Prospecção de Talentos Esportivos no Rugby: Um Estudo dos Indicadores de Desempenho Esportivo Para Jovens Escolares

Por: Eraldo dos Santos Pinheiro.

58 páginas. 2014 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

O objetivo da presente tese foi o de propor um modelo de identificação de características somatomotoras em escolares para a prospecção de possíveis talentos esportivos para o Rugby XV. Para tanto fizeram parte da amostra 195 escolares do sexo masculino com idades entre 16 e 17 anos e 32 atletas do sexo masculino da seleção brasileira de Rugby menores de 18 anos, subdividos em dois grupos Forwards (n=17) e Backs (n=15). Este estudo foi realizado a partir de uma base de dados de medidas e testes em escolares proveniente do Projeto Esporte Brasil (PROESP-Br) e da base de dados da Confederação Brasileira de Rugby. Os dados utilizados foram Estatura (E), Envergadura (EV), Massa Corporal (MC), Força Explosiva de Membros Inferiores (FEMI), Força Explosiva de Membros Superiores (FEMS), Velocidade (VEL), Agilidade (AGIL) e Aptidão Cardiorrespiratória (ACR). Para todos os grupos medidas e testes foram feitas conforme o protocolo da bateria de testes do PROESP-Br, com exceção da ACR dos atletas que foi através do Yoyo test. Para agrupar as unidades de ACR recorremos a equação de Bergmann et al. (2014) e Barnett et al. (1993) transformando as unidades em volume máximo de oxigênio (VO2máx.). Para analisar os dados recorremos à Análise da Função Discriminante (AFD). Para cumprir com os pressupostos da AFD utilizamos a ANOVA para identificar se os resultados eram diferentes entre os grupos. A primeira comparação foi entre os grupos de Forwards e de Backs através da ANOVA, todas as variáveis apresentaram diferenças estatísticas, com exceção FEMI. Na comparação entre Forwards e Escolares houve diferença estatisticamente significativa em todas as variáveis. Já quando comparamos Backs com Escolares não houve diferença somente na E e na EV. Os dados para comparação Forwards e Escolares demonstrou que a função foi significativa (p≤0,05), teve uma boa correlação canônica (0,687) e ainda apresentou um Lambda de Wilks médio (0,528), esse conjunto de informações direciona a afirmar que essa função tem um boa relação com as variáveis analisadas e difere com poder significativo os grupos estudados. A função de Backs e Escolares apresentou resultados semelhantes - (p≤0,05), correlação canônica (0,638) e Lambda de Wilk médio (0,593) tendo um desfecho igual ao grupo dos Fowards e Escolares. A analise dos coeficientes estandardizados que indicaram a MC, VO2máx. e a VEL como as variáveis que mais se destacam na discriminação Forwards e Escolares. O mesmo ocorre para Backs e Escolares. Os coeficientes estruturantes apresentam as variáveis em ordem hierárquica para os dois modelos, (1) Forwards e Escolares: MC, FEMS, VEL, AGIL, EV, E, VO2 máx., e FEMI; (2) Backs e Escolares: VEL, FEMS, AGIL, VO2 máx., FEMI, MC, E e EV. Os valores médios de cada grupo na função discriminante 1 foram: Fowards (3,188) e Escolares (-0,278). Na função discriminante 2 foram: Backs (2,974) e Escolares (-0,229). Assim, podemos considerar um sujeito com vocação motora quando o Y da equação [Y = (B1.X1) + (B2.X2) + (B3.X3) + (B4.X4) + (B5.X5) + (B6.X6) + (B7.X7) + (B8.X8) + C], for maior que 1,216 para Forward e maior que 1,418 para Backs, ao utilizarmos as respectivos modelos matemáticos. Conclui-se que, é possível identificar através de um modelo matemático quais são as variáveis que discriminam os sujeitos com características motoras semelhantes a de atletas de Rugby do grupo de Escolares.

Endereço: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/105133

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.