Pedagogia do Jogo: Ensino, Vivência e Aprendizagem do Brincar na Educação Não Formal

Por: e Débora Jaqueline Farias Fabiani.

Corpoconsciência - v.24 - n.2 - 2020

Send to Kindle


Resumo

O artigo objetiva descrever a pedagogia do jogo, a partir dos processos de ensino, vivência e aprendizagem do brincar das crianças no contexto da educação não formal. Assim, foi realizada uma pesquisa qualitativa, descritiva-exploratória, composta por observação participante do horário livre, entrevistas-conversa e painel com as crianças e entrevistas semiestruturadas com os educadores. As informações foram analisadas pela Análise de Conteúdo e pela triangulação de dados. Os resultados sinalizam que os jogos são co-construídos pelas crianças, as quais aprendem a brincar com os familiares, com os amigos, com os professores de Educação Física e com a mídia. Ademais, os saberes compartilhados no jogo constituem-se das aprendizagens decorrentes da atividade e das competências necessárias para manter o estado de jogo. Conclui-se que a pedagogia do jogo está atrelada à criação de ambientes organizados e aos mediadores atentos às necessidades e interesses dos jogadores

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70, 2011.

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução a teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto, 1994.

BONI, Valdete; QUARESMA, Silvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em tese, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan./ jul., 2005.

BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 1998.

______. Brinquedo e cultura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

BRUHNS, Heloisa Turini. O jogo nas diferentes perspectivas teóricas. Motrivivência, n. 9, p. 28-43, dez., 1996.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa, Portugal: Cotovia, 1990

CARNEIRO, Kleber Tüxen. Por uma memória do jogo: a presença do jogo na infância de octogenários e nonagenários. 2015. 260f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP, 2015.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CRUZ, Silvia Helena Vieira (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

ELKONIN, Daniil B. Psicologia do jogo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FERNANDES, Florestan. As “Trocinhas” do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico da cultura e dos grupos infantis. Pro-Posições, v. 15, n. 1, p. 229-250, jan./ abr., 2004.

FERNANDES e colaboradores. Entre o tradicional e o eletrônico: significados do brincar para crianças de uma escola pública de Piracicaba-SP. Revista brasileira de estudos do lazer, v. 3, n. 2, p. 74-96, mai./ ago., 2016.

FLICK, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre, RS: Artmed, 2009.

FREIRE, João Batista. O jogo: entre o riso e o choro. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 14, n. 50, p. 27-38, jan./ mar., 2006.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.

LEONTIEV, Alexei N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKII, Lev Semenovich; LURIA, Alexander R.; LEONTIEV, Alexei N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 13. ed. São Paulo: Ícone, 2014, p. 119-142.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

NASCIMENTO, Anelise Monteiro do. Infância e cidade: crianças e adultos em uma pracinha do Rio de Janeiro. 2004. 108f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

NAVARRO, Mariana Stoeterau; PRODÓCIMO, Elaine. Brincar e mediação na escola. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, SC, vol.34, n.3, p. 633-648, 2012.

PETERS, Leila Lira. Brincar para quê? Escolar é lugar de aprender! Estudo de caso de uma brinquedoteca no contexto escolar. 2009. 282f. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2009.

SARAMAGO, Silvia Sara Sousa. Metodologias de pesquisa empírica com crianças. Sociologia, problemas e práticas, Lisboa, n. 35, p. 9-29. 2001.

SAURA, Soraia Chung. O imaginário do lazer e do lúdico anunciado em práticas espontâneas do corpo brincante. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 1, n. 28, p. 163-75, jan./ mar., 2014.

SCAGLIA, Alcides José. O futebol e as brincadeiras de bola: a família dos jogos de bola com os pés. São Paulo: Phorte, 2011.

SCAGLIA, Alcides José e colaboradores. O ensino dos jogos esportivos coletivos: as competências essenciais e a lógica do jogo em meio ao processo organizacional sistêmico. Movimento, v. 19, n. 4, p. 227-249, out./ dez., 2013.

SCAGLIA, Alcides José e colaboradores. Processo organizacional sistêmico, a pedagogia do jogo e a complexidade estrutural dos jogos esportivos coletivos: uma revisão conceitual. In: LEMOS, Kátia Lucia Moreira; GRECO, Pablo Juan; MORALES, Juan Carlos Pérez (Orgs.). 5º Congresso Internacional dos Jogos Desportivos. Belo Horizonte, MG: EEFFTO; UFMG, 2015.

SCAGLIA, Alcides José. Pedagogia do jogo: o processo organizacional dos jogos esportivos coletivos enquanto modelo metodológico para o ensino. Revista portuguesa de ciências do desporto, S1A, p. 27–38. 2017.

SCAGLIA, Alcides José; FABIANI, Débora Jaqueline Farias Fabiani. Do jogo à pedagogia do jogo: o processo de constituição da docência. In: NOBREGA, Terezinha Petrucia da; MOREIRA, Wagner Wey (Orgs.). Ser professor (a) universitário (a): o sensível, o inteligível e a motricidade. Natal, RN: IFRN, 2017.

SPOLAOR, Gabriel da Costa e colaboradores. "Prô, quando vamos brincar?" o recreio na escola de tempo integral". Lúdicamente, v. 8, n. 15, nov., 2018/ abr., 2019, 2019.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. São Paulo: Ática, 2009.

______. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKII, Lev Semenovich; LURIA, Alexander Romanovich; LEONTIEV, Alex N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 13. ed. São Paulo: Ícone, 2014.

ZAIM-DE-MELO, Rogério; GOLIN, Carlo Henrique. Entre o tradicional e o eletrônico: os jogos e brincadeiras de estudantes em Corumbá-MS. In: LINHARES, Wendell Luiz (Org.). Ciências do esporte e educação física: uma nova agenda para a emancipação. Ponta Grossa, PR: Atena, 2019.

ZIMMERMANN, Ana Cristina; MORGAN, John. The possibilities and consequences of understanding play as dialogue. Sport, ethics and philosophy, v. 5, n. 1, fev., 2011.

Endereço: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10281

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.