Padrões Espaciais da Hanseníase em Um Estado Hiperendêmico no Norte do Brasil, 2001-2012

Por: Aline Lima Brito, Carlos Henrique Alencar, Francisco Rogerlândio Martins Melo, Jorg Heukelbach e Lorena Dias Monteiro.

Revista de Saúde Pública - v.49 - n.1 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Descrever os padrões espaciais da hanseníase no estado do Tocantins. Estudo baseado em dados de morbidade obtidos do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde. Foram incluídos todos os casos novos de hanseníase residentes no estado do Tocantins, entre 2001 a 2012. Além da descrição dos indicadores gerais da doença, foi realizada análise espacial descritiva, análise bayesiana empírica local e análise de dependência espacial por meio dos índices de Moran global e local. Foram registrados 14.532 casos novos no período estudado. Pelo coeficiente de detecção geral, 77,0% dos municípios foram classificados como hiperendêmicos (> 40 casos/100.000 habitantes). Para a detecção em menores de 15 anos, 65,4% foram hiperendêmicos (10,0 a 19,9 casos/100 mil habitantes), e 26,6% apresentaram detecção com grau 2 de incapacidade entre 5,0 e 9,9 casos/100 mil habitantes. Houve sobreposição geográfica de aglomerados de municípios com elevados coeficientes de detecção em áreas hiperendêmicas. Foram identificados aglomerados de alto risco para ocorrência (índice global de Moran: 0,51; p < 0,001), transmissão ativa (0,47; p < 0,001) e diagnóstico tardio da doença (0,44; p < 0,001), localizados principalmente nas regiões centro-norte e sudoeste do estado

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0034-89102015000100265&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.