Perfil de Aptidão Cardiorrespiratória e Metabólica em Bailarinos Profissionais

Por: Angela Romano e Paulo Roberto Santos Silva.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.5 - n.3 - 1999

Send to Kindle


Resumo

O principal objetivo deste estudo foi analisar aspectos cardiorrespiratórios e metabólicos e as alterações provocadas pelo treinamento específico de dança em um grupo de 16 bailarinos de balé profissional, modalidade clássico, sendo oito mulheres e oito homens, com média de idade de 18,2 ± 3,8 anos e 26,2 ± 4,5 anos, respectivamente. Todos foram submetidos a teste máximo em esteira rolante utilizando-se o protocolo de Bruce. Foi utilizado, na análise das respostas respiratórias e metabólicas, o sistema computadorizado Metabolic Measurement Cart da Beckman. Os seguintes resultados foram obtidos entre o grupo de balé vs. o grupo controle masculino: VO2 máx. - 46 ± 4 vs. 43 ± 6mlO2.kg.-1min-1; FC máx. - 194 ± 12 vs. 202 ± 11bpm; VE máx. - 112 ± 16 vs. 123 ± 18L.min-1; VO2-LA - 35 ± 4 vs. 26 ± 4mlO2.kg.-1min-1 (p < 0,01); FC-LA - 169 ± 18 vs. 163 ± 15 bpm. Grupo de balé vs. grupo controle feminino: VO2 máx. - 39 ± 6 vs. 35 ± 6mlO2.kg.-1min-1; FC máx. - 197 ± 10 vs. 201 ± 6bpm; VE máx. - 72 ± 9 vs. 81 ± 6L.min-1; VO2-LA - 26 ± 4 vs. 27 ± 4mlO2.kg.-1min-1; FC-LA - 164 ± 10 vs. 176 ± 17bpm. Conclusões: 1) a rotina específica de dança parece não gerar estímulo suficiente para aprimorar a aptidão cardiorrespiratória e metabólica dos bailarinos e 2) sugere-se condicionamento físico adicional ao treinamento de balé.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86921999000300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.