Potência Muscular de Membros Inferiores em Diferentes Momentos de Um Jogo Oficial de Futsal

Por: Elielbson Santos Souza, Fábio Júnior Silva, Rafael Magalhães Carvalho Santos, Ricardo Alexandre Rodrigues Santa Cruz e Weberti Veloso Mendonça.

Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército - v.86 - n.2 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O nível de potência muscular pode ser considerado um dos aspectos fundamentais para o desempenho de jogadores de futsal.

Objetivo: Avaliar o efeito das atividades realizadas durante uma partida de futsal sobre a potência muscular de membros inferiores.

Métodos: Foram avaliados 12 atletas do sexo masculino de uma equipe da categoria Sub-17. A potência muscular de membros inferiores foi avaliada por meio do teste salto vertical, em três momentos: antes, no intervalo e logo após o término do jogo. Foram monitorados o volume total e o tempo de participação/recuperação dos atletas no jogo. Em estatística descritiva, utilizou-se média e desvio-padrão. Para avaliar a distribuição dos dados quanto à normalidade, foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk. Para analisar as diferenças entre os três momentos, utilizou-se ANOVA one-way, seguida pelo post-hocde Tukey.

Resultados: Não houve diferenças estatisticamente significativas na potência muscular de membros inferiores nos diferentes momentos da partida, indicando não haver queda no desempenho físico dos atletas que exija potência muscular dos atletas dos atletas ao longo do jogo.

Conclusão: Os resultados do presente estudo indicam que atletas treinados de futsal exibem equilíbrio entre o estresse fisiológico causado pelas ações intensas do jogo e a recuperação dos atletas durante o próprio jogo, assegurando o desempenho da potência muscular dos jogadores. Esses achados podem contribuir com técnicos e preparadores físicos de futsal, no planejamento do treino e na seleção/utilização dos atletas durante o jogo.

Lower limbs muscle power in  different moments of an official futsal game

Introduction: The muscular power level can be considered one of the fundamental aspects for the performance of futsal players.

Objective: To evaluate the muscular power of lower limbs of futsal athletes in different moments of an official game.

Methods: Twelve male athletes, 16.10 ± 0.49 years, 168.00 ± 5.19 cm, body weight of 59.30 ± 4.88 kg, and fat percentage of 10.90 ± 0.67%, belonging to a team in the U-17 (under seventeen years old) category. Athletes made the vertical jump before, during and after the game. The total volume and the time of participation / recovery of the athletes in the game were monitored. We used mean and standard deviation as descriptive statistics. Shapiro-Wilk test was used to evaluate the data normality. ANOVA one-way, followed by Tukey post-hoc was used to analyze the differences between the three moments.

Results: Results did not indicate statistical differences muscle power of lower limbs in the different moments of the match, indicating that there is no decrease in athletes 'physical performance that requires athletes' muscular power during the game.

Conclusion: The results of the present study indicate that trained futsal athletes show a balance between the physiological stress caused by the intense actions of the game and the recovery of the athletes during the game itself, ensuring the performance of the muscular power of the players. These findings may contribute to futsal coaches and coaches in planning the training and in the selection / use of athletes during the game.

Referências

FIFA - Fédération Internationale de Football Association - Technical report and statistics, Zurich – Switzerland, 2016.

CBFS - Confederação Brasileira de Futsal. Livro Nacional de Regras: Fortaleza – CE, 2017.

Santa Cruz RAR. Parâmetros para a determinação das demandas fisiológicas no futsal. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. 2014;13(1):165-177.

Matzenbachera FB, Pasquarellic BN, Rabelo FN, Stanganellia LCR. Demanda fisiológica no futsal competitivo. Características físicas e fisiológicas de atletas profissionais. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. 2014; 7(3):122-31.

Santa Cruz RAR, Campos FAD, Gomes ICB, Pellegrinotti IL. Percepção subjetiva do esforço em jogos oficiais de Futsal. Revista brasileira de Ciência e Movimento. 2016; 24(1):92-97.

Freitas VH, Souza EA, Oliveira RS, Pereira LA, Nakamura FY. Efeito de quatro dias consecutivos de jogos sobre a potência muscular, estresse e recuperação percebida, em jogadores de futsal. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2014;28(1):23-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092014005000002.

Dal pupo J, Detanico D, Arins FB, Salvador PCN, Guglielmo LG, Santos, SG. Capacidade de sprints repetidos e níveis de potência muscular em jogadores de futsal das categorias sub-15 e sub-17. Revista Brasileira de Ciência e Esporte. 2017;39(1):73-7. https://doi.org/10.1016/j.rbce.2016.01.010.

Kunrath CA, Gonçalves E, Silva LFS, Tiggemann CL, Dias CP, Oliveira UO, Teoldo I. Avaliação da intensidade do treinamento técnico-tático e da fadiga causada em jogadores de futebol da categoria sub-20. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2016; 30(2):217-25. http://dx.doi.org/10.1590/1807-55092016000200217.

Borin JP, Maldaner GG, Fachina RJFG, Daniel JF, Beneli LM, Montagner PC. Desempenho de Basquetebolistas no Salto Vertical: comparação em diferentes momentos da partida. Revista Salusvita. 2011; 31 (2): 77-88.

Bosco CA. Força Muscular. São Paulo: Phorte; 2007.

Dal pupo J, Detanico D, Santos SG. Parâmetros cinéticos determinantes do desempenho nos saltos verticais. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano 2012; 14(1):41-51.

Faulkner JA. Physiology of swimming and diving: exercise physiology. Baltimore: Academic Pres; 1968.

Mclellan CP, Lovell DI, Gass GC. The role of rate of force development on vertical jump performance. The Journal of Strength & Conditioning Research. 2011;25(2):379-85. doi:10.1519/JSC.0b013e3181be305c.

Barbero, JC. Análisis cuantitativo de la dimensión temporal durante la competición en fútbol sala. European Journal of Human Movement. 2003; 10 (1):143-163.

Castagna C, Impellizzeri FM, Rampinini E, Dottavio S, Manzi V. The Yo-Yo intermittent recovery test in basketball players. Journal of Science and Medicine in Sport. 2008; 11(2): 202-208. http://dx.doi.org/10.1016/j.jsams.2007.02.013.

Endereço: http://177.38.96.106/index.php/revista/article/view/216

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.