Pluralidade Lingüística, Escola de Bê-á-bá e Teatro Jesuítico no Brasil do Século Xvi

Por: Amarilio Ferreira Junior e Marisa Bittar.

Educação e Sociedade - v.25 - n.86 - 2004

Send to Kindle


Resumo

Este artigo focaliza o Brasil “indianizado” do século XVI no qual predominava a pluralidade lingüística, destacando-se o tupi e o português. O primeiro era a língua “geral” (nheengatu), falada por todos e de aprendizado obrigatório para os jesuítas; o segundo estava restrito às casas de bê-á-bá mantidas pela Companhia de Jesus. Neste contexto surgiu o teatro anchietano, encenado preferencialmente em português e tupi, com o objetivo de catequizar. Nosso estudo nos permitiu concluir que, tanto na forma como no conteúdo, o teatro serviu à aculturação, pois “cristianizou” a cultura indígena ridicularizando os seus mitos, que eram protagonizados pelos próprios índios, além de expandir o uso do português, principal idioma das peças. Começou aí a substituição da pluralidade lingüística pelo português, hegemônico a partir do século XVIII.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.