Quantificação de Carga Interna de Treinamento e Marcadores Fisiológicos em Atletas de Goalball

Por: Juliana Jacques Pastório.

132 páginas. 2013 14/02/2013

Send to Kindle


Resumo

Resumo: A carga interna de treinamento pode variar entre atletas, de acordo com a percepção em treino. A relação entre carga de treinamento, marcadores fisiológicos e as alterações em atletas de Goalball ainda não foi estudada. O trabalho teve como objetivo quantificar de carga interna de treinamento para deficientes visuais e analisar respectivamente a demanda fisiológica em treinos da modalidade Goalball. 9 sujeitos no artigo 1 e 5 sujeitos no artigo 2, submetidos a uma anamnese e coletas em treino. As cargas foram quantificadas por meio dos métodos da PSE da sessão) e EdwardsTL Coletas de sangue e saliva realizados para analise de cortisol e osmolaridade salivar, proteínas totais (pré e pós), lactato sanguíneo ( pré, pós 3 e 7 minutos após), IL 6 e TNF- (pré pós e 30 minutos após). Foi feita estatística descritiva, testada a normalidade dos dados pelo teste de Shapiro-wilk e homogeneidade pelo teste de Levene. Utilizado Anova de medidas repetidas e Friedman, t de Student , Wilcoxon, correlação de Pearson, Spearman, além de Bland-Altman. Significância adotada em p<0,05.Para cortisol, osmolaridade salivar e proteínas totais foi encontrada diferença significativa entre momentos pré e pós. Os valores médios de lactato encontrados para os momentos pré, pós e minutos 3 e 7 foram respectivamente: 1,56 mmol.L-1± 0,88; 3,30 mmol.L-1 ± 1,3); 3,18 mmol.L-1 ± 1,62; 2,88 mmol.L-1 ± 1,51. Com relação IL6 e TNF- os valores encontrados se mostraram mais altos no pós-treino: 29,40 pg/ml (23,40 -51,20) e 7,5 pg/ml (6,2 - 10,50) respectivamente. As correlações entre IL 6 e TNF- e proteínas totais se mostraram fortes. A PSE da sessão foi quantificada em 242,65 ±46,03 U.A. O lactato sanguíneo apresentou valores de pico nos treinos 1 (3,49±1,10 mmol.L1); 2(3,83±1,08 mmol.L1) e 3 (3,21±0,61 mmol.L1). Pelo método de EDWARDSTL os valores encontrados para treino 1, 2 e 3 foram respectivamente: 166,1 U.A ± 16,1,165,8 U.A ±30,5 e 163,2 U.A ±18,1. Através do método da PSE da sessão foram no treino 1: 273,6 U.A ± 64,9, treino 2: 215,1 U.A ± 45, treino 3: 234,4 U.A ± 77,1. Foram encontradas correlações entre PSE e TRIMP no treino 1 (r=0,63) e 3 (r=0,76) e baixa concordância entre os métodos. Os treinos da modalidade Goalball analisados se caracterizaram com alta monotonia e de intensidade baixa e mediana e baixos valores de lactado. Os métodos de quantificação de cargas de treino mostraram correlação média e forte entre si, sendo capazes de uma quantificação de cargas de treino de forma eficaz na modalidade Goalball porém mostraram baixa concordância entre si. Isto também pode ser observado nas variáveis salivares e sanguíneas analisadas. Desta forma se faz necessária a quantificação de cargas de treino e variáveis fisiológicas em jogo para que se possa adequar as cargas do treinamento as exigências da modalidade.

Endereço: http://nou-rau.uem.br/nou-rau/document/?code=vtls000204961

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.