Os Aspectos Psicológicos na Ginástica Artística: Foco na Categoria Pré-infantil

Por: Ivan Wallan Tertuliano, Solange Alves da Silva Baciega, Vitor Daniel Tessuti e Vivian de Oliveira.

Lecturas: Educación Física y Deportes - v.25 - n.267 - 2020

Send to Kindle


Resumo

A Ginástica Artística (GA) é uma modalidade esportiva que requer uma iniciação esportiva precoce, na qual oferece um enriquecimento do repertório motor, proporcionando, uma exploração de movimentos que ampliam o aprendizado. As crianças são frequentemente inseridas num ambiente competitivo e submetidas à carga intensa de treinamentos para que possam atingir um alto nível de competitividade, acarretando na especialização esportiva precoce. Um dos aspectos psicológicos que se pode destacar na GA é a ansiedade, podendo ser caracterizada como uma agitação perante situações de risco, perigo acompanhado de sensações corporais desagradáveis. Dessa maneira, conduziu-se um estudo bibliográfico de caráter descritivo-propositivo com o objetivo de organizar conteúdos vinculados aos aspectos psicológicos que estão relacionados ao período competitivo de crianças praticantes de GA, visando a proposição de condutas junto a essas crianças. Os resultados indicam que há uma preocupação com os aspectos psicológicos na GA, mas que ainda é inferior quando comparada com à atenção direcionada aos aspectos técnicos e físicos, por exemplo. Assim, o presente estudo tece a necessidade da GA ser trabalhada como um todo, desde preparação física, até o estado emocional da criança, para que a mesma, não seja prejudicial ao seu desempenho cuidando para que não leve a desistência da modalidade.

Referências

Arkaev, L., & Suchilin, N. (2004). Gymnastics: how to create champions. Oxford: Meyer & Meyer Sport.

Barreto, P. M. (2017). Perfil de estado de humor, ansiedade-traço e ansiedade-estado em jovens ginastas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru. Recuperado de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/150362

Barros, T. E. S., Ramos, V., Brasil, V. Z., Souza, J. R., Goda, C., & Cardoso, B. (2016). Análise das publicações científicas sobre ginástica artística. Motrivivência, 28 (47), 67–81. Recuperado de: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n47p67

Bertuol, L., & Valentini, N. C. (2006). Ansiedade competitiva de adolescentes: Gênero, Maturação, Nível de experiência e Modalidades Esportivas. Revista da Educação Física da UEM, 17 (1), 65–74. Recuperado de: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3378/2400

Bocchini, D., Morimoto, L., Rezende, D., Cavinato, G., & Luz, L. M. R. (2008). Análise dos tipos de ansiedade entre jogadores titulares e reservas. Conexões, 6, 522–532. Recuperado de: https://doi.org/10.20396/conex.v6i0.8637854

Böhme, M. T. S. (2011). Esporte infantojuvenil: Treinamento a longo prazo e talento esportivo (1ª ed.). São Paulo: Phorte.

Costa, V. R., Oliveira, M. S., Carbinatto, M. V., & Nunomura, M. (2017). Motivação para as primeiras peripécias na ginástica artística: a perspectiva de praticantes iniciantes. Pensar a Prática, 20 (2), 295–305. Recuperado de: https://doi.org/10.5216/rpp.v20i2.43614

Cratty, B. J. (1984). Psicologia do Esporte (2ª ed.). Rio de Janeiro: Prentice-Hall.

Damsgaard, R. (2002). Children in Competitive Sports: clinical implications. Medical Committee Educational Series, 4, 383–384. Recuperado de: https://www.eox.gr/wp-content/uploads/2009/01/eoxellinikosgr_backup_attachments_122_children-competiton-damsgaard.pdf

Deci, E. L. & Ryan, R. M. (2000). The "what" and "why" of goal pursuits: Human needs and self-determination of behavior. Psychological Inquiry, 11(4), 227-268. Recuperado de: https://doi.org/10.1207/S15327965PLI1104_01

De Rose Junior, D. (2009). Esporte, competição e estresse: implicações na infância e na adolescência. In D. De Rose Júnior (Ed.), Esporte e atividade física na infância e adolescência: uma abordagem multidisciplinar (2ª ed.). pp. 103–114). Porto Alegre: ArtMed.

De Rose Júnior, D., & Korsakas, P. (2006). O processo de competição e o ensino do desporto. In G. Tani, J. O. Bento, & R. D. S. Petersen (Eds.), Pedagogia do Desporto (pp. 251–261). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

De Rose Junior, D., & Vasconcellos, E. G. (1997). Ansiedade-traço competitiva e atletismo: Um estudo com atletas infanto-juvenis. Revista Paulista de Educação Física, 11 (2), 148–157. Recuperado de: https://doi.org/10.11606/issn.2594-5904.rpef.1997.138565

Dobránszky, I. A., & Machado, A. A. (2001). Auto eficácia: um estudo da sua contribuição para a avaliação de desempenho de atletas. Revista Psicologia-USF, 6 (2), 67–74. Recuperado de: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-353522

Ferracioli, L. (1999). Aspectos da Construção do Conhecimento e da Aprendizagem na Obra de Piaget. Caderno Brasileiro do Ensino de Física, 16 (2), 180–194. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/viewFile/6808/6292

Fortes, L. A., Almeida, S. S., & Ferreira, M. E. C. (2013). Influência da ansiedade nos comportamentos de risco para os transtornos alimentares em ginastas. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 18 (5), 546–553. Recuperado de: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.18n5p546

Galatti, L. R., Breda, M. E. J. G., Scaglia, A. J., & Paes, R. R. (2007). Pedagogia do esporte e competição infantil: análise e proposições a partir do karatê de contato. Revista Movimento e Percepção, 8 (11), 169–185. Recuperado de: http://ferramentas.unipinhal.edu.br/movimentoepercepcao/viewarticle.php?id=136&layout=abstract

Gaya, A. C., Torres, L., & Balbinotti, C. (2002). Iniciação Esportiva e a Educação Física Escolar. In F. M. Silva (Ed.), Treinamento Desportivo: aplicações e implicações (pp. 15–25). João Pessoa: Ed. Universitária UFPB.

