Reescrevenhdo a História dos Esportes, Educação Física & Lazer no Maranhão

Por: .

Blog do Cev - 2017

Send to Kindle


Resumo

Esta semana recebi a visita de dois Acadêmicos de Educação Física, de duas de nossas Faculdades (ambas, particulares...) para orientação sobre trabalho de final de curso. Um, de Licenciatura, outro, de Bacharelato...

O que me impressionou é o desconhecimento da História da Educação Física, dos Esportes e do Lazer no Maranhão!!! Perguntei-lhes se não haviam cursado a disciplina História da Educação Física – haviam! E quem eram os professores: os identificaram. Um deles, falou-me que seu trabalho havia sido sugerido pelo Professor da área de Lutas... e que desejava escrever sobre Judô; o outro, Jiu-jitsu...
O desconhecimento sobre quem, e em que época, esses esportes aparecem no Maranhão, é gritante! Especialmente depois da quantidade de artigos e notas publicadas em jornais locais, em livros, e apresentadas em congressos científicos pelo Brasil afora, por vários anos e em diversas ocasiões.

Ou é omissão, pura e simples, ou preguiça em pesquisar, ou o que é pior: falta de leitura e estudo por parte, principalmente, dos Professores que atuam em nossas instituições formadoras! Material, conforme disseram, que não existem... o que não é verdade!!! 
Comecemos pelo Judô. Já tem um tempo que venho sendo procurado por judocas, que necessitam escrever monografias sobre o esporte, para obtenção de promoção de faixa, em especial, a de ultima graduação – Dan; a pergunta, sempre, se foram os Leite os introdutores da modalidade no estado, nos anos 60...

Tem havido muita polemica sobre a introdução do Judô no Maranhão, e em especial, em São Luis. Tem-se a década de 60 como a de sua introdução, com membros da família Leite. O que tenho, já algum tempo, contestado! Já encontrei indícios de que membros da família Paraíso - de Durval e seu irmão - já praticavam a modalidade lá pelos anos 30, conforme depoimento do mesmo Durval, quando da realização da I Clínica de Arbitragem de Judô, promovida por mim, ainda no início dos anos 80, quando na SEDEL, ao mesmo tempo em que fundávamos, Emilio e eu, a Federação de Judô... 

Depois, encontrei que, na década de 50, que Rubem Goulart ministrava Judô no SESC... conforme reportagem em jornal, da época...
Agora, um evento, da década de 40, fala de um delegado de Alcântara que sabia os fundamentos do Judô, sua origem, seus golpes, e em reportagem irônica, no Jornal O Combate, diz como ele pretendia serenar os ânimos e prender infratores da Lei: com o uso de 'golpes de judô, os quais nominava, enquanto aplicava golpes de capoeira... Não resta dúvida, pelo conhecimento que apresentava que sabia e praticava o Judô, nos anos 40, numa cidade interiorana...

Na década seguinte - anos 50 - até o monento - encontrei que Rubem Goulart estava implantando um curso de Educação Física junto ao Aero-Clube do Maranhão, no ano de 1952, e que dentre as disciplinas a serem ministradas, nesse curso, constava o Judô.
E identifica-se um praticante de Judô, de nome Toledo, o Gigante do Maranhão, que desafiava um lutador paranaense, de alcunha Black, para uma luta de Judô. Segundo notas da imprensa local, seria o primeiro combate de judô em terras maranhenses...
Em que pese a contribuição dos Leite para o desenvolvimento do Judô no Maranhão fica evidente de que eles não foram os pioneiros... nem falei de Jorge Saito... Major Vicente...
Outra polemica, é a do Jiu-Jitsu. O Acadêmico diz que, nas aulas de História e na de Lutas, fora informado de que o introdutor da modalidade no Maranhão fora James Adler! Desconhecia que desde o inicio doas anos 1900 já havia sua prática registrada em São Luís. Perguntei a ele quais os registros de que dispunha, e disse que fora o Conde Koma o seu introdutor, junto com os Gracies, em Belém do Pará, lá pelos anos 20... e que a primeira academia, aberta no Rio de janeiro lá por 1926. Disse que obterá essas informações no sitio da Confederação Brasileira...

