Receita Para Se Detonar Uma Política Pública

Por: .

Blog do Bramante - 2014

Send to Kindle


Amigos:
Confesso que gostaria de iniciar o ano com uma boa notícia, mas os fatos não me permitem. Embora o relato a seguir sejas de uma situação local, muito provavelmente o mesmo já aconteceu em outras cidades brasileiras.
Ao receber o jornal “Cruzeiro do Sul” na manhã de hoje leio a seguinte manchete: “SEM OPÇÃO – O projeto Super Férias – criado há 35 anos com o nome Férias Quentes – que levava lazer às crianças durante o recesso escolar, deixou de existir. A última edição foi em janeiro do ano passado, quando era coordenado pela Secretaria da Cultura. Agora, sob a responsabilidade da Secretaria de Esportes, foi descontinuado”.
Foi em meados de 1976 que o Professor Djalma Clarim, então presidente da Comissão Central de Esportes da Prefeitura de Sorocaba (na época comandada pelo Dr. Armando Pannunzio, pai do nosso atual prefeito), me convidou para elaborar um documento que viria a ser uma das primeiras políticas públicas de lazer do país. A partir do ano seguinte, quando Dr. Theodoro Mendes venceu a eleição municipal e convidou Prof. Luiz Almeida Marins Filho para ser o secretário de Educação e Saúde fui convidado para ser o chefe da Divisão de Educação e Recreação Infantil (DERI), que cuidava do sistema pré-escolar da cidade, mas especialmente para formular o “Plano Setorial de Lazer 1977-80”. Nesse plano estavam contidas ações permanentes, de apoio e de impacto, todas elas interligadas e voltadas para os diversos segmentos da população, abrangendo os distintos conteúdos culturais do lazer, já dentro de uma visão moderna interdisciplinar do lazer, o que hoje chamamos de transversalidade das políticas públicas. As ações de impacto eram programadas uma por mês. Para janeiro, criamos o projeto “Férias Quentes” e para julho, “Férias Felizes”. O objetivo desses projetos era oferecer à população infantil da cidade em férias oportunidades de vivência do lazer sócio educativo durante duas semanas. O impacto da primeira edição das “Férias Quentes” realizada em janeiro de 1978 foi tão grande que nos obrigou a manter esse mesmo nome para a de julho e assim permaneceu ao longo de muitos anos.
Esse projeto começou, de forma experimental, nos quatro centros esportivos da cidade, com a coordenação de um pequeno grupo de profissionais e um grande número de jovens voluntários que eram preparados para essa ação, dentro de um programa de estágio obrigatório. Com o desenvolvimento do projeto começamos a perceber que tão importante quanto para as crianças o mesmo tinha um valor extraordinário na formação dos jovens que nos ajudavam a realizá-lo. Com isso formulamos outro programa dedicado à formação de voluntários jovens ao longo do ano para atuar não só nas Férias Quentes como em outras atividades de lazer da municipalidade. Lembro-me que no início da década passada, quando fui secretário de Esportes e Lazer da cidade, atendíamos mais três mil crianças em 17 locais, com mais de 200 jovens voluntários nas Férias Quentes!
Para minha decepção, o primeiro ato de desmobilização desse projeto foi a alteração do seu nome, (re)conhecido pela comunidade por mais de 30 anos como Férias Quentes para “Super Férias”. Agora, a “pá de cal”, ou seja a sua extinção neste ano, foi dado com o uma dês suas justificativas “em janeiro os técnicos do esporte tiram férias após o volume de atividades realizadas durante todo o ano”… Frente a esse argumento tenho uma sugestão: a partir de hoje os restaurantes da cidade fechem para o almoço e jantar já que cozinheiros e garçons também precisam tomar suas refeições!
Para finalizar, é importante lembrar que toda política pública é resultante de duas variáveis essenciais: intervenção deliberada ao longo do tempo. Romper esse ciclo sem consultar os beneficiados é um desserviço à cidadania.
Um forte abraço e que o decorrer de 2014, especialmente para aqueles que atuam no campo do lazer, seja melhor que seu início.
Bramante

Por Bramante
em 5-01-2014, às 17:04

11 comentários. Deixe o seu.

Comentários

Querido chefe, nosso Prefeito foi Deputado Federal eleito por nossa cidade por 16 anos, nao lembro de nada que foi feito em beneficio nosso. Hoje temos mais uma resposta de sua incompetencia, tanto dele como de seu secretario que a única coisa que sabe de esporte e aonde fica o ginasio da prefeitura.Isso mostra tambem o nosso analfabetismo para escolher nossos governantes.

