Realidade Virtual Não Imersiva: Contribuição do Jogo de Videogame Como Recurso Pedagógico nas Aulas de Educação Física

Por: Fernanda Carolina Toledo da Silva.

135 páginas. 2014 03/02/2014

Send to Kindle


Resumo

A escola inclusiva deve se organizar para receber os alunos com deficiência, deve haver eliminação de barreiras arquitetônicas, os currículos devem ser adequados, assim como metodologias de ensino, recursos didáticos, materiais e sistemas de avaliação para esses alunos. O professor de Educação Física deverá elaborar jogos adequados aos alunos com deficiência, incentivando a aquisição de um novo repertório de movimentos, mas sem subestimá-los. Ele também pode adaptar recursos a fim de facilitar a execução da atividade pelo aluno com deficiência nas aulas, pois o recurso estimula a participação desse aluno. Dessa maneira, é possível pensar na utilização de novos recursos nas atividades realizadas nas aulas de Educação Física, como, por exemplo, o vídeo game, que tem sido cada vez mais utilizado pelos jovens. O objetivo deste estudo foi analisar a contribuição dos jogos de vídeo game como recurso pedagógico na aula de Educação Física. O estudo foi desenvolvido em quatro etapas: 1) elaboração dos instrumentos para a coleta de dados; 2) planejamento das aulas de educação física e do protocolo de instrução dos jogos, em conjunto com o professor responsável pela sala; 3) realização das aulas de educação física; 4) realização das entrevistas com o professor de Educação Física e com o aluno deficiente físico. Os dados coletados por meio das entrevistas coletivas foram tratados e analisados segundo a análise de conteúdo e, posteriormente, realizada a triangulação dos dados com as informações do diário de campo. As entrevistas realizadas com o professor de Educação Física e com o aluno deficiente físico foram tratadas e analisadas de acordo com a análise de conteúdo. A partir da triangulação dos dados das entrevistas coletivas e do registro no diário de campo as informações foram organizadas em documento único em forma de quadros que continham as informações de cada aula, apresentando resultados em relação à: 1) descrições de cada aula; 2) avaliações das aulas, pontos positivos e negativos; 3) sugestões para as aulas. A entrevista com o professor de Educação Física resultou em seis categorias, com subcategorias: 1) Adequação das aulas de Educação Física para o aluno deficiente físico; 2) Utilização do vídeo game no ambiente escolar; 3) Avaliação das aulas de Educação Física com vídeo game; 4) Participação dos alunos nas aulas de Educação Física com vídeo game; 5) Contribuições do uso do vídeo game; 6) Implicações futuras para o uso do vídeo game. A entrevista do aluno com deficiência física resultou em cinco categorias com subcategorias: 1) Aulas de Educação Física; 2) Experiência com vídeo games; 3) Experiência com Nintendo Wii; 4) Utilização do vídeo game nas aulas de Educação Física; 5) Auxílio para o uso do vídeo game. Concluiu-se que o uso do vídeo game nas aulas de Educação Física associado ao desenvolvimento das atividades em circuito contribuiu para a participação de todos os alunos, assim como para a participação ativa do aluno com deficiência física, em todas as atividades e em todos os momentos das aulas.

Endereço: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=150066

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.