Qualidade de Vida e Força de Preensão Manual de Pacientes com Hiv Diagnosticados com Neurotoxoplasmose

Por: Cíntia Naira Souza de Lima, Kerolen Tayla Lima Fernandes, Luiz Fernando Gouvêa-e-silva, Marília Brasil Xavier e Silvânia Yukiko Lins Takanashi.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


Resumo

A epidemia de HIV / AIDS continua a ser um grande problema de saúde pública e, quando há pouca adesão ao tratamento, os pacientes se tornam suscetíveis a outras infecções, como a toxoplasmose. O objetivo deste estudo foi avaliar a força de preensão manual e a qualidade de vida de pacientes infectados pelo HIV diagnosticados com neurotoxoplasmose. Foi realizado um estudo transversal com 40 pacientes infectados pelo HIV, com e sem diagnóstico de neuroxoplasmose. As informações sociodemográficas e do perfil clínico foram coletadas e a força de preensão manual e a qualidade de vida foram avaliadas. Quase todos os pacientes de ambos os grupos usaram terapia anti-retroviral. Na avaliação da força de preensão manual, não foi observada diferença estatística para a mão direita e esquerda entre os grupos com e sem neurotoxoplasmose (p> 0,05). Contudo, a classificação da força inadequada de preensão manual no grupo neurotoxoplasmose foi significativamente maior. No domínio qualidade de vida, observou-se que a preocupação financeira apresentou escores mais baixos no grupo com neurotoxoplasmose (p = 0,0379). Observou-se que a neurotoxoplasmose não mostrou associação com variáveis ​​epidemiológicas, clínicas, força de preensão manual e qualidade de vida. No entanto, pacientes com neurotoxoplasmose mostraram uma tendência à menor força muscular.

Referências

Brasil, Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico AIDS e IST. Brasília, 2017. Disponível em: [19/12/2017].

Bavinger C, Bendavid E, Niehaus K, Olshen RA, Olkin I, Sundaram V, et al. Risco de doença cardiovascular por terapia anti-retroviral para HIV: uma revisão sistemática. Plos one 2013; 8 (3): e595-51.

Santos IP, Martins FS, Rech G, Rosa BL, Borba Júnior AM. Déficit neurológico focal e confusão mental no paciente imunossuprimido. Rev Epidemiol Control Infect 2013; 3 (3): 108-9.

Soares MT, Pinheiro JBF, Freitas CHSM, Smith AZF, Moreira EFR. Prevalência de coinfecções em pacientes notificados com Aids no Centro de Referência na Paraíba. Rev Bras Ciênc Saúde 2014; 18 (Supl. 1): 5-12.

Alferes DC, Ribeiro MA. Toxoplasmose cerebral: um caso clínico. Rev Científica Acad Força Aérea 2012; (2): 96-111.

Bauer LO, Ceballos NA, Shanley JD. Disfunção sensório-motora no HIV / AIDS: efeitos do tratamento antirretroviral e distúrbios comórbidos. AIDS 2005; 19 (1): 495–502.

Van ASM, Myezwa H, Stewart A. A Classificação Internacional de Incapacidade e Saúde da Função (CIF) em adultos que visitam o ambulatório de HIV em um hospital regional em Joanesburgo, África do Sul. AIDS Care 2009; 21: 50–58.

Bopp CM, Phillips KD, Fulk LJ, Hand GA. Implicações clínicas do exercício terapêutico no HIV / AIDS. J Assoc Nurses AIDS Care 2003; 14 (1): 73-8.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST e Aids e Hepatites Virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para adultos vivendo com HIV / AIDS. Brasília (DF): Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2013/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-manejo-da-infeccao-pelo-hiv-em- adultos> [05/02/2017].

Fernandes Filho J. A prática da avaliação física. 2.ed. Rio de Janeiro: Forma. 2003.

Holmes WC, Shea JA. Um novo instrumento de qualidade de vida direcionado ao HIV / Aids (HAT-QoL). Desenvolvimento, confiabilidade e validade. Med Care 1998; 36 (2): 138-54.

PC de Soárez, Castelo A, Abrão P, WC Holmes, Ciconelli RM. Tradução e validação de um questionário de avaliação de qualidade de vida em Aids no Brasil. Rev PanamSalud Publica 2009; 25 (1): 69-76.

Caporrino FA, Faloppa F, Santos JBG, Réssio C, Soares FHC, Nakachima LR, et al. Estudo populacional da força de preensão palmar com dinamômetro JAMAR. Rev Bras Ortopedia 1998; 33 (2): 150-154.