Gonçalves, M. P., & Belo, R. P. (2007). Ansiedade-traço competitiva: diferenças quanto ao gênero, faixa etária, experiência em competições e modalidade esportiva em jovens atletas. Revista Psicologia-USF, 12 (2), 301–307. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712007000200018

Hellison, D. R. (2003). Teaching responsibility through physical activity. Champaign, Il: Human Kinetics.

Korsakas, P. (2009). O esporte infantil: as possibilidades de uma prática educativa. In D. De Rose Júnior (Ed.), Esporte e atividade física na infância e adolescência: uma abordagem multidisciplinar (2ª ed.). pp. 61–72. Porto Alegre: ArtMed.

La Taille, Y. (2002). O Sentimento de Vergonha e suas Relações com a Moralidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15 (1), 13–25. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722002000100003.

Lavoura, T. N., Presoto, D., & Machado, A. A. (2008). Reflexões acerca da especialização esportiva precoce: atribuição dos fatores externos. In A. A. Machado (Ed.), Especialização Esportiva Precoce: Perspectivas atuais da Psicologia do Esporte (pp. 85–97). Jundiaí: Editora Fontoura.

Lopes, P., & Nunomura, M. (2007). Motivação para a prática e permanência na Ginástica Artística de alto nível. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 21 (3), 177–187. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1807-55092007000300002

Lopes, P., Oliveira, M. S., Fátima, C. R., & Nunomura, M. (2016). Motivos de abandono na prática de ginástica artística no contexto extracurricular. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 30 (4), 1043–1049. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/1807-55092016000401043

Machado, A. A. (2006). Psicologia do esporte: da educação física escolar ao esporte de alto nível. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Machado, A. A. (2008). Especialização Esportiva Precoce (1ª ed.). Várzea Paulista: Editora Fontoura.

Machado, A. A., & Gomes, R. (2011). Psicologia do Esporte: da escola à competição (1ª ed.). Várzea Paulista: Editora Fontoura.

Malina, R. M. (1988). Competitive youth sports and biological maturation. In E. V. Brown & C. F. Branta (Eds.), Competitive sports for children and youth: an overview of research and issues (pp. 227–245). Champaign, Il: Human Kinetics.

Nascimento, C. F., Bahiana, F. F., & Nunes-Junior, C. P. (2012). A ansiedade em atletas de ginástica artística em períodos de pré-competição e competição. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, 11 (2), 73–80. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.33233/rbfe.v11i2.3386

Nunomura, M., Carrara, P. D. S., & Tsukamoto, M. H. C. (2010). Ginástica artística e especialização precoce: cedo demais para especializar, tarde demais para ser campeão! Revista Brasileira Educação Física e Esporte, 24 (3), 305–314. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092010000300001

Nunomura, M. N., Pires, R., & Carrara, P. (2009). Análise do treinamento na ginástica artística brasileira. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 31 (1), 25–40. Recuperado de: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/630/390

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento Humano (12ª ed.). Porto Alegre: AMGH.

Payne, V. G., & Isaacs, L. D. (2002). Human motor development: a lifespan approach (5th ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Piaget, J., & Inhelder, B. (2002). A psicologia da criança (18ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Piaget, J. (1972). Psicologia e pedagogia (2ª ed.). Rio de Janeiro: Forense.

Piaget, J. (2003). Seis estudos de psicologia (24ª ed.). Rio de Janeiro: Forense.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do Trabalho Científico (23ª ed.). São Paulo: Cortez.

Smith, P. K. (2005). Social and pretend play in children. In A. D. Pellegrini & P. K. Smith (Eds.), The nature of play (pp. 173–209). New York: Guilford Publications.

Tubino, M. J. G. (2001). Dimensões sociais do esporte (2ª ed.). São Paulo: Cortez.

Valle, M. (2003). Atletas de Alto Rendimento: Identidades em Construção. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de: http://cev.org.br/arquivo/biblioteca/4043849.pdf

Vieira, J. L. L., Amorim, H. Z., Vieira, L. F., Amorim, A. C., & Rocha, P. G. M. (2009). Distúrbios de atitudes alimentares e distorção da imagem corporal no contexto competitivo da ginástica rítmica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 15 (6), 410–414. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1517-86922009000700001

Vieira, L. F., Fernandes, S.. L., Vieira, J. L. J., & Vissoci, J. R. N. (2008). Estado de Humor e Desempenho Motor: um estudo com atletas de voleibol de alto rendimento. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 10 (1), 62–68. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2008v10n1p62

Weinberg, R. S., & Gould, D. (2017). Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício (6ª ed.). Porto Alegre: ArtMed.

Whiting, W. C., & Zernicke, D. F. (2001). Biomecânica da Lesão Musculoesquelética. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Endereço: https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/1622

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.