Preparação Física, Hábitos Alimentares e Percentual de Gordura em Surfistas Profissionais

Por: César Augusto Otero Vaghetti, Daniel Fagundes Godoy, Flávio Antônio de Souza Castro, Joscelito de Oliveira Berneira e Miguel Moreira.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.26 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O surfe, como conhecemos atualmente, pode ser considerado um esporte que utiliza os três sistemas de fornecimento de energia para sua prática, podendo alterar sua via energética entre aeróbia e anaeróbia, devido aos esforços variados em intensidade, duração e recuperação ativa, além disso possui característica intermitente bem evidente. Entretanto, atletas de surfe não costumam seguir programas específicos de treinamento, a preparação física, para muitos surfistas profissionais, é realizada apenas com a prática da própria modalidade. Considerando a necessidade de maiores investimentos no esporte, neste caso investimento científico para propiciar melhores treinamentos e resultados, o objetivo desta pesquisa foi o de verificar como é realizada a preparação física, descrever hábitos alimentares e identificar o percentual de gordura de atletas profissionais de surfe. Cinquenta e um atletas profissionais da modalidade, do sexo masculino, participaram do estudo. Um questionário sobre preparação física e hábitos alimentares, um medidor de gordura corporal por impedância bioelétrica, uma balança e um estadiômetro foram utilizados como instrumentos de medida. Foi utilizada estatística descritiva, média e desvio padrão para as variáveis escalares e frequências relativas para as variáveis categóricas, que foram comparadas com a utilização do teste binomial e teste de qui-quadrado. Verificou-se que: (a) a maioria dos atletas não possui orientação de profissional, (b) a natação representa a modalidade esportiva mais utilizada como forma de treinamento físico, (c) 61% dos entrevistados consideram sua alimentação saudável e (d) o percentual de gordura corporal médio encontrado foi de 11,6%. Conclusão: deve haver melhor compreensão dos surfistas e dos envolvidos com a surfe em relação a processos adequados de treinamento e nutrição, sob supervisão de profissionais habilitados para este trabalho.Referências 1. Garcia GB, Vaghetti CAO, Peyré-tartaruga L. Comportamento da frequência cardíaca durante uma sessão de surfe. Rev Bras Cien Mov. 2008; 16(2): 41-47. 2. Peirão R, Tirloni AS, Reis DC. Avaliação postural de surfistas profissionais utilizando o método Portland State University (PSU). Fit Perf J 2008; 7(6): 370-374. 3. Gonçalves FTR, Pinheiro MHNP, Lima DLF. Avaliação da composição corporal e somatotipo de praticantes de surf e body board. Coleção Pesquisas em Educação Física. 2010; 9(4): 75-80. 4. Fernandes R, Barbosa T, Vilas-Boas JP. Fatores cineantropométricos determinantes em natação pura desportiva. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2005; 7: 30-34. 5. Barr SI, McCarger LJ, Crawford SM. Practical use of body composition analysis in sport. Sport Med. 1994; 17: 277 82. 6. Moreira M. Matriz de Análise das Tarefas Desportivas. Sistema de Classificação Estrutural. Modelo Taxinómico do Surf. [Tese de Doutorado]. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa; 2007. 7. Mendez-Villanueva A, Bishop D, Hamer P. Activity profile of world-class professional surfers during competition: A case study. J Strength Condit Res. 2006; 20(3): 477-482. 8. Navarro F, Danucalov MA, Ornellas FH. Consumo máximo de oxigênio em surfistas brasileiros profissionais. Rev Bras Cien Mov. 2010; 18(1): 56-60. 