Por Roberto
em 5-01-2014, às 19:13.

Caro companheiro Roberto. A rigor, raríssimas vezes esporte e lazer tem sido áreas prioritárias seja qual o governo, partido ou instância. Isso fica muito claro com o percentual que essas áreas representam em um orçamento… Diria que em Sorocaba tivemos, nos últimos 50 anos prefeitos que apoiaram mais e outros menos essa áreas, no entanto, tirar o pouco que foi conquistado deve mesmo ser amplamente denunciado!

Por Bramante
em 5-01-2014, às 19:42.

Caro Bramante,
Infelizmente, mas certamente por seus inúmeros afazeres e os festejos de fim de ano impediram-no de mantermos um diálogo sobre crianças, jovens, professores, acadêmicos e lazer. No blogue que administro – http://www.procrie.com.br – há relatos de algumas atuações que realizei em favor de tantos indivíduos carentes de novos métodos de ensino que sejam baratos e de fácil execução. Não foi por acaso que meus principais clientes foram Carlos Nuzman, Bernardinho e Ary Graça. Isto para não citar outros, desconhecidos do grande público. Entre eles destaco o ex-prefeito de Niterói que, ainda em campanha, fez visita ao projeto que desenvolvia na Praia de Icaraí com 300 crianças regularmente, duas vezes na semana. Tudo por conta minha própria conta, inclusive material e equipamentos. Chegamos mesmo a desenvolver o trabalho concomitantemente em Copacabana em dias alternados, quando o Bernardo levou a seleção feminina a visitar os pequenos atletas. Voltando à Icaraí, ampliei em ano seguinte a clientela para 400 alunos e mais poderia fazer, só que agora, sem o apoio do novo prefeito. A continuidade não foi conseguida. Agora com o blogue parece-me que as coisas ficaram mais fáceis e só me falta conseguir patrocínio para Cursos Presenciais.
Como já o informei, o projeto está transparente em http://prezi.com/9nhuhq5t7coh/procrie/ ou no linque http://www.procrie.com.br/procrienoprezi/ Além disso, já escrevi para o presidente da Fenab, infelizmente sem qualquer retorno.
Feliz Ano Novo e esperemos que Deus continue velando por todos nós brasileiros!

Por Roberto A. Pimentel
em 6-01-2014, às 16:24.

Caro Roberto
Em primeiro lugar gostaria de agradecer sua sempre adequada intervenção neste blog e, independentemente da época ou afazeres, já me coloquei e me coloco à disposição para aprofundarmos nosso diálogo. Só entendo que talvez, aqui não seja o espaço mais adequado. Você tem meu e-mail para combinarmos uma videoconferência via skype ou outro meio para tal.
Parabéns pelo seus trabalho a favor das crianças, jovens, acadêmicos, entre tantos junto as autoridades políticas competentes.

Por Bramante
em 7-01-2014, às 9:34.

Estimado Bramante,
É inacreditável que um projeto elaborado com o protagonismo da comunidade e do poder público tenha um fim tão lastimável. Mudar o nome do Projeto já foi um acinte, encerrá-lo, desculpe o termo, mas uma imbecilidade. É capaz que fizeram isso para descontinuar e retomar com um novo nome. Mais do mesmo dessa maioria de déspotas que fazem parte dos políticos brasileiros. Fico consternado, pois tive oportunidade de conhecer o projeto e inclusive fazer uma intervenção junto aos voluntários e observar o comprometimento e a satisfação dos mesmos em relação ao projeto. Vamos em frente, lado a lado que chegaremos juntos. Saudações lúdicas, Edinho Paraguassu

Por Edinho Paraguassu
em 7-01-2014, às 10:48.

Amigo Edinho
Você foi sim um daqueles que nos auxiliaram “na primeira hora” na concepção desse projeto, especialmente na capacitação dos agentes voluntários. Escrevi ao secretário de Esportes e Lazer, da Educação e da Cultura (felizmente tenho bom relacionamento com todos eles, independentemente das “cores partidárias”…rs). Teve um vereador que enviou um requerimento ao Prefeito para que ele explique as razões de tal medida. Portanto, estamos nos mobilizando para que a verdadeira FÉRIAS QUENTES retornem. Grato pelo seu grande apoio de sempre.

Por Bramante
em 7-01-2014, às 12:16.

Olá Bramante,
Já enviei e-mail colocando-me à disposição para dialogarmos, mas não recebi resposta, por isto, voltei a escrever-lhe no blogue.

