Percepções Sobre as Relações de Gênero em Escolas de Moçambique: Discurso e Prática

Por: Madalena Tirano Bive e .

Motricidades - v.2 - n.3 - 2018

Send to Kindle


Resumo

A presente pesquisa analisou as concepções de professores e professoras de Educação Física sobre as relações entre meninas e meninos, a partir de seus discursos e práticas pedagógicas cotidianas. Foram entrevistados/as cinco professores/as que lecionam Educação Física no 3º ciclo do Ensino Primário e observadas 10 aulas nas escolas da cidade Tete, Moçambique. Para análise dos dados recorremos à descrição dos acontecimentos que ocorreram durante as aulas no que diz respeito ao tema lecionado, à distribuição e organização dos/as alunos/as para as atividades da aula. Observamos ações fortemente marcadas pela ausência de atividades de grupos entre meninos e meninas, priorizando uma concepção de gênero associada a características biológicas, assim como, discrepância entre prática e discurso.

Referências

ALTMAN, H. Educação física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

BITENCOURT, S. M. Gênero e educação: diferenças sim! desigualdades não! In: JESUS, D.; CARBONIERI, D.; NIGRO, C. (Orgs.). Estudos sobre gênero: identidades, discurso e educação - homenagem a João W. Nery. Campinas: Pontes, 2017. p. 155-169.

CORSINO, L.; AUAD, D. O professor diante das relações de gênero na educação física escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

FREIRE, E. Estudos de gênero em práticas curriculares multiculturais: uma experiência de formação docente. Revista Lugares da Educação, v. 5, n. 10, p. 132-148, jan./jul. 2015.

GOELLNER, S. Contribuições dos estudos de gênero e feministas para o campo profissional da educação física. In: DORNELES, P. G.; WENETZ, I.; SCHWENGBER, M. S. (Orgs.). Educação física e gênero: desafios educacionais. Ijuí: Unijuí, 2013. p. 23-43.

LOURO, G. Currículo, gênero e sexualidade. Porto: Porto Editora, 2000.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2013.

MACIEL, C. O tema transversal “Educação para Equidade de Género” no 1º ciclo do Ensino Básico. In: DUARTE, S.; MACIEL, C. Temas transversais em Moçambique: educação, paz e cidadania. Maputo: Educar UP, 2015. p. 117-127.

MCLAREN, P. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez Editora, 1997.

MOÇAMBIQUE. Ministério de Educação e Desenvolvimento Humano. Estratégia de género no sector da educação e desenvolvimento humano para o período 2016-2020. Maputo: MINEDH, 2015.

NOTA, J. A construção de género e sexualidade no currículo do Ensino Básico em Moçambique: uma reflexão com enfoque pós-estruturalista e teoriaqueer. Revista UDZIWI, n. 13, p. 4-28, 2010.

OSORIO, C.; MACUACUÁ, E. Os ritos de iniciação no contexto actual: ajustamento, roturas e contrapontos, construindo identidades de gênero. Maputo: WLA Moçambique, 2013.

PAVAN, R. A construção das identidades de gênero e a formação de Professores. Revista Contra-Pontos, v. 13, n. 2, p. 102-111, maio/ago. 2013.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PESSULA, P.; BIVE, M. Um olhar ao currículo de educação física em Moçambique a partir de uma perspectiva intercultural. In: AGUIAR, M. A. S.; PACHECO, J. A. B.; MENDES, G. M. L. (Orgs.). XII do Colóquio sobre questões curriculares/VIII Colóquio luso-brasileiro de currículo/II Colóquio luso-afro-brasileiro de questões curriculares. Recife: ANPAE, 2017. p. 822-833.

PRADO, M.; NOGUEIRA, P.; MARTINS, D. Escola e a política de armário e reprodução das hierarquias sexuais no Brasil. In: RODRIGUES, A.; BARRETO, M. A. S. C. (Orgs.). Currículos, Gêneros e Sexualidades: experiências misturadas e partilhadas. Espírito Santo: EDUFES, 2013. p. 26-46.

SCOTT, J. Gender: useful categoy of historical analyse gender and the politics of history. New York: Columbia University Press, 1989.

Endereço: http://www.motricidades.org/journal/index.php/journal/article/view/2594-6463.2018.v2.n3.p201-209

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.