Por Uma Teoria da Prática

Por: .

Motus Corporis - v.3 - n.2 - 1996

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO 

Vou estabelecer inicialmente um debate com autores que, nos últimos anos, e no meu exclusivo julgamento, contribuíram significativamente para a constituição de uma teoria da Educação Física de matizes brasileiras, com proposições bastante criativas e desafiadoras à inteligência. São eles: Bracht (1993), Tani (1988,1989), Lovisolo (1994) e Kolyniak Filho (1994, 1995a 1995b). Depois, apresentarei minha própria proposta, que já se esboçará embrionariamente na primeira parte. 

A discussão acadêmica no âmbito da Educação Física sempre foi presa fácil dos dualismos: Educação Física versus esporte; esporte versus jogo; teoria versus prática, etc. A sofisticação teórica dos últimos anos superou alguns idealismos e ingenuidades da década de 80, mas gerou uma nova "macro-dicotomia", que detecto na divisão dos atuais discursos sobre a Teoria da Educação Física em duasgrandes matrizes: uma, que vê a Educação Física como área de conhecimento científico; outra, que a vê como prática pedagógica.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.