Relação Entre Atividade Físca Sistemática e Tensão Pré-menstrual em Mulheres Não-atletas de 18 a 50 Anos

Por: .

165 páginas. 2001

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo objetivou: (1) determinar a incidência de TPM numa amostra de 223 mulheres da população feminina da Universidade Gama Filho (UGF) e em outra amostra que consistiu de 97 mulheres praticantes de atividade física sistemática em 11 academias das zonas norte, sul e oeste da cidade do Rio de Janeiro, (2) comparar a incidência de TPM nos dois grupos, (3) caracterizar as relações entre os sintomas de TPM e a pratica de atividade física sistemática e (4) verificar se esses sintomas interferem na vida profissional e pessoal das respondentes. Foi construído um instrumento de coleta de dados baseado na literatura e validado por especialistas nacionais e internacionais. Os resultados deste estudo apresentaram amostras homogêneas em termos de faixas etárias. Entretanto, a amostra das academias teve nível sócio-econômico significantemente mais alto (p= 0,001). Houve 88% de incidência de sintomas de TPM em ambos os grupos. A pratica de atividade física sistemática contribuiu pouco para (1) a diminuição da intensidade do sintoma dor de cabeça em ambas as amostras de praticantes (p=0,025) e (2) a diminuição dos sintomas, palpitações e mudança de humor em ambas as amostras (p=0,022 e p= 0,038, respectivamente). Não houve diminuição estatisticamente significante dos outros sintomas. Observou-se que 233 mulheres (83,5%) de ambas as amostras indicaram algum tipo de interferência dos sintomas da TPM com maior ou menor freqüência em sua vida pessoal e profissional.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=1264&listaDetalhes%5B%5D=1264&processar=Processar

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.