Qual o Papel do Greenkeeper em um Campo de Golfe?

Por: Marcos Pradas García e Marta García Tascón.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.6 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo é analizar o papel do jardineiro dentro dos campos de golfe, em função da revisão dos trabalhos científicos publicados em uma base de dados científicos. A forma de se revisitar e analisar os artefatos relacionados com o desporto de golfe e manera particular, con la figura del greenkeeper. Se identifan interesantes elements esenciales a tenant en cuenta sobre a figura do greenkeeper o encargado de mantenimiento del campo de golf. Esta revisão foi realizada em três periódicos temporais na base de dados científica Scopus, entre dezembro de 2012 e julho de 2014, outubro de setembro e dezembro de 2014 e uma nova revisão entre setembro de 2015 e março de 2016, em breve. . La información encontrada se ha clasificado en seis apartados, Você pode obter mais informações sobre os problemas relacionados com o cuidado dos verdes e as doenças que afetam os campos de golfe. Os grenkeepers deben buscam novas vías de explotación para que os campos de golfe se estipulem em condições perfeitas e rentáveis --

Allen, TW, Han, DY e Bowen, KL (2005). Efeito de características ambientais em Pythium e Mesocriconema spp. em campos de golfe no Alabama. Canadian Journal of Microbiology, 51 (4), 287-293. DOI: 10.1139 / w05-005

Allis, P. e Ferrier, B. (1991). Lo mejor del golf. Ediciones Tutor.

Asociación Española de Greenkeepers (2013). Diccionario de golf. Disponível em: http: // www. golfparatodos.com. [Consulta 17/09/2013].

Azuma, T., Niiro, M., & Motobu, H. (1994). Remoção de pesticidas de águas residuais em campos de golfe usando plantas (remoção por feijão mungo; Phaseolus radiatus L). Materiais biomédicos e engenharia, 4 (2), 127-137. DOI: 10.3233 / BME-1994-4208

Baldwin, CM, Liu, H. e Brown, PJ (2006). Efeitos do ângulo de entrada do dente do núcleo de cultivo em putting greens. HortTechnology, 16 (2), 265-269.

Candela, L., Fabregat, S., Josa, A., & Mas, J. (2003). Reuso de efluentes urbanos tratados para irrigação de um campo de golfe e impactos no solo e águas subterrâneas. Publicação IAHS-AISH (285), 41-47.

Choi, J. e Kwon, YH (2006). Estudo comparativo sobre a avaliação do impacto ambiental do desenvolvimento de campos de golfe entre a Coréia e a China. Paisagem e Engenharia Ecológica, 2 (1), 21-29. DOI: 10.1007 / s11355-006-0034-4

Codina, L. (2005). Scopus: o navegador principal científico da web. Disponível em: http: // www. elprofesionaldelainformación.com. [Consulta 10/4/2013].

Costa, M., Beltrão, J., de Brito, JC e Guerrero, C. (2011). Resposta da qualidade de plantas de relvado a diferentes regimes hídricos. WSEAS Transactions on Environment and Development 7 (6), 167-176.

Del Pobil, FP (2001). O básico (ilustrado) de cada regla de golfe e um pouquinho mais. Epígono- De Cervantes Ediciones. Alicante.

Elliott, ML, & Des Jardin, EA (2001). Efeitos de fumigação em populações bacterianas em campos de golf novos campos de golfe. Soil Biology and Biochemistry 33 (12-13), 1841-1849.

Espevig, T., & Aamlid, TS (2012). Efeitos da composição radicular e do regime de irrigação no desempenho de verduras de veludo. I. Qualidade do relvado, repelência da água do solo e lixiviação de nutrientes. Acta Agriculturae Scandinavica Seção B: Ciência do Solo e da Planta 62 (SUPPL.1), 96-10. Disponible en http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09064710.2012.681056

Estevez, E., Cabrera, MC, Fernandez-Vera, JR, Hernandez-Moreno, JM, Mendoza-Grimon, V., e Palacios-Diaz, MP (2010). Vinte e cinco anos usando água recuperada para irrigar um campo de golfe em Gran Canaria. Revista Espanhola de Pesquisa Agropecuária, 8 (SUPPL. 2), S95-S101. DOI: 10.5424 / sjar / 201008S2-1353

Gange, AC, Lindsay, DE e Schofield, JM (2003). A ecologia dos campos de golfe. Biologist, 50 (2), 63-68. Disponível em http://www.ecossistemas.com/The_egology_of_golf_courses.pdf

Giordano, PR, Nikolai, TA, Hammerschmidt, R. e Vargas Jr., JM (2012). Sincronismo e efeitos de freqüência de rolamento leve na doença do ponto do dólar em bentgrass rastejando putting greens. Crop Science, 52 (3), 1371-1378.

