Produção Científica Sobre Atividades Circenses no Centro-oeste do Brasil no Período 2015-2020

Por: Deyvid Tenner de Souza Rizzo, Elias José Mendes Conceição Junior, Luis Bruno Godoy e Rogério Zaim-de-melo.

Lecturas: Educación Física y Deportes - v.25 - n.267 - 2020

Send to Kindle


Resumo

Em meados dos anos 2000, as atividades circenses passaram a figurar como tema de pesquisa na Educação Física brasileira, no entanto, grande parte desses estudos está centrada na região sudeste do país. Nesse contexto, o presente artigo objetiva apresentar um levantamento das produções científicas que abordam a atividade circense na região centro-oeste do Brasil. Para isso foi realizada uma revisão sistemática em duas bases de dados, utilizando descritores em português. Como critério de inclusão, instituiu-se artigos publicados no período de 2015 a 2020, em periódicos publicados em língua portuguesa. Foram encontrados 12 artigos de relevância para essa pesquisa, separados em 5 categorias; 1) circo como ferramenta pedagógica; 2) contribuições para o desenvolvimento da criatividade e expressão corporal; 3) formação continuada de professores; 4) formação do artista circense; 5) circo como manifestação capitalista. Mesmo sendo encontradas poucas produções em relação à região delimitada, pode-se notar que já começa a haver um aumento gradativo nas produções com essa temática. Com isso, existe um avanço no que diz respeito à pesquisa na área circense na região centro-oeste, visto que se trata de uma área do conhecimento pouco investigada em relação a outras.

Referências

Anunciato, I.B. (2018). Preparando a mochila: início da subida a montanha da palhaça. Anais ABRACE, 19 (1). Recuperado de: https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/abrace/article/view/4019

Ayala, D.J.P. (2008). O circo vai à escola: possibilidades de utilizar atividades circenses nas aulas de educação física escolar. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso). Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Ponta Porã. Recuperado de: https://es.slideshare.net/diegoayala1985/o-circo-vaiaescolapossibilidadesdeutilizar

Bauman, Zygmunt (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Bergamasco, J.G.P. (2006). Do circo para os semáforos das grandes cidades: um estudo sobre os malabaristas de rua e as relações com o lazer. In: Reunião anual da SBPC, 58, Florianópolis. Anais [...], Florianópolis.

Bolognesi, M. F. (2003). Palhaços. São Paulo: Ed. Unesp.

Bortoleto, M. A. C. (2008). Introdução à pedagogia das atividades circenses. Jundiaí SP: Fontoura.

Bortoleto, M. A. C. (2011). Atividades circenses: notas sobre a pedagogia da educação corporal e estética.Cadernos de Formação RBCE, p. 43-55. Recuperado de: http://revista.cbce.org.br/index.php/cadernos/article/view/1256

Caramês, A. S. et al. (2012). Atividades circenses no âmbito escolar enquanto manifestação de ludicidade e lazer. Motrivivência, 39, p.177-185. Recuperado de: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2012v24n39p177

Castro, A.V. (2005). O elogio da bobagem. Rio de Janeiro: Ed. Família Bastos.

Coletivo de Autores (2009). Metodologia do ensino da educação física. São Paulo: Cortez.

Dewey, J. (1976). Experiência e educação. São Paulo: Ed. Nacional.

Duprat, R. M. (2014). Realidades e particularidades da formação do profissional circense no Brasil: rumo a uma formação técnica e superior. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/275076?mode=full

Duprat, R. M., Bortoleto, M. A. C. (2007). Educação física escolar: pedagogia e didática das atividades circenses.Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, 28 (2), p. 171-189. Recuperado de: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/63

Duprat, R.M., Gallardo, J.S.P. (2010). Artes circenses no âmbito escolar. Ijuí: Ed. Unijuí.

Espiríto Santo, A.L., Nascimento, R. F., Almeida, R.B.F. (2016). Malabares: um olhar sobre a fronteira Brasil/Bolívia. Perspectiva Geográfica, 11, (15), p. 13-22. Recuperado de: http://e-revista.unioeste.br/index.php/pgeografica/article/view/16314/11076

Ferreira, D.L., Bortoleto, M.A.C., Silva, E. (2015). Segurança no circo: questão de prioridade. Várzea Paulista: Fontoura.

Godoy, L. B. (2019). Tensionando o sentido do agir: o clown e seu potencial criativo. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas). Universidade Estadual de Campinas, Limeira. Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/345823

Gonzáles, F.J., Darido, S. C., Oliveira, A.A.B. (2014). Ginástica, dança e atividades circenses. Maringá: Eduem.

Hungria, H.T., Santos, I.D., Paiva, I.J.L., Morais, R.A. (2017). Matemática no circo: aprimorando o conhecimento por meio da ludicidade. Anais do Encontro Goiano de Educação Matemática, 6 (6), p. 430-437. Recuperado de: http://www.sbem-go.com.br/anais/index.php/EnGEM/article/viewFile/54/52

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed.

Kronbauer, G.A., Nascimento, M.I.M. (2013). O circo e suas miragens: a escola nacional do circo e a história dos espetáculos na produção acadêmica brasileira. Revista HISTEDBR On-line, 52, p. 238-249. Recuperado de: https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640240

Medeiros, M. (2006). Metodologia da pesquisa na iniciação científica. Goiânia: E.V.

Minayo, M.C.S. (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Mota, M. P., Duque, T. (2018). Corpo e questões de gênero e sexualidade nas atividades circenses em uma escola de Corumbá-MS, Brasil. Educação Online, 13 (28), p. 39-59. Recuperado de: http://educacaoonline.edu.puc-rio.br/index.php/eduonline/article/view/395

Oliveira Torres, T.G., Dantas, R.A.E. (2017). Artes circenses: acrobacia coletiva como conteúdo da educação física escolar.Universitas: Ciências da Saúde, 15 (1), p. 1-7. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.5102/ucs.v15i1.4247

Ramos, B.A. (2016). As artes circenses na Educação Física escolar enquanto conteúdo da cultura corporal: suas contribuições para desenvolvimento da expressão corporal e criatividade. Ciclo Revista, 1 (2). Recuperado de: https://doi.org/10.5216/rp.v29i2.57117

Sadi, R.S. (2010). Pedagogia do esporte: descobrindo novos caminhos. São Paulo: Ícone Editora.

Santos, J. B. et al. (2017). Arte circense en los semáforos de Cuiabá-MT: trabajo informal que realiza y sustenta el artista. Revista Corpo-grafías, Estudios críticos de y desde los cuerpos, 4 (4), p. 184-197. Recuperado de: https://doi.org/10.14483/25909398.13671

Santos Munhões, L.C., Tiaen, M.S., Rizzo, D.T.S., Zaim-de-Melo, R. (2019). Atividades circenses no contraturno escolar: um estudo com estudantes do ensino médio. Lecturas: Educación Física y Deportes, 24 (255), p. 2-12. Recuperado de: https://efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/1370

Endereço: https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/2133

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.