Os Significados das Práticas Corporais Que Fazem Bem Para a Saúde : Um Olhar dos Estudantes dos Anos Finais do Ensino Fundamental de Uma Escola da Rede Municipal de Canoas

Por: Fabiana Fernandes Vaz.

121 páginas. 2017 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

A discussão sobre as práticas corporais na área da saúde tem se ampliado nos últimos anos, possivelmente, pelo aumento de políticas públicas na área da saúde, direcionadas à implementação dessas práticas. Nesse processo de indução, diferentes formas de entender a interface entre práticas corporais e saúde passam a circular de forma mais ou menos intensa junto à população, com maior ou menor potencial de reconfiguração de um repertório de expressões comumente associadas, tais como exercício físico, atividade física, cuidado, bem-estar e doença. Por isso, estudar os sentidos que certos grupos, em determinado contexto, atribuem aos termos dessa relação torna-se, academicamente, importante. Dentro desse quadro, o objetivo deste estudo é analisar os significados atribuídos pelos estudantes dos anos finais do ensino fundamental às práticas corporais que “fazem bem para a saúde”. Para alcançá-lo, foram utilizados dados secundários de fotos, áudios e textos produzidos pelos alunos do 8º ano (35 alunos) e do 9º ano (37 alunos) de uma escola da rede municipal de Canoas, Rio Grande do Sul, durante o desenvolvimento de uma Unidade Didática (UD), baseada no Tema Transversal Saúde, que se valeu, basicamente, do registro fotográfico de práticas que os estudantes consideravam fazer bem à saúde fora do ambiente escolar. Também, foi realizada uma entrevista semiestruturada com 12 estudantes dos anos finais do ensino fundamental (8º ano e 9º ano), convidados, principalmente, em função da participação assídua e pela contribuição mais detalhada durante as atividades desenvolvidas em aula. A análise de conteúdo de Bardin foi a metodologia adotada para tratar do material produzido pelos estudantes durante o desenvolvimento da UD, bem como das respostas às entrevistas semiestruturadas A estrutura analítica está dividida em duas seções. A primeira, intitulada “saúde é...”, na qual discorro sobre as definições dos estudantes acerca do termo saúde, está subdividida em duas categorias: “cuidar de mim” e “cuidar da doença”. Na segunda, intitulada “práticas corporais que fazem bem para a saúde são...”, também há duas categorias: uma intitulada “práticas corporais associadas aos ganhos orgânicos”, na qual identifico que a associação mais recorrente às práticas corporais que fazem bem à saúde é o exercício físico; e outra categoria, chamada “práticas corporais associadas à dimensão lúdico-afetiva”, na qual construí uma subcategoria mais focada na importância da diversão e do gosto pela prática como principal elo com a noção de saúde; e outra mais focada nas justificativas que enfatizam a importância dos gestos de afeto, tais como um abraço ou um beijo, ou de um estado de espírito positivo com o próximo (ternura, compaixão, amor) como elementos que fazem bem à saúde. Conclui-se que os estudantes, quando questionados sobre as práticas corporais que fazem bem à saúde, apresentam um conjunto de conhecimentos bastante diversificado, muitas vezes, mais ligado à lógica de que o sujeito é responsável pela sua própria saúde e de que os ganhos orgânicos decorrentes da prática, por si só, seriam suficientes para fazer bem. Em contrapartida, muitos estudantes afirmaram que a diversão ou um gesto de carinho faz muito mais bem à saúde do que a simples prática de um determinado exercício físico. Dessa forma, apesar de polissêmico, a maioria dos alunos associou o significado sobre práticas corporais que fazem bem à saúde aos exercícios físicos que proporcionam ganhos orgânicos.

Endereço: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/172493

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.