Processos de Racialização nas Escolas Primárias Pernambucanas (1911-1945)

Por: Adlene Silva Arantes.

2014 18/08/2014

Send to Kindle


Resumo

Buscamos nesta tese analisar as práticas de racialização às quais os alunos dos grupos escolares foram submetidos em Pernambuco no período de 1911 a 1945. A periodização aqui adotada tomou como referência inicial o momento de institucionalização dos grupos escolares em Pernambuco, enquanto que o marco final refere-se ao Estado Novo, período que foi marcado por uma preocupação mais acentuada do estado brasileiro em relação à definição da figura do homem brasileiro. Para tanto, foram elaborados muitos estudos antropométricos objetivando o estabelecimento do biótipo do escolar pernambucano. Tais estudos visavam criar turmas escolares homogêneas física e intelectualmente. Assim, as discussões em torno do higienismo e do pensamento eugênico se materializaram no universo escolar a partir das prescrições e normatizações que iam desde a construção das escolas até o seu funcionamento, marcando, portanto singularidades da cultura escolar especialmente no âmbito dos grupos escolares. Baseados nas discussões, comumente racializadas, a elite intelectual e política procurou explicar biologicamente o atraso pelo qual se encontrava a nação brasileira. Para tanto, a proposta apontada para sair daquela situação era a harmonização de um tipo nacional, buscando-se para isso o branqueamento da sociedade brasileira, ora de forma mais explicita ora mais velada. As teorias raciais foram revisitadas para definir esse modelo de homem por entendermos que as políticas destinadas à educação refletiram esse ideário. O Mito da democracia racial também contribuiu para o fortalecimento da necessidade de branqueamento da sociedade brasileira, só que desta feita pelo viés cultural e não mais pelo biológico. Utilizamos como fontes: leis, decretos, relatórios, regimentos, regulamentos e reformas da instrução pública, programas de ensino das escolas primárias, relatórios e jornais de grupos escolares, anuários estatísticos de ensino, mensagens de governadores sobre a educação, revistas do ensino, da área médica e de assuntos gerais, planos de aulas, jornais, teses de medicina, além da iconografia e de livros didáticos e não didáticos. Toda essa gama documental foi analisada teórica e metodologicamente sob a perspectiva da Nova História Cultural, nos aproximando mais especificamente do conceito de representação elaborado por Roger Chartier, além de estudos etnicorraciais e sobre história da educação no Brasil. Os resultados, revelaram que as reformas idealizadas por Ulysses Pernambucano, Carneiro Leão e Aníbal Bruno em Pernambuco objetivavam resolver o problema racial brasileiro . Para racializar a população escolar foi utilizada a classificação elaborada por Roquete-Pinto, que levava em consideração a cor da pele, a tonalidade dos olhos e as características do cabelo. Associado a isso a psicologia e a sociologia foram aliadas dos profissionais envolvidos com a educação, como foi o caso dos médicos escolares, das enfermeiras visitadoras e dos próprios professores. Vimos ainda que a cultura escolar contribuiu para estabelecer distinções raciais no sentido de garantir o progresso do país formando cidadãos saudáveis, regenerados e civilizados. Finalizamos o nosso estudo discutindo acerca do papel que teve a matéria de educação física no cenário nacional e local tendo em vista que as políticas de racialização, baseadas testes e medições antropométricas imprimiram a missão de revigorar a raça e garantir o estabelecimento de uma sociedade saudável fisica, intelectual e moralmente.

Endereço: http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/4802

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.