Potência Anaeróbia Máxima e índice de Fadiga em Atletas de Futsal Feminino: Uma Análise Entre as Posições

Por: Andréa Dias Reis, Franciléia Andrade Lima, Laissa Lima da Costa, Paulo Vitor Albuquerque Santana, Poliane Dutra Alvares, Raul Pinho de Carvalho, Renata Rodrigues Diniz e Richard Diego Leite.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Resumo - Não existem evidências científicas traçando um perfil metabólico ideal de jogadores de futsal. Tornando-se necessário compreender um pouco mais sobre algumas variáveis importantes da modalidade e a posição que cada jogador atua. O estudo objetivou traçar o perfil morfológico, mensurar a potência máxima anaeróbia e o índice de fadiga de atletas de Futsal feminino correlacionando com as diferentes posições de jogo. Participaram 17 atletas do sexo feminino, idade de 21,38±4,38 anos, estatura 1.59±0.07m e massa corporal 56.2±8.2kg. Foram avaliadas medidas antropométricas, composição corporal, neuromotora e da potência anaeróbia máxima. Para caracterização da amostra utilizou-se a estatística descritiva (média ± desvio padrão), mínimo e máximo. Foi utilizado o teste de Shapiro Wilk para a normalidade dos dados, teste t de Student pareado, Correlação de Pearson e ANOVA one-way para relacionar algumas dessas variáveis, sendo adotado um nível de significância de p<0,05. Tratou-se de uma equipe bem homogênea nos aspectos morfológicos, porém observou-se uma diferença significativa na agilidade das atletas ao comparar a corrida com e sem a utilização da bola. Ao correlacionar os aspectos anaeróbios entre as posições, não foram observadas diferenças estatísticas na potência anaeróbia máxima absoluta (p=0.2046) e relativa (p=0.2046). Em contrapartida, a equipe apresentou em todas as posições nessa variável, valores relativos considerados como fraco (<10,19W/Kg). No índice de fadiga obtiveram valores classificados como excelente e apresentaram diferenças entre as posições (p=0.0479), em especial entre Alas e Pivôs. Concluiu-se que mesmo com níveis fracos na potência anaeróbia, não houve diferenças significativas entre as posições de jogo, o que pode estar relacionado com o futsal mais dinâmico atual. Mesmo apresentando diferenças estatísticas entre as posições, todas as atletas possuíam um nível excelente no índice de fadiga, variável que contribui para o esforço intenso e repetitivo, característica importante do Futsal.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/6350

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.