, Renato Franciso Rodrigues; GUTIERREZ, Gustavo Luis; ALMEIDA, Marco Antonio Bettine. O esporte contemporâneo e o modelo de concepção das formas de manifestação do esporte. Conexões, v. 6, n. 2, p. 42-61, 2008.

MARQUES, António Teixeira. A preparação desportiva de crianças e jovens: o sistema de competições. In, GUEDES, Onacir Carneiro (Org.). Atividade física: uma abordagem multidimensional. João Pessoa, PB: Ideia, 1997, p. 157-169.

MENEZES, Rafael Pombo; MARQUES, Renato Francisco Rodrigues; NUNOMURA, Myrian. O ensino do handebol na categoria infantil a partir dos discursos de treinadores experientes. Movimento, v. 21, n. 2, p. 463-477, 2015.

MENEZES, Rafael Pombo; REIS, Heloísa Helena Baldy. O jogo defensivo diante de diferentes sistemas ofensivos no handebol: análise do cenário técnico---tático e reflexões sobre o ensino. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 38, n. 2, p. 168-175, 2017.

MILISTETD, Michel e colaboradores. Analysis of the Competitive Organization of Sports for Children and Youths Structural and Functional Adaptations. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 36, n. 3, p. 671-678, 2014.

MILISTETD, Michel e colaboradores. Coaches’ development in Brazil: structure of sports organizational programmes. Sports coaching review, v. 2, n. 5, p. 138-152, 2016.

MUSA, Vinicíus e colaboradores. Representations of coaches concerning the role of handball ruling entities for their formation. Revista portuguesa de ciências do desporto, v. 17, sup. 1A, p. 298-306, 2017.

NIKOLAIDIS, Pantelis Theo e colaboradores. Acute physiological responses to simulated games with different defensive formations in team handball: 6:0 versus man-to-man. International journal of clinical and experimental physiology, v. 2, n. 1, p. 10-15, 2015.

NORMAND, Jonathan Michael; WOLFE, Andrew; PEAK, Kayla. A review of early sport specialization in relation to the development of a young athlete. International journal of kinesiology and sports science, v. 5, n. 2, p. 37-42, 2017.

SECO, Juan de Dios Román. Los inicios del siglo XXI: evolución y tendencias del juego. E-Balonmano.com: revista de ciencias del deporte, v. 1, n. 2, p. 3-20, 2006.

Endereço: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/7236

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.