Perfil Sociodemográfico de árbitros de Futebol Recém-formados no Rio de Janeiro

Por: Carlos Elias Pimentel, Dirceu Ribeiro Nogueira da Gama, Erik Salum de Godoy, Leandro Lima Silva, Rian Quintes Bonifácio Costa, Rodolfo de Alkmim Moreira Nunes e Rodrigo Gs Vale.

Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército - v.86 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: No Brasil, o árbitro de futebol tem a necessidade de exercer uma profissão paralelamente ao exercício da arbitragem, e há uma carência de estudos que tenham procurado descrever as características sociodemográficas do árbitro de futebol.

Objetivo: O objetivo do presente estudo foi descrever e analisar as características sociodemográficas dos árbitros de futebol.

Métodos: Estudo transversal observacional, do qual participaram 81 inscritos no curso de árbitro de futebol no estado do Rio de Janeiro, no ano de 2013 e 2014. Utilizou-se um questionário autopreenchível, com informações requeridas pelo banco de dados da Escola de Arbitragem de Futebol do Rio de Janeiro, com questões sobre: idade, gênero, grau de instrução e profissão.

Resultados: A média de idade foi de 23,06. A maioria era do sexo masculino (81,5%), a idade variou entre 18-31 anos, com média de 23,06 (±3,12). Verificou-se que (76,5%) havia concluído o ensino médio, e (23,55%) o ensino superior, porém isso não foi significante estatisticamente. Não houve correlação dos níveis de escolaridade com a profissão. Verificou-se 26 profissões diferentes e um árbitro desempregado, sendo (43,2%) eram apenas estudantes e sem profissão. Dos 20 que tinham o ensino superior, 10 eram graduados em Educação Física e a diferença foi significativa (p<0,05).

Conclusão: Os árbitros recém-formados que chegam ao quadro do estadual, na maioria são do sexo masculino, com menos de 25 anos de idade e que ainda não concluíram o ensino superior. Grande parte destes são profissionais de Educação Física. Os árbitros no Brasil exercem outras atividades profissões, além da arbitragem e, paralelamente, preparam-se física e psicologicamente para a arbitragem.

Sociodemographic Profile of New Trained Soccer Referees in Rio de Janeiro

Introduction: In Brazil, soccer referee has the need to practice a profession in parallel to the arbitration exercise, and there is a lack of studies that have tried to describe the sociodemographic characteristics of the football referee.

Objective: The objective of the present study was to describe and analyze the sociodemographic characteristics of soccer referees.

Methods: A cross-sectional observational study was carried out, in which 81 participants enrolled in the soccer referee course in the state of Rio de Janeiro, in the year 2013 and 2014. A self-administered questionnaire was used, with information required by the database of the School of Arbitration of Football of Rio de Janeiro, with questions about: age, gender, degree of education and profession.

Results: The mean age was 23.06. The majority were male (81.5%), age ranged from 18-31 years, with a mean of 23.06 (± 3.12). It was verified that (76.5%) had finished high school, and (23.55%) higher education, but this was not statistically significant. There was no correlation between levels of schooling and the profession. There were 26 different professions and one unemployed arbitrator, being (43.2%) only student and without profession. Of the 20 who had higher education, 10 were graduated on Physical Education and this difference was significant.

Conclusion: The newly formed referees who reach the state board, most of whom are male, under 25 years of age and have not yet completed higher education. Most of them are Physical Education professionals. The referees in Brazil perform other professions, besides the arbitration and, in parallel, prepare themselves physically and psychologically for the arbitration.

Referências

Rech CR, Daronco A, Paim M. Tipo de temperamento dos árbitros de futebol de campo da Federação Gaúcha de Futebol Sub-sede de Santa Maria-RS. Lecturas, Educación Física y Deportes, Buenos Aires. 2002.

FIFA. Who we are. 2016[History about FIFA].Avaiablefrom:http://www.fifa.com/about-fifa/who-we-are/index.html.