Creio que deveria colocá-lo ciente de meu projeto para pedir-lhe conselhos e, caso seja operável na sua área, colocar-me à disposição para sua implantação. Considere que o meu Procrie visa primordialmente a Educação, e não prospecção de talentos. Optei, portanto, em trabalhos que visam a Formação Continuada de Professores, especialmente em escolas públicas, os mais necessitados. Como tenho passado funcional e esportivo pelo Banco do Brasil, escrevi para o presidente da Fenab, que ainda não me respondeu. Há algum tempo tive o projeto aprovado para sua implementação pioneira na AABB-Rio, mas por falta de patrocínio (não quero cobrar do alunos) tive que adiá-lo. Estou no momento tentando me reaproximar da CBV para que me auxilie nesta busca.
O PREZI, um sítio exclusivamente educacional mostra uma radiografia do que planejei e que poderemos desenvolver em seus trabalhos caso o aceite. Veja em http://prezi.com/9nhuhq5t7coh/procrie/

Abraço.
(21) 2710-3367 – Niterói (RJ)
Não tenho skipe

Por Roberto A. Pimentel
em 7-01-2014, às 15:22.

Caro Roberto
Embora eu tenha lhe respondido via e-mail, para não parecer mal educado :-) o faço aqui também.
Conheci seu projeto na íntegra na apresentação do PREZI e o considero muito relevante. Não creio que teria competência para lhe dar conselhos pois você conhece volibol e mini-volibol muito mais que eu. Compreendo a sua preocupação em ampliar a visibilidade desse esporte através de sua massificação com as crianças.
Devo-lhe lhe afirmar que, embora afastado do esporte há décadas, volibol foi meu primeiro trabalho numa Faculdade de Educação Física (1972) e quase fui parar no Japão nessa época, dada a excelência de sua prática naquele país. Minha dissertação de mestrado nos Estados Unidos foi em volibol (metodologia da aprendizagem)e dentro da Recreação Comunitária, introduzi em Sorocaba a “Maratona do Volibol”. Tratava-se de um conceito novo na época de fazer de uma modalidade esportiva a base da difusão cultural que a cercava. Se lhe interessar mais, peço que me escreva diretamente no meu e-mail, certo? Abraços

Por Bramante
em 7-01-2014, às 19:58.

Olá Bramante,
Conforme combinado, comunicamo-nos diretamente por e-mail. Grato por todas as suas colocações.
Dado seu passado no voleibol, creio que gostará do livro que estou encaminhando… (prefiro não nominá-lo aqui). Qualquer observação para corrigendas será bem-vinda, caso tenha coragem de lê-lo.
Felicidades!

Por Roberto A. Pimentel
em 8-01-2014, às 14:16.

Caro prof. Bramante,
Como sempre, mais uma aula em seus relatos aqui no blog.
Sobre as ações políticas nem vou comentar pois Edinho já o fez de maneira clara, simples e direta.
Como ainda vivencio o serviço público em SP (na Séc.Esportes, Lazer e Recreação), reconheço que fui consumido pelo descaso e falta de valorização/reconhecimento dos “passageiros” que nem sempre se preocupam com a história e conquistas das equipes técnicas…
Mesmo assim, continuamos juntos, todos os dias procurando vencer os “passageiros da 1a. fila” que ligo estarão em outro “passeio”.
Abs
A

Por Alan Q Costa
em 9-01-2014, às 23:14.

Caro Alan
Muito apropriado o seu comentário, típico de quem conhece a fundo o que ocorre dentro de um processo, lamentavelmente muito comum, de gestão do setor público. Desde a primeira vez que trabalhei numa administração pública – prefeitura de Sorocaba em 1977 – aprendi a apreciar E MUITO a figura do servidor público e defender, publicamente a qualidade e resiliência que ele representa. Não é fácil aturar, a cada quatro anos (na melhor das hipóteses já que as secretarias que lidam com a nossa área profissional, na maioria das vezes representam uma “moeda de barganha política”, não durando muito tempo no lugar…) um novo “salvador da pátria”, via de regra conhecendo pouco o assunto e desrespeitando da história construída ao longo do tempo acha que poderá transformar a realidade. Parabéns por resistir!

Por Bramante
em 10-01-2014, às 19:07. 

Endereço: https://web.archive.org/web/20150319143517/http://blog.cev.org.br/bramante/2014/receita-para-se-detonar-uma-politica-publica/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.