Gómez-Lama, M., Priego, R., Recio, JM e Berbel, J. (1994). Valorização ambiental dos campos de golfe da Andaluzia. Serviço de Publicações da Universidade de Córdoba.

Jiang, H., Fry, JD e Wiest, SC (1998). Em requisitos de água para gramados em um campo de golfe. HortScience, 33 (4), 689-691. Disponível em: http://hortsci.ashspublications.org/content/33/4/689.short

Graves, RM (1979). Projeto de campo de golfe para uso de água efluente. Fonderie, 33-39.

Jo, YK, Niver, AL, Rimelspach, JW e Boehm, MJ (2006). Sensibilidade fungicida de Sclerotinia homoeocarpa de campos de golfe em Ohio. Plant Disease, 90 (6), 807-813.

Jordan, KS, & Mitkowski, NA (2006). Dinâmica populacional de nematoides parasitas de plantas em gramados de campos de golfe no sul da Nova Inglaterra. Plant Disease, 90 (4), 501-505.

Koch, A. (1998). Desenvolvimento de indicadores de desempenho ambiental para os clubes de golfe europeus. Tese de Mestrado em Gestão Ambiental e Política. Instituto Internacional de Economia Ambiental Industrial na Universidade de Lund.

López-Bellido, RJ, López-Bellido, L., Fernández-Garcia, P., López-Bellido, JM, Muñoz-Romero, V., López-Bellido, PJ, & Calvache, S. (2012). Diagnóstico remoto do nitrogênio em um verde do golfe do bentgrass do rastejamento. Revista Européia de Agronomia, 37 (1), 23-30. Doi: 10.1016 / j.eja.2011.10.001

Lovera, R. (2010). Caracterização geológica dos verdes de um campo de golfe regado com água regenerada. Aproximação textural e hidrológica. Doutorado em Tese. Universitat de Barcelona.

Marín, CE, & Valiente, GC (2011). Políticas espanholas sobre o uso de recursos hídricos em campos de golfe | Política de usos da água nos campos de golfe na Espanha. Documentos d'Analisi Geografica, 57 (2), 255-277.

McElroy, JS, Yelverton, FH e Warren Jr., LS (2004). Controle de kyllinga verde e falso-verde (Kyllinga brevifolia e K. gracillima) em fairways de campo de golfe e roughs. Absorção, translocação e metabolismo de halosulfuron e trifloxysulfuron em kyllinga verde (Kyllinga brevifolia) e kyllinga verde-falsa (K. gracillima). Weed Technology, 19 (4), 824-829. doi: http://dx.doi.org/10.1614/WS-03-133R

Mills, CW (2005). Revestimentos de bunker geossintéticos: Uma metodologia de projeto proposta para melhoria do campo de golfe. Publicao Especial Geotnica (130-142), 3595-3604.

Miltner, ED, Stahnke, GK, Rinehart, GJ e Backman, PA (2005). Semeando de bluegrass rastejando em campo de golfe existente que põe verdes. HortScience, 40 (2), 457-459.

Mills, CW (2005). Revestimentos de bunker geossintéticos: Uma metodologia de projeto proposta para melhoria do campo de golfe. Publicao Especial Geotnica (130-142), 3595-3604. DOI http://dx.doi.org/10.1061/40789(168)31#sthash.Ri2AdVJx.dpuf

Mitkowski, NA, Browning, M., Basu, C., Jordan, K., & Jackson, N. (2005). Patogenicidade de Xanthomonas translucens do Bluegrass Anual no Campo de Golfe Colocando Verdes. Plant Disease, 89 (5), 469-473.

Mujeriego, R., & Sala, L. (1991). Irrigação do campo de golfe com águas residuais recuperadas. Ciência e Tecnologia da Água, 24 (9), 161-171. Disponível em http://wst.iwaponline.com/content/24/9/161

Qian, YL e Mecham, B. (2005). Efeitos a longo prazo da irrigação com águas residuais recicladas nas propriedades químicas do solo em fairways de campos de golfe. Agronomy Journal, 97 (3), 717-721.

Paníza, JL (2005). A percepção social do golfe na Andaluzia. Málaga: Consejería de Comercio, Turismo y Deporte.

Pradas, M. (2016). Análise da qualidade dos serviços prestados dos clientes internos e externos dos campos de golfe na Andaluzia. Doutorado em Tese. Universidad Pablo Olavide, Sevilla (España).

