Prevalência do Risco de Desenvolver Diabetes Tipo Ii: Estudo Realizado em Criança e Adolescentes

Por: Anelise Reis Gaya, Joana Carvalha, Jorge Mota, José Ribeiro e Julia Matzenbacher dos Santos.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O aumento da prevalência da obesidade e do sobrepeso em
idades pediátricas surge causando o aparecimento de um leque de doenças
que até então eram específicas dos adultos. A diminuição da sensibilidade
a insulina é um importante factor para o possível desenvolvimento de
patologias como a diabetes 2, hipertensão arterial e deslipidemias. O
objectivo do presente estudo consiste em analisar a prevalência de crianças
e adolescentes obesos que apresentam risco de desenvolver diabetes II e
ve r i fi c a r a a s s o c i a ç ã o c om o u t ro s fa c t o re s d e r i s c o d a s d o e n ç a s
cardiovasculares. Material e Métodos: 87 crianças e adolescentes obesos
do Hospital Pediátrico Maria Pia (Porto-Portugal) participaram do presente
estudo (idade 12,12±2,41; peso 75,19±21,67; altura 156,34±12,8; IMC
(índice de massa corporal) 30,71±3,00). O cálculo do Modelo de Avaliação
da Homeostase (Homa), calculado através dos valores de glicose e insulina
plasmática foi utilizado para a análise da estimação da resistência à insulina.
Crianças e adolescentes com valores de Homa superiores a 2,24 foram
classificadas com risco elevado de desenvolver diabetes tipo II. Resultados:
68,4% da amostra apresenta risco de desenvolver Diabetes tipo II, isto é
apresentam valores de Homa superiores a 2,24. Valores médios do peso,
altura, IMC (índice de massa corporal), TAS (tensão arterial sistólica) e
TAD (tensão arterial diastólica) apresentaram correlação significativa com
o indicador de resistência a insulina (HOMA), contudo estas correlações
deixaram de apresentar valores significativos quando o peso foi controlado.
Valores médios de HDL, LDL, triglicerídeos e actividade física formal não
apresentaram correlação estatisticamente significativa (p<0,05). Conclusão:
Crianças e adolescentes com risco de desenvolver diabetes tipo II, estimadas
através do Homa, apresentaram valores médios superiores de peso, altura,
IMC, TAS e TAD. O peso parece ser a principal causa destas diferenças
estatisticamente significativas encontradas entre o grupo que apresenta risco
elevado de desenvolver diabetes tipo II e o grupo sem risco.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/63_Anais_p263.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.