9. Mendez-Villanueva A, Bishop D. Physiological aspects of surfboard riding performance. Sport Med. 2005; 35(1): 83 Preparação física, hábitos alimentares e percentual de gordura em surfistas profissionais R. bras. Ci. e Mov 2018;26(1):75-83. 55-70. 10. Farley O, Harris NK, Kilding AE. Anaerobic and aerobic fitness profiling of competitive surfers. J Strength Cond Res. 2012; 26(8): 2243-2248. 11. Lowdon BJ, Mourad A, Warne P. Sports message for competitive surfers. Sports Health. 1990; 9: 25-28. 12. Vaghetti CAO, Roesler H, Andrade A. Tempo de reação simples auditivo e visual em surfistas com diferentes níveis de habilidade: comparação entre atletas profissionais, amadores e praticantes. Rev Bras Med Esporte. 2007; 13(2): 81- 85. 13. Brasil FK, Andrade DR, Oliveira IC, Ribeiro MA, Matsudo VKR. Frequência cardíaca e tempo de movimento no surfe recreacional – Estudo piloto. Rev Bras Cien Mov. 2001; 9(4): 65-75. 14. Meir RA, Lowdon BJ, Davie AJ. Heart rates and estimated energy expenditure during recreational surfing. Aust J Sci Med Sport. 1991; 23(3): 70-74. 15. Lowdon BJ, Bedi IJF, Horvath SM. Specificity of aerobic fitness testing of surfers. Aust J Sci Med Sport. 1989; 21(4): 7-10. 16. Steinman J. Surf & Saúde. Florianópolis: TAO; 2003. 17. Helgerud J, Engen LC, Wisloff U, Hoff J. Aerobic Endurance Training Improves Soccer Performance. Med Sci Sports Exerc. 2001; 33: 1925-1931. 18. Rohlfs ICPM, Mara LS, Lima WC, Carvalho T. Relação da síndrome do excesso de treinamento com estresse, fadiga e serotonina. Rev Bras Med Esporte. 2005; 11(6): 367-372. 19. Luz JD, Santos JB, Moro ARP, Farias SF, Roder ACA, Herdy AH. Característica do treinamento dos surfistas profissionais participantes do Petrobrás Open Surf WQS (Abstract). 16° Congresso Brasileiro de Medicina do Esporte. Florianópolis: 2003. 20. Fleck ST. Body Composition of Elite American Atlhetes. Sport Med. 1983; 11(6): 398-403. 21. Paschoal VCP, Amancio OMS. Nutritional Status of Brazilian Elite Swimmers. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2004; 14(1): 81-94. 22. Silva ER, Henkin S, Ilha TASH, Filho PRS, Jardim MV. Padrões antropométricos e somatotípicos de surfistas profissionais. XXVI Simpósio internacional de ciência do esporte. São Paulo: 2003. 23. Felder JM, Burke LM, Lowdon BJ, Cameron-Smith D, Collier GR. Nutritional Practices of Elite Males Surfers During Training and Competition. Int J Sport Nutr. 1998; 8(1): 36-48. 24. Castro FAS, Loss JF. Forças no meio líquido. In: Costa PHL, org. Natação e Atividades Aquáticas. Subsídios para o ensino. Barueri: Manole; 2010. p. 34-46. 25. Pyne DB, Verhagen EA, Mountjoy M. Nutrition, illness, and injury in aquatic sports. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2014; 24: 460-469. 26. Somensi AR. Hidratação no surfe. Rev Bras Nutr Esporte. 2009; 3(13): 27-33. 27. Brasil TA, Pinto JA, Cocate PG, Chácara RP, Marins JCB. Avaliação do hábito alimentar de praticantes de atividade física matinal. Fit Perf J. 2009; 8(3): 153-63. 28. Froiland K, Koszewski W, Hingst J, Kopecky L. Nutritional supplement use among college athletes and their sources of information. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2004; 14(1): 104-20. 29. Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (SBME): Diretrizes. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde. Rev Bras Med Esporte. 2003; 9(2): 43-56. 30. Dâmaso A. Nutrição e Exercício na Prevenção de Doenças. MEDSI: Editora Médica e Científica Ltda; 2001.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/7650/pdf

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.