Os Desafios da Mídia Televisiva na Cobertura de Megaeventos Esportivos: em Foco os Jogos Olímpicos e Paralímpicos

Por: Rafael Barros.

Ciclo de Debates em Estudos Olímpicos e Paraolímpicos. Diferentes Olhares Sobre os Jogos Rio 2016: a Mídia, os Profissionais e os Espectadores (volume I).

Send to Kindle


Resumo

Introdução

Como se preparar para a cobertura de um evento que será acompanhado por mais da metade da população mundial? Fosse um show de rock, fosse o discurso de um líder carismático, a resposta já seria difícil. Que dizer, então, de um acontecimento que se desdobra em dezoito dias, cada qual com características peculiares e quase sempre com, ao menos, seis apresentações simultâneas em uma mesma cidade? Quando, em 776 a.C., o povo grego estabeleceu por convenção que um ato poliesportivo seria a forma de celebrar a vitória de Zeus sobre Cronos, na cidade de Olímpia, a possibilidade de um megaevento que reunisse todos os povos do Planeta em uma única polis era ainda inconcebível. Os Jogos Olímpicos se caracterizavam, então, pelas pequenas competições que tinham o objetivo de medir a bravura de cidadãos gregos e celebrar sua condição atlética. E durante um milênio eles prosperaram como tradição, até que tiveram sua história interrompida pelo decreto de Teodósio I, em 393 d.C., só voltando à cena depois de um hiato de quase 1.500 anos.  

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.