Protocolos de Testes Utilizados Para Avaliação de Parâmetros de Aptidão Física em Atletas de Taekwondo: Um Estudo de Revisão de Literatura

Por: Camilo Antonio Monteiro Bueno, Daniel Martínez-ávila e Jefferson Campos Lopes.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.26 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo


Devido à escassez de informações científicas sobre a aplicação de testes de avaliação da aptidão física e motora voltados para o taekwondo, este trabalho buscou, numa revisão de literatura, estudos específicos sobre a identificação e análise de parâmetros de controle de determinadas valências físicas deste esporte, assim como testes e/ou baterias sugeridas para os seus praticantes. O diagnóstico, monitoramento e controle destes parâmetros nos atletas, por parte do técnico esportivo e/ou preparadores físicos, utilizando testes de fácil aplicação para grandes grupos de praticantes, principalmente iniciantes, além de uma especificidade maior quando o atleta já se encontra em alto rendimento, podem servir para estes detectarem habilidades e limitações dos avaliados. Trabalhos demonstram o quanto a avaliação da aptidão física pode contribuir para o desempenho físico de um atleta, pois através de uma análise e diagnóstico, conseguimos obter parâmetros na prescrição e controle do treinamento, possibilitando um desenvolvimento maior das suas potencialidades físicas. Entretanto, este estudo nos mostra que os trabalhos relativos ao taekwondo têm se mostrado pouco satisfatórios, pois não encontramos uma padronização de testes e protocolos que pudessem compor uma bateria específica, a ser adotada para esta modalidade. Desse modo, este é um campo onde há muito que se pesquisar, para que se possa chegar a uma bateria de testes cientificamente embasada para os atletas praticantes de taekwondo.

Referências 1. Draeger DF, Smith RW. Comprehensive Asian Fighting Arts. New York: Kodansha International; 1980. 2. Marins JCB, Giannichi RS. Avaliação e prescrição de atividade física: guia prático. 3. ed. Rio de Janeiro: Shape; 2003. 3. Halperin I, Hughes S, Chapman DW. Physiological profile of a professional boxer preparing for Title Bout: A case study. Journal of Sports Sciences. 2016; 34(20): 1949-1956. 4. Bracht V. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Vitoria: UFES; 1997. 5. Pieter W, Heijmans J. Scientific coaching for Olympic taekwondo. 2. ed. Aachen (Germany): Meyer and Meyer Sport; 2000. 6. Bridge CA, Jones MA, Drust B. The activity profile in international taekwondo competition is modulated by weight category. International Journal of Sports Physiologic Performance. 2011; 6(3): 344-357. 7. Center for Control Disease and Prevention. CDC Growth Charts: United States. Disponível em http://www.cdc.gov/ growthcharts/cdcchartshtm [2015 jul 01]. 8. Guedes D. Manual prático para avaliação em educação física. São Paulo: Manole; 2006. 9. Kazemi M, Waalen J, Morgan C, White AR. A profile of Olympic taekwondo competitors. Journal of Sports Science and Medicine. 2006; 5: 114-121. 10. Sant’ana J, Fernandes F, Guglielmo LGA. Variáveis fisiológicas identificadas em teste progressivo específico para taekwondo. Revista motriz. 2009; 15(3): 611-620. 11. Kara M, Gökbel H, Bediz C, Ergene N, Uçok K, Uysal H. Determination of the heart rate deflection point by the Dmax method. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. 1996; 36(1): 31-34. 12. Haddad M, Chaouachi A, Wong DP, Castagna C, Chamaril K. Heart rate responses and training load during nonspecific and specific aerobic training in adolescent taekwondo athletes. Journal of Human Kinetics. 2011; 29: 59-66. 13. Antunez BF, Palermo Júnior J, Vecchio AHMD, Vecchio FBD. Perfil antropométrico e aptidão física de lutadores de elite de taekwondo. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. 2012; 10(3): 61-76. 14. Chung P, Ng G. Taekwondo training improves the neuromotor excitability and reaction of large and small muscles. Physical Therapy in Sports. 2012; 13: 163-169. 15. Estevan I, Jandacka D, Falco C. Effect of stance position on kick performance in taekwondo. Journal of Sports Sciences. 2013; 31(16): 1815-1822. 16. Silva VS. Efeito de um protocolo de fadiga no tempo de reação, tempo de resposta e impacto do chute semicircular de atletas de taekwondo. Florianopolis: UFSC; 2013. 17. Miziara IM, Silva BGD, Oliveira IM, Pereira AA, Naves ELM. Análise da concentração de lactato em atletas de taekwondo. XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica - CBEB 2014. Disponível em http://www.canal6. com.br/cbeb/2014/artigos/cbeb2014_submission_593.pdf. [2016 mar 05]. 18. Martínez Hernández LE, Pegueros Pérez A, Ortiz Alvarado A, Villar Morales AD, Flores VH, Pineda Villaseñor C. Valoración isocinética de la fuerza y balance muscular del aparato extensor y flexor de la rodilla en taekwondoines. Gaceta Médica de México. 2014; 150(3): 272-278. 19. Kim HB, Jung HC, Song JK, Chai JH, Lee EJ. A follow-up study on the physique, body composition, physical fitness, and isokinetic strength of female collegiate taekwondo athletes. Journal of Exercise Rehabilitation. 2015; 11(1): 57-64. 20. Gaya A, Lemos A, Gaya A, Teixeira D, Pinheiro E, Moreira R. Projeto Esporte Brasil PROESP-Br Manual de testes e avaliação Versão 2015. Disponível em https://www.ufrgs.br/proesp/arquivos/manual-proesp-br-2015.pdf. [2016 mar 05]. 21. Queiroga MR. Testes e medidas para avaliação da avaliação física relacionada à saúde em adultos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005
 

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/6707

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.