Parque Itanhangá e Acessibilidade às Pessoas com Deficiência Física e Visual

Por: Angela Cristina Santos Gil Lins, Henrique Rossi Otto, Jéssica Martinez Bellincanta, , Quézia Pinheiro Tosta e Tânia Mara Vieira Sampaio.

Licere - v.16 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Sobre a Obra

O estudo teve por objetivo investigar o nível de acessibilidade em um Parque público de lazer em Campo Grande/MS. Do tipo descritivo/exploratório, a investigação teve como lócus de análise o Parque Lúdio Coelho Filho, recorrendo à análise morfológica como técnica de pesquisa. Os resultados indicam que com exceção dos bancos disponibilizados no parque, todos os demais itens avaliados (passeio público, portões de acesso, estacionamento, circulação horizontal, bebedouro, mobiliários, quadra esportiva, parque infantil e coreto) não atendem as especificações da NBR9050/2004. Conclui-se que, a exemplo do que vem sendo observado em outras investigações disponíveis na literatura, há uma ação ineficiente do poder estatal em relação às políticas públicas de lazer, haja vista que elas têm se caracterizado como distributivas, logo se limitando ao atendimento de apenas uma parcela da população.

Endereço: http://www.anima.eefd.ufrj.br/licere/pdf/licereV16N01_a3.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.