Reicher, ZJ e Hardebeck, GA (2002). Estratégias de overseeding para converter fairways de campos de golfe em bentgrass rastejantes. HortScience, 37 (3), 508-510. Disponível em http://hortsci.ashspublications.org/content/37/3/508.short

Riquel FJ, & Vargas, A. (2013). Um modelo de resposta ecológica dos campos de golfe andaluces. En: Camacho, JA y Jiménez, Y. (eds.). Desarrollo Regional Sostenible en tiempos de crisis, (pp. 271-288). Granada: Ed. Universidad de Granada.

Robinson, J. Heyward, P., Snyder, RH & Stephen, T. (1991). Preocupações de desenvolvimento do campo de golfe na gestão da zona costeira. Zona Costeira: Anais do Simpósio sobre Gestão Costeira e Oceânica, 1, 431-443. Disponível em http://cedb.asce.org/CEDBsearch/record.jsp?dockey=0071365

Rodriguez, IR, McCarty, LB e Toler, JE (2005). Efeitos do movimento do ar de nebulização e subsuperfície em greens de vergalhão. Agronomy Journal, 97 (5), 1438-1442. Doi: 10.2134 / agronj2004.0302

Rodríguez-Díaz, JA, Weatherhead, EK, Garcia Morillo, J., & Knox, JW (2011). Avaliação comparativa do uso da água de irrigação nos campos de golfe - Um estudo de caso em Espanha. Irrigation and Drainage, 60 (3), 381-392.

Roulston, L. (2006). Esverdear os campos de golfe. BioCycle, 47 (7), 38-40. Disponible en http://cat.inist.fr/?aModele=afficheN&cpsidt=17986898

Sanchez, J. (2012). Efectos sócio-económicos relacionados com a implantação de um campo de golfe. Caso de la Faisanera Golf Segovia. Universidade de Valladolid. Faculdade de Ciências Sociais, Jurídicas e da Comunicação

Shaddox, TW, & Sartain, JB (2001). Destino do nitrogênio durante o crescimento de um campo de golfe sob diferentes práticas de manejo de nitrogênio. Proceedings Anuais Soil and Crop Science Society da Flórida, 60, 59-63.

Simard, L., Bélair, G., Gosselin, ME e Dionne, J. (2006). Virulência dos nematóides entomopatogênicos (Rhabditida: Steinernematidae, Heterorhabditidae) contra Tipula paludosa (Diptera: Tipulidae), uma praga gramado em campos de golfe. Biocontrol Science and Technology, 16 (8), 789-801.

Simard, L., Brodeur, J., Gelhaus, J., Taschereau, e., & Dionne, J. (2006). Emergência de uma nova praga de gramado em campos de golfe em Quebec, a mosca-europeia [Diptera: Tipulidae]. Phytoprotection, 87 (1), 43-45. DOI 10.7202 / 013969ar

Smith, AE, & Bridges, DC (1996). Circulação de certos herbicidas após aplicação a campos de golfe simulados e fairways. Crop Science, 36 (6), 1439-1445.

Snyder, RH, Sartain, JB, Cisar, JL, Nkedi-Kizza, P., Harris, WG e Brown, MA (2001). Investigação de areias revestidas para uso em construções verdes. Proceedings Anuais Soil and Crop Science Society da Flórida, 60, 72-81.

Tanner, RA, & Gange, AC (2005). Efeitos dos campos de golfe na biodiversidade local. Landscape and Urban Planning, 71 (2-4), 137-146.

Turespaña, Aymerich Golf management e International Golf Travel Market (2005). Estudios sobre turismo de golfe. Madri: Real Federação Espanhola de Golfe. Disponível em http://www.rfegolf.es/Noticias/NewsDetails.aspx?NewsId=2422

Villar, A. (2008). Los espacios de golf en el litoral de Andalucía: Patrones espaciais y evolución en el período 1998-2004. Ería: Revista cuatrimestral de geografía, 76, 247-266. Disponível em https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/2783156.pdf

Williams, BT, Kruse, JK, Unruh, JB e Sartain, JB (2011). Um método aprimorado de rastrear a recuperação de divisões em gramado. Crop Science, 51 (5), 2194-2198. doi: 10.2135 / cropsci2010.11.0647

Winter, JG, Dillon, PJ, Paterson, C., Reid, RA, e Somers, KM (2003). Impactos da construção e operação de campos de golfe em riachos de cabeceiras: Bioavaliação com algas bentônicas. Canadian Journal of Botany, 81 (8), 848-858. DOI: 10.1139 / b03-081

Yasuda, M. & Koike, F. (2006). Os campos de golfe são um refúgio para a flora e a fauna nas paisagens urbanas japonesas ?. Landscape and Urban Planning, 75 (1-2), 58-68. DOI: 10.1016 / j.landurbplan.2004.12.004

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/229

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.