Bizzini M, Junge A, Bahr R, Helsen W, Dvorak J. Injuries and musculoskeletal complaints in referees and assistant referees selected for the 2006 FIFA World Cup: retrospective and prospective survey. British Journal of Sports Medicine. 2009; 43: 490-7.

FIFA. Regras do futebol. Zurich, Suiça. 2017-2017.avaiable from: http://cdn.cbf.com.br/content/201707/20170726120119_0.pdf

Saldanha J. O futebol. Rio de Janeiro: Bloch Editores. 1971.

Mazzoni, T. História do futebol no Brasil, 1894-1950. São Paulo: Edições Leia. 1950.

Costa VT, Ferreira RM, Penna EM, Costa IT, Noce F, Simim MAM. Análise estresse psíquico em árbitros de futebol. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte. 2010; 3: 2-16.

Mallo J, Frutos PG, Juárez D, Navarro E. Effect of positioning on the accuracy of decision making of association football top-class referees and assistant referees during competitive matches. Journal of Sports Sciences. 2012; 30: 1437-45.

Rontoyannis G, Stalikas A, Sarros G, Vlastaris A. Medical, morphological and functional aspects of Greek football referees. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. 1998; 38: 208-14.

Rebelo A, Silva S, Pereira N, Soares J. Stress físico do árbitro de futebol no jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2002; 2: 24-30.

Catterall C, Reilly T, Atkinson G, Coldwells A. Analysis of the work rates and heart rates of association football referees. British Journal of Sports Medicine. 1993; 27: 193-6.

da Silva AI. Aptidão física do árbitro de futebol aplicando-se a nova bateria de testes da FIFA. Revista da Educação Física/UEM. 2008; 16: 49-57.

Da Silva A, Rodriguez-Añez C. Níveis de aptidão física e perfil antropométrico dos árbitros de elite do Paraná credenciados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2003; 3: 18-26.

Silva AI, Rodriguez-Añez CR, Frómeta ER. O árbitro de futebol-uma abordagem histórico-crítica. Journal of Physical Education. 2008; 13: 39-45.

EAFERJ. Escola de Arbitragem do Rio de Janeiro. Rio e Janeiro. Curso de Formação de Árbitros do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.fferj.com.br/Pagina?refPagina=44

Confederação Brasileira de Futebol. Manual das normas gerais da arbitragem brasileira. Disponível em: http://www.ffer.com.br/f15/uploads/dtmgzsxzag0gwsg.pdf

Mason C, Lovell G. An examination of the perceived demands, attitudes and selfreported preparation of referees in the English Football Association Premier League. Journal of Sport Sciences. 2001; 29: 23-4.

Thomas JR, Nelson JK, Silverman SJ. Métodos de pesquisa em atividade física. ArtMed; 2007. 396 p.

Resolução N. 466 do Conselho Nacional de Saúde, de 12 de dezembro de 2012 (BR). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 2013; 13.

Goellner SV. Mulher e esporte no brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática. 2006;8(1): 85-100.

Silva AI. Aptidão física do árbitro de futebol aplicando-se a nova bateria de testes da FIFA. Journal of Physical Education. 2008; 16: 49-57.

Silva A, Rodriguez-Añez C. Níveis de aptidão física e perfil antropométrico dos árbitros de elite do Paraná credenciados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2003; 3: 18-26.

Rebelo A, Silva S, Pereira N, Soares J. Stress físico do árbitro de futebol no jogo. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte. 2010; 3:2-16.

Horn LG, Reis LN. A profissionalização da arbitragem e sua influência na imagem dos árbitros: um estudo na ótica de profissionais ligados à gestão do Futebol no Rio Grande do Sul. RBFF-Revista Brasileira de Futsal e Futebol. 2016; 8: 19-28.

Antunes AC. Mercado de trabalho e educação física: aspectos da preparação profissional. Revista de Educação. 2015; 10.

Endereço: http://177.38.96.106/index.php/revista/article/view/488

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.