Papagaio de Papel: Lazer de Adultos em Manaus

Por: Joise Simas de Souza Maurício.

2017

Send to Kindle


Resumo

Na sociedade na qual estamos inseridos, quando crianças, brincamos de boneca, carrinho, bolinha de gude, pião, amarelinha, etc. Porém, com o passar dos anos, ao nos tornarmos jovens ou adultos, as responsabilidades começam a ir tomando o lugar do brinquedo/brincadeira. Somos então distanciados de uma “rotina lúdica” e inseridos no mundo sério e rotineiro onde está o trabalho. A vida atribulada faz com que sintamos a necessidade de ocupar parte do nosso tempo livre usufruindo o lazer para quebrar a rotina e renovar tensões através de atividades que variam da contemplação a natureza à prática de atividades radicais. Em Manaus não é diferente, muitas são as atividades que são buscadas para vivenciar o lazer, a depender da cultura de cada indivíduo. Mas o que chama a atenção é a presença de um brinquedo milenar chamado papagaio de papel. Surge então o problema de nossa investigação: o que o papagaio de papel representa para o indivíduo adulto? Diante disso, realizamos um Estudo de Caso de abordagem qualitativa com o objetivo geral de investigar o papagaio de papel enquanto manifestação simbólica e cultural usufruída no lazer de adultos em Manaus-AM, ressaltando a importância de sua preservação na cultura local. Os objetivos específicos foram: traçar o perfil dos empinadores de papagaio de papel; identificar os motivos pelos quais empinam papagaio de papel e apontar os mecanismos que fortalecem a prática deste através de gerações. Quanto aos procedimentos técnicos, para atingir nossos objetivos, utilizamos a entrevista estruturada, com o auxílio de um formulário contendo perguntas abertas. Fomos aonde o fenômeno se manifesta, ou seja, onde é possível vermos adultos empinando papagaio de papel e optamos por realizar a pesquisa na Zona Sul de Manaus, mais precisamente no PROSAMIM da Borba, bairro Cachoeirinha. Entrevistamos 30 indivíduos maiores de 18 anos (35,1±10,2 anos) abordados aleatoriamente no local enquanto empinavam ou vendiam papagaio. Quanto aos resultados, identificamos o perfil dos empinadores de papagaio do local do estudo como um adulto que empinou papagaio quando criança/adolescente e hoje utiliza o objeto em seu momento de lazer ou para o trabalho, que busca o local principalmente para socializar com o outro. Consideramos que o papagaio de papel se fortalece na cultura em razão de proporcionar emoções a quem o pratica em seu tempo de lazer e que medidas de segurança devem ser postas em prática principalmente pelo poder público, delimitando as áreas de pipódromo, visando minimizar os danos causados por ele.

Endereço: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFAM_586cb328cbee79528a1b0de20499be42

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.