Ficou espantado quando informei que não! Que o Jiu-Jitsu fora introduzido antes de 1910, por mestres japoneses contratados pela Marinha de Guerra, quando da passagem de um navio-escola pelo Japão. Três praticantes foram trazidos, para ensinar aos oficiais uma técnica de luta e que, nessa época, havia a polemica se se devia ser introduzida a Capoeira como técnica de combate corporal. Polemica que acabou com a derrota do mestre japonês para um Capoeira, quando de um desafio na casa de espetáculos de Paschoal Segreto, em Niterói, como era de costume àquela época. Que essa luta fora noticiada em jornais locais. Mais, que Koma passara por São Luis, onde permaneceu por algum período, se apresentando no Teatro de São Luis (Arthur Azevedo), antes de se fixar no Pará... e que desde 1908 aparecem indícios de sua prática em São Luis, provavelmente introduzido por Aluísio de Azevedo, que fora Cônsul em Yokohama-Japão... e que há registro, em jornais da época, de que outros clubes, além do FAC, mantinham aulas de jiu-jitsu, havendo um deles com mais de 120 alunos inscritos... isso, por volta de 1910, mais de 15 anos antes da que apareceu no Rio de janeiro...

No dia 1º de setembro, dia do Profissional de Educação Física, uma de nossas faculdades, que mantém Curso de Educação Física, promoveu evento em que o palestrante disse ser o fundador do ‘primeiro curso de educação física do Maranhão’; o que é controverso! Pois em 1903, quando da criação do departamento de Educação Física da Secretaria de estado de Educação, fora introduzida a disciplina Educação Física no Curso Normal – de formação de professores -, sendo contratado, no Rio de janeiro, o professor austríaco Miguel Hoerhann; além das aulas para a formação de professores da Escola Normal, lecionou em várias outras escolas, da rede estadual e municipal, inclusive com aulas particulares e sua introdução no Clube Ginástico Maranhense do Turnen. Depois, em 1952, como já dito acima, Rubem Goulart fundou um Curso de Educação Física funcionando junto ao ,Aero-Clube do Maranhão; o ITA, escola de São Luis, mantinha um Curso de Educação Física, nos anos 1970, nível técnico, antes da criação do curso de educação física da então FESM – hoje UEMA -, mas que nunca chegou a funcionar. Segundo alguns professores da época, para não atrapalhar a criação do Curso de Educação Física da UFMA, que estava sendo criado, na mesma época...

Por falar em Miguel Hoerhann, foi ele o introdutor da Ginástica Olímpica, também naquele inicio dos 1900, através da prática do Turnen. Quase todas as escolas primárias, daquele período, a praticavam, a ginástica com aparelhos. Havia, inclusive, o registro de cursos – seriam academias, hoje -, para o ensino dessa modalidade.

Academias de musculação, ou halterofilismo, como antigamente, também não foi Edilson Penha Alves seu introdutor, nem Joe Henrique, mas Dunshee de Abranches, ainda nos 1800, mais de 100 anos antes do registro da Academia Apolo...
Handebol, não foi Dimas seu introdutor, em 1972/73/74, sendo este o ano da chegada de Laércio Elias Pereira, que trouxe Biguá e Viché... já nos anos 60, o Prof. Braga, da então ETFM – hoje IF-MA -, já havia apresentado a modalidade, introduzida nos JBI – Jogos Brasileiros do Ensino Industrial, anteriores aos JEBs... Antes de Dimas, tivemos o Prof. Jamil, que era do Piauí, e viera coordenar os Jogos Escolares promovidos pela Porfa. Mary Santos; aliás, Dimas ainda se encontrava morando no Pindaré, fazendeiro e industrial, quando aquela professora promovia os Jogos Estudantis, sendo registrado ser Guimarães, com sua equipe feminina, primeira campeã de handebol... sem falar aqueles cursos de proficiência e eficiência, promovidos pelo MEC, em que já havia o curso de Handebol, com mais de 40 professores participantes... antes da volta de Dimas para São Luis, vindo do Pindaré, naquele inicio dos anos 70...

A natação é praticada em nossas escolas, inclusive no interior, como parte do currículo escolar, desde os anos 1800, no seu final... 
E o que dizer da Capoeira? ‘Reza a lenda’ de que foi introduzida por Sapo, no final dos anos 60... quando já se conhecia a participação de Roberval Serejo, que fundara a Academia Bantus, onde Sapo foi se aperfeiçoar; as rodas de capoeira, do Velho Diniz, que existiam em vários locais, em especial na Praça Deodoro e no Olho d´Água desde o final dos anos 50. A Capoeira aparece no Maranhão desde o inicio dos 1800... Inclusive, há uma Capoeira do Maranhão/Ludovicense, singular, diferente das da Bahia – Salvador e a do Recôncavo, pois são diferentes... - e a capoeiragem carioca...

Podemos citar, ainda, inúmeros exemplos... mas paremos por aqui! O que falta aos nossos professores de história da educação física, dos esportes e do lazer no/do Maranhão? Porque desconhecem a História da modalidade?

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.