Percepção Subjetiva da Qualidade de Vida e Saúde de Idosos Participantes do Programa Vida Saudável de Parintins/am

Por: Nataly Cardoso Nunes, Pedritto Ferreira Valente, Simone Maria Castellano e Thais Reis Paulo.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.1 - n.2 - 2013

Send to Kindle


Resumo

A qualidade de vida durante o processo de envelhecimento é uma temática atual e centro de muitas discussões, tendo em vista que a população de idosos está em crescente ascensão em todo mundo. Este estudo teve como objetivo foi apresentar a percepção subjetiva da qualidade de vida e saúde dos idosos participantes do Programa “Vida Saudável” no município de Parintins/AM. Métodos: trata-se de um estudo de campo, de natureza quantitativa do tipo descritivo. A amostra foi composta por 27 idosos, com idade de 60 anos e mais, participantes do Programa “Vida Saudável”. Utilizou-se como instrumentos de coletas de dados um questionário estruturado com questões acerca da qualidade de vida e saúde autorreferida. Para a análise dos dados utilizou-se o programa estatístico Medcalc. Os resultados encontrados foram: 62,9% dos idosos são do sexo feminino; 60,3% estão na faixa etária de 60 a 69 anos. Quanto ao tempo de participação no grupo Vida Saudável, 66,7 % estão a mais de2 anos de participação. Em relação à quantidade de morbidades autorreferidas pelos idosos, encontrou-se que 77,7% dos entrevistados possuem até duas doenças crônicas não transmissíveis e que 22,3% possuem mais de duas doenças. Diante das análises da percepção subjetiva da qualidade de vida, 100% da amostra estão satisfeitos e a percepção de saúde foi considerada como boa 96,3%. Dessa forma, conclui-se que os idosos que participaram desta pesquisa têm percepção positiva sobre a qualidade de vida e saúde, pode-se dizer que o Programa “Vida Saudável” contribui de maneira efetiva para a qualidade de vida dos idosos.

Referências

SANTOS, S. R. dos et al. Qualidade de vida do idoso na comunidade: aplicação da Escala de Flanagan. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2002, vol.10, n.6, pp. 757764. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v10n6/v10n6a2.pdf. Acesso em: 22de março de 2014.

SANTOS, M. A. M.; P, J. S. Efeito das diferentes modalidades de atividades físicas na qualidade da marcha em idosos. Revista Digital, Buenos Aires, n. 102, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 de março de 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008. Disponível em: . Acesso em: 22 de fevereiro 2014

SOUSA, L; GALANTE, H.; FIGUEIREDO, D. Qualidade de vida e bem-estar dos idosos: um estudo exploratório na população portuguesa. Rev. Saúde Pública [online]. 2003, vol.37, n.3, pp. 364-371. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp /v37n3/15866.pdf. Acesso em: 22 de março de 2014.

PASCHOAL, S. M. P. Qualidade de vida na velhice. In: FREITAS, Elizabete Viana de. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

CAMPOS, M. O; NETO, J. F.R. Qualidade de vida: instrumento para promoção de saúde. Rev. Saúde Pública [online]. 2008, v.32, n.2, p.232-240. Disponível em: http://br.monografias.com/trabalhos-pdf/qualidade-vida instrumentopromocaosaude/qualidade-vida-instrumento-promocao-saude.pdfAcesso em: 05 de abril de 2014.

DUARTE, Y. A. O; DIOGO, M. J. D’ Elboux. Atendimento Domiciliar. Um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2005.

MATSUDO, S. M. M. Envelhecimento e Atividade Física. Londrina: midiograf, 2001.

RAMOS, L. R. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: Projeto Epidoso, São Paulo. Cad. Saúde Pública [online]. 2003, vol.19, n.3, p. 793-797. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v19n3/ 15882.pdf. Acesso em: 20 de março de 2014.

OKUMA, S. S. Atividade Física, Qualidade de Vida e Envelhecimento. Palestra realizada na Universidade de Londrina, PR, 2006.

NAHAS, M.V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf; 2001.

MATSUDO, SM; MATSUDO, VKR; BARROS, Neto TL. Efeitos benéficos da atividade física na aptidão física e saúde mental durante o processo de envelhecimento. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 2000.

POLITO, M. D. Prescrição de exercícios para saúde e qualidade de vida. São Paulo: Phorte, 2010.

CAROMANO, F. A.; IDE, M. R.; KERBAUY, R. R. Manutenção na prática de exercícios por idosos. Revista do Departamento de Psicologia UFF, Niterói, v. 18, n. 2, p. 177-192, jul./dez. 2006.

MONTEIRO, C. R.; FARO, A. C. M. Atividade física segundo a percepção dos estudantes de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online], vol.14, n.6, pp. 843-848, 2006. ISSN 0104-1169. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae /v14n6/pt_v14n6a03.pdf. Acesso em: 03 de abril de 2014.

AMORIM, P. R. S. Estilo de vida ativo ou sedentário: Impacto sobre a capacidade funcional. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas. São Paulo, v. 23, n. 3, p. 4963. 2002.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/961

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.