Quanto Tempo de Prática de Atividades Físicas no Lazer Antes do Ingresso na Universidade Melhor Discrimina a Prática de Atividades Físicas no Lazer Durante o Período da Universidade?

Por: Aline Rodrigues Barbosa, Giseli Minatto, e Thiago Ferreira de Sousa.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.2 - n.1 - 2014

Send to Kindle


Resumo

Introdução: a continuidade da prática de atividades físicas no lazer em todas as fases da vida é essencial na promoção de potenciais benefícios à saúde. Objetivo: selecionar os melhores pontos de corte do tempo de prática de atividades físicas no lazer antes do ingresso na universidade que discriminam a prática de atividades físicas no lazer durante a universidade. Procedimentos metodológicos: Estudo transversal realizado com amostra representativa de 1.084 estudantes universitários de uma universidade pública. Os melhores pontos de corte do tempo de prática, em meses, de atividades físicas no lazer de intensidades moderadas e vigorosas, antes do ingresso na universidade, foram testados em relação à prática de atividade física no lazer durante a universidade, por meio das áreas sob a curva ROC e complementados pelos os respectivos valores de sensibilidade e especificidade. Resultados: Para os homens, o tempo de prática pregressa de atividade física no lazer de intensidade vigorosa discriminou melhor a prática atual (ponto de corte de 26 meses) e, em mulheres, a prática pregressa de atividades físicas moderadas e vigorosas apresentaram pontos de corte semelhantes, seis e cinco meses, respectivamente. Conclusão: a prática de atividades físicas pregressas no lazer de intensidade vigorosa discriminou melhor a prática atual de atividades físicas no lazer em homens, sendo o ponto de corte maior que dois anos e, em mulheres, a prática pregressa de atividades físicas no lazer de intensidade moderada e vigorosa, por até seis meses foram os pontos de corte que melhor discriminaram a prática atual.

Referências

Lee I, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet 2012;380(9838):219-29.

Tassitano RM, Bezerra J, Tenório MCM, Colares V, Barros MVG, Hallal PC. Atividade física em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2007;9(1):55-60.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet 2012;380(9838):247-57.

Telama R, Yang X, Viikari J, Välimäki I, Wanne O, Raitakari O. physical activity from childhood to adulthood a 21-year tracking study. Am J Prev Med 2005;28(3):267-73.

Hallal PC, Victora CG, Azevedo MR, Wells JCK. Adolescent physical activity and health: a systematic review. Sports Med 2006;36(12):1019-30.

Sousa TF. Inatividade física em universitários brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Cienc Saúde (IMES) 2011; 9(29): 47-55.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da educação superior 2010. 2011. Disponível em: . Acesso em 7 de novembro de 2011.

Luiz RR, Magnanini MF. A lógica da determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cad Saúde Coletiva 2000; 8(2): 9-28.

Ainsworth BE, Haskell WL, Herrmann SD, Meckes N, Bassett Jr DR, Tudor-Locke C, et al. Compendium of physical activities: a second update of codes and MET values. Med Sci Sports Exerc 2011;43(8):1575-1581.

Tammelin T, Näyhä S, Hills AP, Järvelin M. Adolescent participation in sports and adult physical activity. Am J Prev Med 2003;24(1):22-8.

Azevedo MR, Araújo CL, Silva MC, Hallal PC. Tracking of physical activity from adolescence to adulthood: a population-based study. Rev Saúde Pública 2007;41(1):69-75.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/250

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.