Perfil de Saúde dos Moradores da Casa do Estudante Universitário da Universidade Federal de Santa Maria

Por: Paola Marques Duarte.

113 páginas. 2014 21/02/2014

Send to Kindle


Resumo

Os estudantes universitários, em geral, são jovens em busca de formação profissional, que estão passando por uma fase de transição caracterizada por significativas mudanças morfofisiológicas, comportamentais, cognitivas e sociais. Esse momento da vida coincide com o ingresso no ensino superior, onde novas relações sociais são estabelecidas e comportamentos são adquiridos, tornando o universitário vulnerável a situações que colocam em risco a sua saúde. Para os alunos que residem em moradias universitárias, além dos fatores já mencionados, existe ainda a questão da mudança de cidade, que resulta no afastamento do ambiente familiar e da rede social, bem como o próprio fato de morar em uma residência universitária, onde um novo espaço será dividido com pessoas desconhecidas. Objetivo: Traçar um perfil de saúde dos moradores da Casa do Estudante Universitário da Universidade Federal de Santa Maria. Métodos: Estudo descritivo com delineamento transversal, realizado com 768 estudantes. Como instrumento para coleta de dados foi utilizado um questionário, administrado de forma autoaplicada. Foi realizada análise descritiva incluindo: média e desvio-padrão, para as variáveis contínuas; frequências e intervalo de confiança, para as variáveis categóricas, sendo as análises conduzidas no programa estatístico STATA 12.0. Resultados: Considerando o somatório da atividade física (lazer e deslocamento) 71,8% dos pesquisados eram ativos, 55,8% eram ativos somente no deslocamento, e 30% ativos somente no lazer. Apenas 11,2% dos estudantes apresentaram consumo regular de frutas, verduras e legumes, 42,4% referiu ter consumido álcool em excesso no último mês, e 9,4% ter consumido pelo menos um cigarro nos últimos 30 dias. Observou-se ainda que 18,9% dos estudantes percebiam sua saúde como regular/ruim, 6,2% relataram a presença de dislipidemias, e 25% apresentaram excesso de peso. Conclusão: Pode-se dizer que os pesquisados apresentaram baixos níveis de atividade física, principalmente no lazer; baixo consumo regular de frutas, verduras e legumes; excessivo consumo de álcool e tabaco; elevada prevalência de autopercepção de saúde regular/ruim; assim como elevada prevalência de excesso de peso. Portanto percebeu-se a necessidade de desenvolvimento de programas que incentivem a adoção de um estilo de vida mais saudável nessa população, sendo a universidade um local propício para criação e implementação de estratégias que estimulem mudanças comportamentais. 

Endereço: http://wp.ufpel.edu.br/ppgef/arquivo-de-dissertacoes-2015/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.