Os Efeitos da Mobilização Precoce em Unidades de Terapia Intensiva

Por: Fernando Viegas do Monte e Tatiane Ribeiro Pacheco.

Revista da Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada - SOBAMA - v.20 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O desenvolvimento de fraqueza generalizada relacionada ao paciente crítico é uma das complicações recorrente em uma unidade de terapia intensiva. A redução da força muscular aumenta o tempo de desmame, internação e o risco de infecções. A fisioterapia é fundamental nesses pacientes como recurso para prevenção da fraqueza muscular, hipotrofia e recuperação da capacidade funcional. O paciente crítico internado em UTI apresenta restrições motoras graves. O posicionamento adequado no leito e a mobilização precoce do paciente podem significar uma das únicas possibilidades de interação do indivíduo com o ambiente e devem ser considerados como fonte de estimulação sensório-motora e de prevenção de complicações secundárias ao imobilismo. Alguns estudos abordam o papel da cinesioterapia em pacientes críticos, que na fase inicial são vistos como “muito doentes” ou “muito instáveis clinicamente” para intervenções de mobilização. Porém, as atividades de mobilização precoce, demonstram benefícios. Postergar o início dos exercícios apenas colabora para intensificar o déficit funcional do paciente. O objetivo deste estudo é rever a literatura relacionada aos efeitos da cinesioterapia em pacientes internados em unidades de terapia intensiva.

Endereço: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/sobama/article/view/8765

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.