Prevalência e Fatores Associados à Inatividade Física Geral e no Lazer em Idosos Residentes em Areas Rurais

Por: Carla Elane Silva dos Santos, Clarice Alves dos Santos, Lélia Lessa Pinto, Lélia Renata das Virgens Carneiro, Mônica Macêdo Souza e Saulo Vasconcelos Rocha.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.1 - n.2 - 2013

Send to Kindle


Resumo

Introdução: A atividade física e o lazer ativo são fatores determinantes para prevenção, controle e tratamento de determinadas doenças, que se acentuam com o envelhecimento. Objetivo: analisar a prevalência de inatividade física, inatividade física no lazer e os fatores associados entre idosos residentes na zona rural. Procedimentos Metodológicos: Estudo de corte transversal com idosos cadastrados na Unidade de Saúde da Família (USF), do distrito de Itajurú, Jequié, Bahia, Brasil. A população do estudo foi constituída por 103 idosos, sendo 57,9% do sexo feminino e 42,1% do sexo masculino. Os dados foram coletados por meio de um questionário contendo Informações Sociodemográficas, Estado de Saúde e Avaliação do Nível de Atividade Física Habitual – IPAQ. Para análise dos dados, utilizaram-se procedimentos da estatística descritiva, teste de qui-quadrado, análise multivarida (regressão logística) utilizando intervalo de confiança de 95% e p ≤ 0,05. Resultados: A prevalência de inatividade física geral foi de 21,1%, e 72,6% quando avaliado apenas no tempo livre. Apenas a faixa etária manteve associação estatisticamente significante com a inatividade física após a análise multivariada. Conclusão: Recomenda-se a implementação de políticas de promoção da atividade física, e a construção de equipamentos de lazer, no intuito de favorecer a adoção de estilo de vida ativo entre os idosos, dedicando atenção especial aos idosos longevos (80 anos ou mais).

Referências

Carvalho JAM, Garcia RA. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cad Saude Publica 2003; 19(3): 725-733.

Parahyba MI, Veras R, Melzer D. Incapacidade Funcional entre as Mulheres Idosas no Brasil. Rev Saude Publica 2005; 39 (3): 383-91.

Marcondelli PD, Da Costa THM, Schmitz BAS. Influência da atividade física na saúde. R. bras. Ci. e Mov 2008; 16(1): 107-114.

Nelson ME, Rejeski WJ, Blair SN, Duncan PW, Judge JO, King AC, Macera CA, Castaneda-Sceppa C. Physical and Public Health in Older Adults: Recommendation from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc 2007; 39 (8): 1435-1445.

Rocha SV, De Almeida MMG, Araújo TM, Virtuoso Júnior JS. Atividade física no lazer e transtornos mentais comuns entre idosos residentes em um município do nordeste do Brasil. J Bras Psiquiatr 2011; 60(2):80-85.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The lancet 2012; 380.

Bicalho PG, Hallal PC, Gazzinelli A, Knuth AG, Velásquez-Meléndez G. Atividade física e fatores associados em adultos de área rural em Minas Gerais, Brasil. Rev Saude Publica 2010; 44(5): 884-93.

Rouquayrol MZ, Filho NA. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2003: 736.

IBGE. Cidade@. Jequié. Censo Demográfico 2010. Disponível em: [2013 mai 31]

Benedetti TB, Antunes PC, Rodriguez-Añez CR, Mazo GZ, Petroski EL. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Rev Bras Med Esporte [online] 2007; 13(1): 11-16.

CELAFISCS. Centro Coordenador do IPAQ no Brasil. Classificação do Nível de Atividade Física IPAQ, 2012. Disponível em: [2013 mai 31].

IBGE. Dados sobre População do Brasil, PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), 2011. Disponível em: [2013 mai 31]

Bandeira L, Melo HP, Pinheiro LS. "Mulheres em dados: o que informa a PNAD/IBGE", 2008. In: Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, julho, 2010; p. 107- 119.

Morais EP, Rodrigues RAP, Gerhardt TE. Os idosos mais velhos no meio rural: realidade de vida e saúde de uma população do interior gaúcho. Texto Contexto Enferm 2008; 17(2):374-83.

IBGE. Censo 2010: Número de católico cai e aumenta o de evangélico, espírita e sem religião. Disponível em: [2013 mai 15]

Pitanga FJG, Lessa I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos. Cad Saude Publica 2005; 21(3): 870-877.

Rocha SV, Almeida MMG, Araújo TM, Virtuoso Júnior JS. Fatores associados à atividade física no lazer entre residentes de áreas urbanas de um município do nordeste do Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Humano 2011; 13(4): 257-264.

Wiles NJ, Haase AM, Gallacher J, Lawlor DA, Lewis G. Physical activity and Common Mental Disorder: Results from the Caerphilly Study. Am J Epidemiol 2007; 165(8): 946-54.

Adamoli AN. Padrões de atividade física de pessoas com transtornos mentais e de comportamento. Cien Saude Colet 2009; 14(1): 243-51.

Salles-Costa R, Heilborn ML, Werneck GL, Faerstein E, Lopes CS. Gênero e prática de atividade física de lazer. Cad Saude Publica 2003; 19(2): 325-33.

Araújo TM, Pinho OS, Almeida MG. Prevalência de transtornos mentais comuns em mulheres e sua relação com as características sociodemográficas e o trabalho doméstico. Rev. Bras. Saude Mater. Infant 2005; 5(3): 337-348.

Dias-Da-Costa JS, Hallal PC, Wells JC, Daltoe T, Fuchs SC, Menezes AM. Epidemiology of leisure-time physical activity: a population-based study in Southern Brazil. Cad Saude Publica 2005; 21(1): 275-82.

Mazo GZ, Mota J, Gonçalves LTH, Matos MG. Nível de atividade física, condições de saúde e características sociodemográficas de mulheres idosas brasileiras. Rev Port Cien Desp 2005; 5(2): 202-212.

Fernandes HM, Vasconcelos-Raposo J, Pereira E, Ramalho J, Oliveira S. A influência da actividade física na saúde mental positiva de idosos. Motricidade 2009; 5 (1): 33-50.

Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc. estado 2012; 27 (1).

Velásquez-Meléndez G, Gazzinelli A, Côrrea-Oliveira R, Pimenta AM, Kac G. Prevalence of metabolic syndrome in a rural area of Brazil. Medicine Journal 2007; 125(3): 155-162.

Matos AC, Ladeia AM. Assessment of cardiovascular risk factores in a rural community in the Brazilian state of Bahia. Arq Bras Cardio 2003; 81 (03): 297-30.

Caspersen CJ, Powell KE, Christenson GM. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-relates research. Public Health Rep 1985; 100 (2): 172-179.

Rocha SV, Tribess S, Virtuoso Júnior JS. Atividade física habitual e qualidade de vida de mulheres idosas com baixa condição econômica. Revista da Educação Física 2008; 19 (1): 101-108.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Academia de Saúde – Portaria nº 719. 2011. Disponível em: [2013 jun 01]

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/400

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.