Perfil Antropometrico e Desempenho Fisico-motor de Crianças e Jovens com Deficiencia Visual Participantes do Atletismo nos 1. Jogos Escolares da Confederação Brasileira de Desportos Para Cegos

Por: .

2006 09/10/2006

Send to Kindle


Resumo

A pessoa com deficiência visual apresenta ritmo de desenvolvimento característico e peculiar, em decorrência das limitações na recepção de informações do meio, causadas pela baixa funcionalidade ou ausência da visão. O objetivo desse trabalho foi avaliar o desempenho físicomotor de alunos com deficiência visual durante os 1º Jogos escolares da CBDC. A composição antropométrica e a performance atlético-motora foram aferidas na cidade de São Paulo, no período entre 12 e 14 de novembro de 2004. O grupo participante da pesquisa foi de 197 pessoas. Houve uma divisão em 3 grupos etários, sendo esses: mirim (6 a 10 anos), infanto-juvenil (11 a 14 anos) e juvenil (15 a 18 anos). Utilizaram-se mais duas subdivisões, por gênero e classe visual (B1 e B2/3). A estatura e massa corporal, além das espessuras das dobras cutâneas do tríceps e subescapular foram medidas para delimitar o perfil antropométrico dos grupos. Os eventos esportivos foram utilizados como ambiente para a aferição do desempenho motor. Para as categorias mirim e infanto-juvenil as provas foram a corrida de 50 e 600 metros, lançamento de pelota e salto em distância; na categoria juvenil foram a corrida de 100 e 1000 metros, lançamento de pelota e salto em distância. Os resultados da composição corporal apresentaram, no gênero feminino, os maiores valores na categoria juvenil, da classe visual B2/3. No masculino os maiores resultados das variáveis de gordura corporal ocorreram na categoria mirim, já a estatura corporal acompanhou a evolução da idade. Entre os gêneros, os maiores resultados ocorrem no feminino, inclusive esse grupo apresentou os maiores valores da estatura corporal. A performance físico-motores apresentou, no feminino, os maiores resultados na classe visual B2/3, os valores acompanharam a evolução da faixa etária. A exceção ocorreu em algumas categorias com performance semelhante influenciado quando o de menor idade tinha uma melhor capacidade visual. No masculino os melhores valores médios na categoria juvenil ocorreram na classe visual B2/3, já no infanto-juvenil a classe visual apresentou melhor performance nas provas de corrida e salto; entre as três faixas etárias desse gênero os valores mais significativos ocorreram na categoria juvenil. Entre os gêneros os melhores resultados ocorreram no masculino. Frente a esses resultados a aplicação de uma proposta pedagógica que possibilite o desenvolvimento da autonomia na pessoa com deficiência é fundamental para a melhoraria de sua relação com o meio. Possibilitar experiências é fundamental no desenvolvimento dos indivíduos, as categorias etárias com menor experiência motora apresentam resultados similares entre pessoas cegas e com baixa visão. Os resultados antropométricos e físico-motores mostram a necessidade de uma prática sistematizada para evitar que as pessoas com deficiência visual desenvolvam níveis de gordura corporal que prejudique o seu desenvolvimento humano de maneira adequada. A aplicação dos resultados desse estudo depende do entendimento da relação entre deficiência, limitação e incapacidade junto à pessoa com deficiência visual, no qual o grande problema do desenvolvimento motor encontrar-se na baixa capacidade de realizar interações com o ambiente, e não diretamente na deficiência visual.

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000401523&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.