Proposição de Equações Para a Estimativa da Gordura Corporal em Futebolistas

Por: Luiz Fernando Novack.

82 páginas. 2011 24/03/2011

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo teve como objetivo propor equações para predizer o componente de gordura em futebolistas, utilizando medidas antropométricas, tendo como indicador de referência informações associadas aos procedimentos de Absortometria de Raios-X de Dupla Energia (DXA). Participaram do estudo 31 futebolistas profissionais do gênero masculino vinculados a equipes da cidade de Curitiba e apresentavam em média idade 21,48±3,38 anos, massa corporal 79,05±9,49 kg, estatura 181,97±8,11cm e gordura corporal 13,68±4,22 %. Os atletas foram submetidos a avaliação das medidas antropométricas de peso corporal, estatura, circunferências, diâmetros ósseos, espessura de dobras cutâneas e exame de DXA como referência. Para o desenvolvimento das equações para a estimativa da gordura corporal foi realizada a técnica de regressão múltipla (stepwise, forward e backward). A variável dependente foi considerada o percentual de gordura corporal obtido pelo método DXA, e as variáveis independentes foram as combinações e somatórios das variáveis antropométricas que atingiram mais alta correlação com a variável dependente, não menores que 0,70. Além disso, foi verificada a validade de 40 modelos matemáticos já existentes na literatura, utilizando-se dos critérios sugeridos na literatura (LOHMAN, 1992): determinação de correlação múltipla (R), teste “t” pareado, erro constante (EC), erro total (ET), erro padrão de estimativa (EPE). Para o desenvolvimento dos modelos matemáticos, dentre todas as medidas antropométricas coletadas, somente as dobras cutâneas de peito, axilar média, abdômen e coxa foram utilizadas como variáveis independentes por apresentarem correlação superior a 0,70 com a variável dependente (DXA). Todos os 12 modelos matemáticos desenvolvidos no presente estudo, principalmente os modelos lineares, parecem possuir a capacidade de predizer a gordura corporal em futebolistas, porém antes de tal afirmação estas equações precisam ser validadas. Em relação a validação das 40 equações matemáticas já existentes na literatura, apesar de todas terem alcançado correlações fortes ou moderadas com o DXA, somente as equações Durnin & Rahman (1967): 1,161-0,0632 og(BI+TR+SE+SI); Forsyth & Sinning (1973): 10647-0,00162(SE)-0,00144(AB)-0,00077(TR)+0,000071(AX); Durnin & Womersley (1974): 1,1620-0,0630 Log(TR+BI+SI+SE); 1,1631-0,0630 Log(TR+SE+SI+BI); 1,1360-0,0700 Log(SE) e 1,1575-0,0617 Log(TR+SE+SI) e Eston et al (2005): 4,05+0,52(CX)+0,32(SI) atenderam todos os critérios de validação e foram validadas pelo método DXA em relação a população estudada, apresentando valores baixos de EC (entre -0,80 e 0,89); ET (<3,5%) e valores aceitáveis de EPE (<3,5%).

Endereço: http://hdl.handle.net/1884/25634

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.