Relação Entre as Oportunidades de Estimulação Motora Presentes no Ambiente Domiciliar e a Condição Socioeconômica da Família

Por: Teresa Carmelita Barbosa Freitas.

75 páginas. 2011 28/02/2011

Send to Kindle


Resumo

O nível socioeconômico e a estimulação propiciada pelo ambiente familiar são temas de grande interesse no que tange a sua relação com o bem-estar infantil, incluindo o desenvolvimento motor. Crianças inseridas em situações de pobreza estão mais expostas a fatores de risco e vulnerabilidade que podem trazer efeitos negativos para o seu desenvolvimento físico, cognitivo e psicossocial. Da mesma forma a qualidade do ambiente domiciliar nos primeiros anos de vida é um indicador crítico do desenvolvimento na infância, podendo ser utilizado como medida indireta deste. Embora esses dois indicadores (condição socioeconômica e ambiente domiciliar) sejam críticos para os resultados do desenvolvimento na infância e na vida adulta, pouco se conhece de sua interrelação ou, mais especificamente, sobre a influência da condição socioeconômica em aspectos específicos do ambiente domiciliar. Desta forma o objetivo deste estudo foi analisar a relação entre as oportunidades de estimulação motora presentes no ambiente familiar e o nível socioeconômico de famílias de lactentes com idade entre três e 18 meses. Para isso foi realizado um estudo exploratório e transversal no qual participaram 300 famílias e seus filhos com idade entre três e 18 meses. Para avaliar a condição socioeconômica das famílias foram considerados três indicadores: escolaridade paterna e materna, renda familiar mensal e a classificação econômica da família avaliada por meio do questionário da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, critério Brasil 2008. Para avaliar as oportunidades de estimulação motora presentes no ambiente familiar foi utilizado o questionário Affordances in the Home Environment for Motor Development - Infant Scale (AHEMD-IS). Trata-se de questionário passível de auto-administração direcionado aos pais de crianças com idade entre três e 18 meses, composto pelas dimensões espaço físico interno e externo, atividades diárias e brinquedos e materiais existentes na residência. Para testar a normalidade e homocedasticidade dos dados foram utilizados os testes de Shapiro-Wilk e de Levene. Para a comparação de mais de dois grupos independentes foi utilizado o teste de Kruskal-Wallis seguido do teste Dunn (quando apropriado). Adotado o nível de significância de 5%. Os resultados indicaram que o espaço físico da residência foi influenciado pelos indicadores condição econômica (p<0,001) e renda familiar (p=0,0025). A dimensão atividades diárias vivenciadas pelos lactentes não foi influenciada por nenhum dos indicadores socioeconômicos estudados. A dimensão brinquedos foi influenciada tanto pela condição econômica da família (p<0,001) quanto pela escolaridade paterna (p<0,001) e materna (p<0,001).Concluímos que de maneira geral as oportunidades de estimulação motora presentes no ambiente domiciliar de lactentes são influenciadas pela condição socioeconômica da família. Aspectos do ambiente domiciliar como o espaço físico e a disponibilidade de brinquedos dependem fortemente da condição socioeconômica da família, enquanto as atividades diárias, que são oportunidades que dependem essencialmente dos pais não diferem em função dos indicadores socioeconômicos.

Endereço: https://www.unimep.br/phpg/bibdig/aluno/visualiza.php?cod=758

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.