Scherzer R, Heymsfield SB, Lee D, Powderly WG, Tien PC, Bacchetti P, et al. Diminuição do músculo dos membros e aumento da adiposidade central estão associados a 5 anos, todos causando mortalidade na infecção pelo HIV. AIDS 2011; 25: 1405-1414.

Araújo TM, Barros LM, Caetano JA, Moreira RAN, Frota NM, Feitosa ACL, et al. Neurotoxoplasmose em pacientes com HIV / Aids internados em unidade de terapia intensiva. Rev enferm UFPE 2012; 6 (5): 1046-52.

Gouvêa-e-Silva LF, Lima, DD, Alves, MRS, Xavier, MB. Risco cardiovascular em pessoas vivendo com HIV / Aids e sua associação com o nível de atividade física e o tempo de terapia antirretroviral. In: Meneguetti DUO, Silva RPM, organizadores. Ciência da Saúde na Amazônia Ocidental. Rio Branco, Acre: Stricto Sensu; 2019. p.64-79.

Brasil, Ministério da Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para infecção por HIV em adultos. Brasília (DF): Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2013/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-manejo-da-infeccao-pelo-hiv-em- adultos> [14/04/2017].

Fukumoto AECG, Oliveira CC, Tasca KI, Souza LR. Evolução de pacientes com aids após cART: evolução clínica e laboratorial de pacientes com aids após 48 semanas de tratamento antirretroviral. Rev Inst Med Trop São Paulo 2013; 55 (4): 267-273.

Chimelli L, Rosemberg S, Hahn MD, Lopes MB, Netto MB. Patologia do sistema nervoso central em pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV): relato de 252 casos de autópsia no Brasil. Neuropath Appl Neurobiol 1992; 18: 478-488.

Xavier GA, Cademartori BG, Cunha Filho NA, Farias NAR. Avaliação soroepidemiológica de toxoplasmose em pacientes HIV / SIDA no sul do Brasil. Rev Inst Med Trop São Paulo 2013; 55 (1): 25-30.

Vidal JE, Hernandez AV, Oliveira ACP, Dauar RF, Barbosa Junior SP, Focaccia R. Toxoplasmose cerebral em pacientes HIV positivos no Brasil: características clínicas e preditores de resposta ao tratamento na era HAART. AIDS Patient Care STDS 2005; 19 (10): 626-634.

Abgrall S, Rabaud C, Costagliola D. Incidência e fatores de risco para encefalite toxoplasmática em pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana antes e durante a era da terapia antirretroviral altamente ativa. Clin Infect Dis 2017; 33: 1747-55.

Raso V, Shephard RJ, Casseb JSR, Duarte AJS, Silva PRS, Greve JM, et al. Associação entre força muscular e estado cardiopulmonar de indivíduos vivendo com HIV / Aids. Clinics 2013; 68 (3): 359-364.

Amorim TB, Santana EP, Santos KOB. Perfil Sintomatológico de indivíduos com HIV / AIDS em um setor de fisioterapia. Fisioter mov 2017; 30 (1): 107-114.

Hoffmann C, Ernst M, Meyer P, Wolf E, Rosenkranz T, Plettenberg A, et al. Características evolutivas da toxoplasmose em pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana-1: curso clínico e respostas imunes específicas para Toxoplasma gondii. Clin Microbiol Infect 2007; 13: 510-515.

Martin-Iguacel R, Ahlstrom MG, Touma M, Engsig FN, Staerke NB, Staerke M et al. Incidência, apresentação e resultado de toxoplasmose no HIV infectado na era da terapia antirretroviral combinada. J Infect 2017; 75: 263-273.

Chiou PY, Kuo BI, Lee MB, Chen YM, Chuang P, Lin LC. Programa de gerenciamento de sintomas para melhorar a qualidade de vida e a adesão a medicamentos em pacientes com AIDS / HIV. J Adv Nurs 2006; 55 (2): 169-9.

Galvão MTG, Cerqueira ATAR, Marcondes-Machado J. Avaliação da qualidade de vida das mulheres HIV / Aids através do HAT-QoL. Cad Saude Publica 2004; 20 (2): 430-437.

Lopes PSD, Silva MMG, Torres IC, Stadnik CMB. Qualidade de vida dos pacientes HIV positivo com mais de 50 anos. Rev AMRIGS 2011; 55 (4): 356-360.

 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e59185

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.